De garoto prodígio a desafeto da torcida: a trajetória de Lincoln no Flamengo

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/FLAMENGO

Por: Guilherme Calvano

Confirmado no Vissel Kobe, do Japão, Lincoln deixa o Flamengo sem nunca ter correspondido em campo as expectativas que a torcida rubro-negra um dia depositou em seu futebol. Cria do Mais Querido, o atacante, que somou mais polêmicas e frustrações do que gols, certamente não deixará saudades. Tratado como joia e garoto prodígio, Lincoln não conseguiu repetir o roteiro de sucesso de outros jovens formados no clube, como Lucas Paquetá e Vinícius Júnior.


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


Promovido em 2017, Lincoln chegou com moral nos profissionais, graças às boas atuações e gols na base do Fla e da seleção brasileira. No entanto, a expectativa acabou não se confirmando em momento algum, e o atacante, nesses mais de três anos no time principal, conviveu com o banco de reservas e até com ausências na lista de relacionados.

Entrando no decorrer de alguns jogos neste período, o jovem, com atuações tímidas e pouco empolgantes, nunca conseguiu encantar. Pelo contrário, a torcida rapidamente perdeu a paciência com o jogador, sobretudo depois de um lance em específico, que acabou “selando” seu destino no Flamengo. Lançado por Jorge Jesus na prorrogação da partida contra o Liverpool, válida pela final do Mundial de Clubes, no Catar, Lincoln teve a bola do empate em seus pés, mas isolou.

Desde então, a vida do atacante se tornou um “inferno” no clube da Gávea. Crucificado pela torcida pelo gol perdido na finalíssima contra os ingleses, Lincoln voltou a atuar, mas sempre com a sombra de tal lance o perseguindo. Sob o comando de Domènec Torrent, chegou a recuperar um pouco a confiança ao balançar as redes em três oportunidades. No entanto, já com Rogério Ceni, outro tento desperdiçado, dessa vez debaixo das traves, fez o pesadelo voltar à tona. Diante do Atlético Goianiense, pelo Brasileirão, o jogador perdeu a chance nos minutos finais e fez com que o Rubro-Negro deixasse de levar os três pontos.

Dias depois do lance, fotos suas em uma festa foram vazadas na internet e a insatisfação por parte dos torcedores aumentou. Diante de um cenário talvez irreversível para Lincoln no Fla, a diretoria flamenguista se sentiu na obrigação de negociá-lo. Antes de fechar a venda, o cria do Ninho foi afastado do elenco profissional e colocado para treinar junto da equipe sub-20, por conta de um desentendimento entre dirigentes rubro-negros e agentes do atleta.

A drástica medida acabou piorando ainda mais a relação das duas partes, mas acelerou as conversas pela saída do jogador. Por 3 milhões de dólares (aproximadamente R$ 15,6 milhões na cotação atual), o Flamengo negociou Lincoln com o Vissel Kobe, do Japão. Com um contrato de três anos e opção de extensão por mais dois, os japoneses ficarão com 75% dos direitos econômicos do atleta.

Em síntese, o desfecho foi considero bom para ambos os lados. Porém, é bem verdade que, após Lincoln surgir com enorme potencial na base, o Rubro-Negro esperava embolsar uma quantia bem superior aos R$ 15 milhões do negócio com o Vissel. Vale destacar que o atacante, no início de sua caminhada nos profissionais, chegou a receber sondagens de clubes importantes como Juventus e Atletico de Madrid. Frustração ou alívio, fato é que o casamento entre Lincoln e o Flamengo chega ao fim com um roteiro para lá de inusitado, certamente com mais baixos do que altos.

Veja também