Rafael Vaz: maior ladrão de bolas e erro coletivo em estreia pelo Flamengo

A derrota por 1 a 0 para o Figueirense, domingo, em Florianópolis, pelo Brasileirão, marcou a estreia de Rafael Vaz no Flamengo. O zagueiro teve bom desempenho individual, sendo o maior ladrão de bolas, com 15 no total, porém, participou do erro coletivo que gerou o gol de Rafael Moura: saiu da área para dar combate em Carlos Alberto, livre, o autor da assistência. O lance mostra que há necessidade de evolução em um setor que pode ter novidade, quarta-feira, diante do Cruzeiro.

Rafael Vaz formou dupla com Léo Duarte – Juan está machucado e, suspenso, César Martins não pode atuar. Foi a sexta em 31 jogos em 2016. Mostrou bom posicionamento e qualidade no embate com os atacantes. Somou quatro roubadas de bola (tomar a bola e ficar com ela) e 11 desarmes (cortar um lance). Também teve presença ofensiva, especialmente em cobranças de escanteios: duas finalizações contra o gol de Gatito.

Números de Rafael Vaz

– 2 finalizações
– 26 passes certos/6 passes errados
– 0 falta cometida
– 4 roubadas de bola
– 11 desarmes

– Fiquei feliz só de tentar ajuda a minha equipe, mas, ao mesmo tempo, chateado porque o resultado positivo não veio. É trabalhar, já passou, pensar no jogo de quarta-feira porque precisamos da vitória – comentou o defensor.

A análise interna quanto ao gol, marcado pouco antes do intervalo, aponta para erro coletivo. Jorge, o lateral do lado esquerdo, onde se originou a jogada disse:

– Deixamos o jogador deles de qualidade, o Carlos Alberto, pensar. Ele achou o Rafael Moura, que marcou o gol. Foi isso.

Zé Ricardo isentou Rafael Vaz no lance. O zagueiro deixou a área para dar combate. Léo Duarte chegou atrasado ao tentar desarmar o centroavante rival.

– Ele vinha treinando. Participou dos dois coletivos da semana. A gente achou por condição e também necessidade promover a estreia dele. Diferente do Réver, que não atua há dois meses. Acho que foi bem. A questão do gol… a gente sabe que não poderia dar espaço ao Carlos Alberto. Ele foi feliz, achou o Rafael Moura, que acertou um lindo chute. E foi feliz. A gente, se comportando melhor em todos os setores, vai evoluir. Ao manter a bola, sofreremos menos na defesa. Essa é a ideia – analisou o treinador.

Em sexto com 10 pontos, o Fla desafia o Cruzeiro, quarta-feira, em Belo Horizonte. Partida que Réver, mais um zagueiro contratado, poderá ser titular. Zé Ricardo afirmou avaliar a estreia do reforço. Seria o parceiro de Rafael Vaz.

Fonte: GE

Veja também

  • Nego implantando noticia pra queimar o jogador. Ele saiu da área, se todos tivessem saído o cara estaria impedido. Ontemnnao foi a defesa, e sim o ataque.

  • Gostei do Vaz na estréia. Sempre levamos gol nas costas do Jorge, esse problema vem desde o ano passado. O Jorge passou de uma revelação pra um lateral irregular.

  • O Vaz foi dar o combate ao Carlos Alberto, no lugar que o Jorge deveria
    estar e, como sempre deixou um buraco ali naquele lado e com isso ele
    não estava onde deveria e saiu o gol…
    Até quando vamos ter de aturar os buracos nas costas do Jorge…?

  • Todo técnico que enfrenta o Fla já sabe o caminho do gol: As costas do Jorge…
    Samir sofria dando cobertura ali…
    Wallace também (não que eu queira eximir o cara da responsa)…
    E agora o Vaz começa a sofrer tendo que dar cobertura ao Jorge…

  • Nenhuma zaga vai ser boa no Fla enquanto o Jorge for deixando aqueles buracos nas costas…
    O gol saiu porque o Vaz teve de deixar a posição dele para dar combate ao Carlos Alberto nas costas do Jorge, como sempre…

  • Rafael Vaz foi muito bem no jogo, e não acho que tenha falhado no gol. O Carlos Alberto “achou” uma brecha pra tocar a bola pro Rafael Moura, que acertou um chute daqueles que nunca mais ele acerta, na veia, descaindo.

    No geral Vaz foi excelente.

  • Jogou muito bem, foi seguro e tranquilo, mas falhou no gol, assim como o Léo Duarte. O primeiro deu espaço para o Carlos Alberto lançar e o segundo não chegou na pressão para travar o chute. O nosso sistema ofensivo continua com muitas dificuldades para fazer gols, até criamos bastante, mas a bola não tem entrado. Gostei da escalação e das substituições, o Zé Ricardo está indo bem. Já estava contando como Guerrero para o jogo de quarta, mais aí a seleção do Dunga me apronta essa, brincadeira… SRN

  • Ao lado de Alan Patrick, foi o melhor em campo. Muito seguro, e algo que fez muito bem, e que há tempos nós cobravamos, foi a saída de bola com bons passes, sem apelar para os chutões, lógico, na medida do possível. Ótima estreia. Sou defensor nato da base, mas enquanto o time estiver na situação em que se encontra, melhor preservar o Leo Duarte e o Vizeu, pois sabemos que tem muito potencial, e hoje, as críticas são muito fortes nesses dois setores, zaga e ataque. O Meio campo, falta o Cuellar, pois com a técnica do zagueiro que sai jogando, precisa de alguém pra receber essa bola e entregar ao dono de nosso meio campo, o Alan Patrick, e o Márcio Araújo, deu a falsa impressão que sabe passar, mas ficou só na impressão. Estou esperando ver Tiago Santos no ataque. Esse joga muito, vai pra cima e dribla fácil.

  • Vamos apoiar o Zé, convenhamos que ele precisa de mais uns 4 jogos. Mas se ele continuar insistindo em Gabriel, Fernandinho, Ma, deixar cuellar na reserva, continuar nesse 433, quem está se demitindo é ele.nao é possível nação. Só pode ter dedo dos empresários, Gabriel é uma humilhação,falta de respeito com o manto…

  • erro foi do MA, ele nao marca o CA e fica parado, com isso o vaz teve que sair da zaga pra dar bote na frente, visto que o volante nao faz isso, ai o he man correu e o MA continuou parado , com a porra do braço levantado pra não correr atrás….
    MA, cirino , gabriel não dá mais !!!! everton é banco n tem condições de ser titular, mancu e cuellar n podem ser banco num time como esse….pelo amor de Deus…ninguém vê isso ?!

    SRN!

  • Gostei da estreia do Vaz dá bem mais segurança do Wallace e Cesar Martins q graças a Deus não voltam mais.

  • Como essas matérias são tendenciosas. Achei o Vaz bem em sua estréia. Agora, é muito difícil jogar ao lado do Jorge. Esse sim não marca ninguém, não acompanha ninguém, não vai na linha de fundo cruzar uma bola. Vejo o Jorge como um novo Felipe, que começou na lateral e jogou melhor no meio campo. É preciso testar um outro lateral esquerdo.

Comentários não são permitidos.