Divisão: fundadores da Chapa Azul não se entendem após encontro

Fonte: GE

Como já era esperado, reunião entre fundadores da Chapa Azul realizada nesta quinta-feira, na Zona Sul do Rio de Janeiro, consolidou a cisão do grupo que venceu as eleições presidenciais realizadas em dezembro de 2012. Wallim Vasconcellos, atual vice de patrimônio, e Luiz Eduardo Baptista, o Bap, ex-vice de marketing, queriam que o presidente Eduardo Bandeira de Mello abdicasse da tentativa de se reeleger. Isso não aconteceu, e o racha está consumado. Assim, Wallim enfrentará Bandeira no pleito previsto para dezembro, e Rodolfo Landim será seu vice.

Bandeira conta com o apoio dos seguintes vice-presidentes: Flávio Willeman (jurídico), Cláudio Pracownik (administração), Rafael Strauch (Fla-Gávea), Pedro Iootty (secretaria geral), Pedro Almeida (tecnologia da informação), José Rodrigo Sabino (marketing) além de Alexandre Wrobel, que até junho dividia a responsabilidade de comandar o futebol com Rodrigo Caetano.

Ao lado de Bap, os vices Rodolfo Landim (planejamento), Gustavo Oliveira (comunicação) e Wallim (patrimônio). Carlos Langoni, que entrou no clube em 2013 responsável pela pasta referente à renegociação da dívida do Flamengo, também é aliado do ex-vice de marketing.
Participaram da reunião integrantes do chamado “núcleo duro” do Flamengo, grupo que militou mais intensamente na campanha da Chapa Azul em 2012. Fazem parte dele Eduardo Bandeira de Mello, Wallim Vasconcellos, Rafael Strauch, Rodolfo Landim, Pedro Iooty, Rodrigo Tostes, Gustavo Oliveira, Alexandre Póvoa, Alexandre Wrobel, Claudio Pracownik e Flavio Willeman. Póvoa, que também integra o ‘núcleo duro’, está de férias e não esteve no encontro.

Esperava-se que alguns vice-presidentes que apoiam Wallim entregassem seus cargos, mas isso não ocorreu. Atitude “enigmática”, sob a ótica de Rafael Strauch, vice-presidente do Fla-Gávea.

– Eles entenderam que só existiria grupo unido se fosse o Wallim o candidato. A gente queria votar, tanto pela maioria do núcleo duro quanto pela do Conselho Diretor, mas eles não concordaram. Disseram que querem continuar no governo, que vão ter chapa contra a gente, mas não entregaram os cargos. Isso ficou enigmático para gente. Nós não entendemos como eles se colocaram. Vi até um certo constrangimento por parte deles – opinou Strauch, que disse não saber quais vices, de fato, apoiarão Wallim.
.Gustavo Oliveira considerou que tratar como enigmática a opção feita por seus pares trata-se de uma visão de política ultrapassada. E explicou que o prosseguimento no clube se dá pela simples razão de se trabalhar pelo Flamengo.

– A gente trabalha para o Flamengo. Acreditamos que ainda há muita coisa a se fazer para o Flamengo. A gente está lá para fazer o Flamengo andar, agora se o Eduardo quiser destituir os vice-presidentes é um direito presidencialista. Se ele se sentir desconfortável com a situação, é um direito dele nos destituir – admitiu Oliveira.

Há uma grande dúvida a respeito de que lado está Rodrigo Tostes, vice de finanças e pilar na reestruturação rubro-negra nesse sentido. Alexandre Póvoa, responsável pela pasta referente a Esportes Olímpicos, é outro que tem sua situação tratada como indefinida.

Opositores a Eduardo Bandeira de Mello afirmam que houve uma tentativa de entendimento e que o pedido do grupo de Bap e Wallim não era por uma desistência do presidente, mas sim de uma “realocação”.

Veja também

  • Acompanhei a eleição de 2012 desde o início e penso que quem cresceu o olho
    foi o Bandeira. Havia sim um acordo de rodízio e respeito a decisão do
    grupo e não da individualidade. No entanto, confio em ambos e minha
    preocupação não é qual deles vai vencer e sim se algum deles vai, embora minha preferência seja pelo Wallim.

    Vamos
    dividir os votos dos bons em dois. o "Grupo Garden" do Márcio Braga já
    apontou candidato também, e muitos deles apoiaram os "Azuis" na última
    eleição. Se a oposição vir com uma candidatura só vamos ter muitos
    problemas. Dividir os votos em dois (mais do pessoal do Márcio Braga) contra uma oposição nefasta que conseguiu mais de 1200 votos (Patrícia + Jorge Rodrigues) é brincar com fogo.

    Se o cenário não bom na véspera da eleição, espero que Wallim e Bandeira tenham amor e respeito suficiente ao Flamengo e os torcedores para se unirem novamente e não jogar fora 3 anos de trabalho duro.

    Márcio Braga: até que muitos que estão com você tem boas intenções, mas vocês estão ultrapassados, seu tempo acabou, volta para casa e vai cuidar da sua vida.

    Veronesi, Cotta, Ferraz, KB e todos os velhos parasitas: FORA DO MEU FLAMENGO!! CORJA NUNCA MAIS!!!!!!

    #SRN Vida Longa a Eterna "Chapa Azul" !!!!

  • Eles vão se entender, não esquenta a cabeça.

  • Pra que mudar se está dando certo?

  • Cara, não sei se ele é o melhor candidato, ou se ele é o grande responsável pelo Flamengo estar na situação que está (creio que não, pois ninguém muda um clube do tamanho do Flamengo sozinho), mas uma coisa é inegável em EBM: sua discrição e humildade. O cara nunca ficou de bafafá com a imprensa, nunca o que se vaza tem ele como fonte, e ele nunca falou nada dos "blues lado B", mesmo que o Bap tenha falado um monte dele. Não sei ainda o que é o melhor para o Flamengo, pois os pormenores dessa situação não são tratados à luz do dia, mas uma coisa é certa: EBM não pode deixar a direção do Flamengo.

  • Uma pena haver esse racha nos Blues… Mas fato é que o Bap e o Wallin têm o ego muito inflado… Estou com o EBM, que nunca largou o bote…

Comentários não são permitidos.