“A formiga rubro-negra”

Por séculos as fábulas e seus conteúdos moralizantes povoam o imaginário infanto-juvenil.

O torcedor de futebol, sobretudo o rubro-negro, é, antes de tudo, uma criança. Sonha com reis, imperadores, heróis, mitos, lendas, façanhas e um Deus. O flamenguista é uma criança monoteísta que fabrica seus próprios monstros, pesadelos e inimigos.

Jean de La Fontaine escreveu “A cigarra e a formiga” e sua mensagem era clara: Quem quiser passar bem pelo inverno, enquanto for jovem, deve aproveitar melhor o tempo. Primeiro vem o sacrifício, depois os resultados. Há tempos de trabalho e tempos de diversão.

No futebol, mecanismo emulador da vida, nem sempre esta lógica se comprova. Nosso futebol foi construído em cima da inadimplência, da ostentação, da malandragem, do trambique, do calote. Tudo para saciar o ego infantil do torcedor. Quantas vezes mídia e torcida não exaltaram uma equipe multicampeã, fazendo vistas grossas para toda estrutura podre que a executou? Brada-se contra a corrupção e pela honestidade até seu time entrar em campo e ser eliminado por um adversário “mais fraco”. Diante do vexame, para não passar novamente por ele, tudo é permitido.

No Flamengo houve o tempo de diversão, mas em 2013 chegou o tempo de trabalho. Ao longe, avistava-se um impiedoso inverno. Da dispensa de Love, passando pelas contratações de Carlos Eduardo, Elano, Éderson, Guerrero até a recente contratação de Diego, observa-se um claro movimento ascendente. Não é milagre, não é engenharia financeira. Enquanto as cigarras dançavam, as formigas trabalhavam duro. Só em 2016 o rubro-negro carioca trouxe: Muralha, Rodinei, Vaz, Réver, Juan, Donatti, Cuellar, Arão, Mancuello, Damião e Diego. Quitando seus processos trabalhistas, lançando seu programa de sócio-torcedor, pagando sua astronômica dívida, alijados de sua própria casa, entregando ao seu quase desesperado torcedor toda a sorte de jogadores, alguns muito, muito aquém do que a história rubro-negra sugeriria. O Flamengo, no seu processo de reconstrução, a despeito da conquista da Copa do Brasil de 2013 e do estadual de 2014, levou o seu torcedor ao limite; ao caos. A partir da vinda de Guerrero, no ano passado, o clube já assinalava um esboço do abandono da estratégia do encostado/lesionado/aposta/refugo que tanto assombraram sua obsessiva torcida. O elenco de 2016, executado a duras penas, é a subversão dos super-times erigidos através do calote. Já não é mais o “pobre, porém limpinho”. Enquanto as cigarras tremem de frio, as formigas cantam e dançam no inverno.

Nunca é possível antecipar os acertos táticos e técnicos. O futebol prega peças. Os craques fracassam, o desconhecido vira mito, o improvável domina, porém as intenções permanecem sob julgamento e no Flamengo elas visam à aurora dourada. Uma hora, de tanto fazer o correto, é possível que mesmo no futebol o correto se realize. Deste modo, o desafio do Flamengo não é só a vitória e o título. Ele tem algo a provar. A fábula tem uma moral: de tanto fazer o certo, o resultado virá. Acreditar nisso é o maior desafio de dirigentes, jogadores e torcida.
Resta a reflexão: Se o futebol emula a vida e o Flamengo emula o Brasil, uma vez o Flamengo dando certo, poderia o Brasil dar certo?

Fonte: Doentes por Futebol

Veja também

  • Fico muito otimista justamente com isto, o Flamengo emula o Brasil, 40 milhões é mais que muitos países (talvez mais que a maioria); conseguindo superar a cultura da vadiagem (do treinar para que), do apito amigo (Curintias), do tapetão (Vasco), dentre outras, e a substituir pela cultura da eficiência e do trabalho, do fazer a coisa certa, então o Flamengo terá contribuído em muito ao país;
    Claro que somos influenciados pelo que ocorre ao nosso redor e muito mais ainda por nossas paixões, portanto, claro que somos influenciados pelo que ocorre no futebol ou no Flamengo;
    Planejamento e trabalho passaram a ser uma prática diária do nosso time; Os resultados ainda estão amadurecendo, mas quando chegarem, e chegarão, irão certamente arrastar a todos; todos os torcedores e todos os demais clubes, pois estes terão que se mexer se não quiserem ficar para trás, assim como o Flamengo estava anteriormente ficando; Flamengo passando a ser a locomotiva desse Brasil nosso, não apenas no futebol;
    Elogios nunca serão suficientes à atual diretoria.

