Tostes projeta 2016 difícil; Bandeira vê investimento mais fácil

Fonte: GE

O relatório financeiro do primeiro semestre de 2015 aponta para um Flamengo mais forte e menos dependente de receitas extraordinárias para investir, especialmente, no futebol. Mas o cenário atual é perigoso. A crise econômica do país tem impacto direto nas finanças do clube e o quadro pintado pelo vice-presidente da área, Rodrigo Tostes, é sombrio. Ele projeta um 2016 pior do que o ano atual, cita alta dos juros e do dólar, e afirma que não deve ter “refresco”. Mas as visões são distintas no Rubro-Negro. Na contramão de Tostes, o presidente Eduardo Bandeira de Mello diz ter certeza que “a situação a cada ano que passa vai ficando mais confortável”.

No início da atual gestão, a diretoria previa que um possível segundo mandato seria de forte investimento no futebol, mas, de acordo com a análise de Tostes, a situação de momento força um recuo justamente nos meses que antecedem a próxima eleição presidencial no clube. O vice de finanças apoiará Wallim Vasconcellos, que será candidato no pleito, concorrendo com Bandeira.

A equação de Tostes é simples: se os juros sobem, a dívida rubro-negra também. Ele destaca que o clube teve bom desempenho diante das circunstâncias, mas abaixo do esperado. Para o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, a situação pode melhorar um pouco com a possibilidade de diluir a dívida tributária com a Lei de Refinanciamento Fiscal do Esporte, aliado ao fato de o clube ter conseguido prolongar dívidas de curto prazo, diminuindo o valor de parcelas.

De acordo com o relatório rubro-negro, no primeiro semestre a receita bruta atingiu R$ 172.749.168, o que representa um crescimento de 1,5% em relação ao período no ano passado. A receita líquida recorrente – descontados impostos e receitas extraordinária com venda de direitos federativos – subiu 1,1%, atingindo R$ 163.146.845. Diz o relatório que as receitas de marketing e transmissão foram a alavanca do aumento, compensando queda nas receitas de competições. As despesas operacionais tiveram redução de 6,1% no primeiro semestre, ficando em R$ 101.256.926, enquanto em 2014 fecharam o primeiro semestre em R$ 107.820.434. O texto destaca os resultados em período de “forte retração de investimentos, alta inflação e redução do poder aquisitivo dos consumidores”.

O Flamengo destaca ainda um resultado operacional recorde de R$ 62.397.262 no semestre, com 9,3% de aumento em relação ao mesmo período de 2014. O superávit do exercício, no entanto, caiu 6,3% se comparado ao ano passado, fechando o primeiro semestre em R$ 36.749.860. O clube afirma ter pago R$ 25.677.402 em dívidas no primeiro semestre – em 2014 foram R$ 17.953.759. Segundo o relatório, o endividamento líquido atual está em R$ 551 milhões – e segundo Bandeira de Mello a expectativa é de que seja reduzido para algo próximo dos R$ 500 milhões até o fim do ano. O documento diz que o Flamengo “vem construindo as bases para um crescimento sustentável no ciclo 2016-2018”.

O total de empréstimos também aumentou. Em dezembro de 2014, a soma era de R$ 140 milhões. No fim de junho deste ano, o total era de R$ 144 milhões. Porém, há a ressalva de que o montante devido a curto prazo foi reduzido de 50% para 39%. O déficit do balanço de pagamentos de curto prazo do clube caiu de R$ 130.593.321 para R$ 78.346.971. O clube comemora ainda os dados de que, no primeiro semestre, o gasto com pessoal do departamento de futebol foi de 39% do total de arrecadação, bem abaixo do teto de 50% estipulado nas próprias regras internas de responsabilidade fiscal do clube – e muito distante dos 70% previstos na LRFE.

Corte maior de despesas

Para Tostes, contudo, um corte ainda maior de despesas é iminente e absolutamente necessário. O vice de finanças afirma ter sido conservador no orçamento feito no ano passado, mas que ainda assim o lucro líquido está menor do que se imaginava:

– A minha visão, como acho que a de qualquer pessoa que entende minimamente de área financeira no Brasil hoje, é de preocupação. As perspectivas não são boas. Eu quando fiz esse orçamento em outubro, fui conservador, e o nosso lucro líquido está bem menor do que a gente imaginava. Já fomos conservadores, mas a gente fez esse orçamento lá atrás sem saber que o dólar estaria desse jeito, os juros estariam do jeito que estão, e que o país estaria passando o que está passando. Então a minha visão, não só de Flamengo, da situação como um todo, é que é muito preocupante. Apesar de tudo isso, conseguimos pagar R$ 51 milhões de dívidas, estamos mantendo as contas em dia, mas tenho um olhar de preocupação, tanto é que vamos estabelecer agora um aumento ainda maior de corte de despesas – analisou.

O dirigente fez uma previsão pouco otimista para 2016 e considera que isso afetará diversas receitas, não somente a dívida.

– A gente precisa se preparar para um ano de 2016, acredito eu, pior do que 2015. E isso impacta em tudo, em bilheteria, sócio-torcedor, em patrocínio. Não dá para projetar um ano que vem melhor do que esse ano em termos de investimento para o futebol porque a gente não sabe qual será a nossa realidade de patrocínio, de sócio-torcedor, hoje a gente passa por uma crise, a gente precisa entender que o país está em crise. Se você leu os relatórios de hoje, o Bank of America está projetando o dólar a R$ 4,10 em janeiro. Isso quer dizer 20% de juros no final do ano, a projeção é essa. Impacta a nossa dívida, em vez de ter de pagar R$ 50 milhões, dos quais 50% são juros, eu vou pagar R$ 80 milhões. Simples assim. E aí se eu vou pagar R$ 80 milhões, para manter as CNDs (Certidões Negativas de Débito), eu vou tirar dinheiro de onde? Eu não posso mais ficar sem as CNDs. Vou ter de tirar de investimento – explicou.

Para o presidente Bandeira de Mello, a situação atual é mais confortável do que quando a diretoria assumiu o clube. E acredita que será mais fácil fazer investimentos como foi feito para a contratação de Paolo Guerrero, que rapidamente conquistou a torcida rubro-negra.

– Com certeza, a nossa situação a cada ano que passa vai ficando mais confortável. É arrecadar mais e gastar menos. A partir de agora cada vez fica mais fácil fazer um investimento como fizemos no Guerrero. Não afetou em nada a nossa política de responsabilidade, estava tudo dentro do orçamento e o que tivermos de pagar dentro desse investimento será pago religiosamente.

Bandeira de Mello explicou que a possibilidade de parcelar as dívidas fiscais por um período mais longo complementará a política do clube de reduzir o endividamento de curto prazo.

– A gente tem feito isso sempre, mas agora com a MP 671 isso vai se acentuar, porque a gente vai poder diluir toda a dívida tributária em 240 meses. Isso gerava uma situação que no início era dramática e que hoje ainda tem um pagamento substancial que vamos reduzir bastante com essa diluição proporcionada pela MP. E também pelos abatimentos que são feitos de multas, encargos legais e juros de mora, que estão no bojo da MP.

Sobre o pagamento de dívidas, o presidente afirmou:

– É um processo que já vem desde 2013, tem de gerar um resultado operacional positivo para ter recursos para pagar a dívida e ao mesmo tempo gerar recursos para as atividades do clube. O número não temos qual vai ser, mas imaginamos algo em torno dos R$ 500 milhões.

Veja também

  • Enfim, será que 2016 vai ser um ano melhor ou vamos ficar lutando contra o Z4?

  • Bem…é claro que as atuais condições econômicas afetam qq instituição que tem dívidas, pois elas são atreladas a taxas do mercado…sinceramente isso vai afundar tds os times, com isso se o Flamengo mantiver a capacidade de investimento atual (contando com o montante investido em Guerrero por exemplo) já estaremos à frente de quase td mundo da série A em 2016. Ano que vem corre o risco de termos menos patrocínios e quiçá uma diminuição dos Sts ( que acho difícil se formos para liberta por exemplo) e a certeza do aumento de juros. Porém, teremos uma diminuição das parcelas da dívida fiscal e a entrada de uma quantia representativa de cotas da TV. Imagino que possa haver um equilíbrio. É claro que nos imaginávamos em 2016 com muito mais grana que os outros para investir, mas ainda vejo que estaremos sendo top 3 de investimento em 2016. Tostes não vai apoiar Wallin? Qnd vamos apoiar outra pessoa e somos pessoas "sérias"…podemos não mentir, mas podemos ser realistas demasiadamente para lançar dúvidas.

  • Galera, acabei de descobri um novo jogo, muito parecido com Brasfoot e Cartola, sendo que esse é muito mais realista e você ainda pode ganhar vários prêmios em dinheiro e ganhar camisas oficiais de vários times, vem jogar.
    Cadastra-se Já :goo.gl/Ftd3w6

    • Enfia esse jogo no teu CÚ ! PORRA !

      • Kkkkkk cara chato do caralho esse do jogo! Todas as matérias esse fdp deixou essa msg!

  • Estou falando do Montillo

  • Ele não que vir para o Flamengo, ele simplesmente quer tirar a familia da China onde não se adaptou.

Comentários não são permitidos.