  • Esses VERMES da imprensa esportiva que dizem que a diretoria não entende de futebol, eles sim não entendem NADA de futebol. Não sabem que futebol é movido a dinheiro. Não adianta saber quais jogadores são bons se não tiver grana para contratar. De muitas apostas baratas da Diretoria, algumas até vingaram, como exemplo do Arão.

  • parabéns pelo texto.

  • Esse excelente texto é do meu amigo de longa data Nilton Carlos, que publica periodicamente no Doentes por Futebol.

    E retrata mesmo uma esperança de que com trabalho, paciência e fazendo a coisa certa, por mais que as tentações em volta de seduzam a fazer o fácil, as coisas vão funcionar.

    O Flamengo começa a funcionar. O Brasil, acredito que esteja mais longe disso.

  • Infelizmente o fla erra muito nas contratações!!! Nesse quesito o galo é muito superior!! Só acertam na mosca!!! Nos temos quase q condições ideais ou até superior a eles mas eles usam o dinheiro melhor!! Nunca trariam Ederson canela d vidro!! Tomara q alguma outra pessoa ou dirigente capaz no futebol entre nessa diretoria e use os recursos d maneira mais inteligente e q a diretoria tenha pulso pra tirar jogadores canceres e não só pulso em contratações!! De repente a maior contratação esse ano seria a dispensa d alguns pra dar chance a outros muito mais capazes e com vontade!!!

    • Se o GALO é tão bom pra contratar assim como eles buscaram o CARLOS EDUARDO mesmo depois do BRASIL inteiro ver a PEREBA que ele era ??? kkkkkkk FICA ATIVO cara.

      • Vc tá falando d 1 jogador contestado!! No flamengo tem uns 5 no mínimo!!! Pqp

      • Um jogador que se destacou em um clube grande e foi para a seleção brasileira, não pode ser pereba!!! &;-D

    • Contrataram agora o Carlos Eduardo e Erazo…. e também considero a contratação do Fred no mínimo contestavel…Sem afalar no “grande” Maicosuel…

      No frigir dos ovos, nossa diretoria erra e acerta nas contratações…como todas as outras por ai…

      Rodinei, Aráo, Mancuello, Cuellar, Guerrero, Diego, Rever….todas essas foram contratações acertadas.

      Abraços

      • O problema é que o quintal do vizinho tem a grama mais verde.Sem contar que o galo teve um aumento de 120 mi nas dividas, gastou mais de 110%,ano passado e esse ano vai pelo mesmo caminho.Acho que até o final de ano eles passam o Flamengo em divida, já que estão muito próximo. Comprar pendurando é mole,difícil é pagar.

        • Então me mostre algum dia o galo ou corintians fora da libertadores!!!

      • Vc fala d 2 jogadores no galo!! vamos pro fla: Gabriel cirino canteiros pará César Martins etc!! Esse ano errou mais não mandando embora ou emprestando do q contratando

    • O Flamengo erra nas contratações ou os jogadores contratados é que JAMAIS esperavam encontrar um ambiente com PRESSÃO intensa da torcida, EXIGÊNCIAS da mídia e COBRANÇAS fortes de um modo geral? Inclusive, se os jogadores contratados pelos outros clubes viessem para o Flamengo e encontrassem este ambiente, eles também dariam certo?

      Só para constar: o Carlos Eduardo e o Erazo estão lá… &;-D

    • JOGADOR não é MÁQUINA meu amigo, não é só instalar e vai funcionar, veja o COPETE o cara parece que já joga junto com o SANTOS a uns 2 ANOS kkk já está entrosado com toda equipe e ja é parte do time. Como eu sempre digo, PRESSÃO só existe pra JOGADOR RUIM e CABEÇA FRACA, o cara que é BOM DE BOLA e tem CABEÇA BOA ele chega e joga. Esse papo de ADAPTAÇÃO foi uma maneira que dirigentes arrumaram de tapar as merdas que fazem.

      • O galo deve ser uma indústria então!! Pq lá as máquinas não falham!!! É libertadores todo ano e como favorito!!!

      • Mas o Adriano é bom de bola, mas tem a cabeça fraca… &;-D

    • o caduzinho ce20 ta lá…

      • Quem é ce em relação a canteiros cirino Gabriel César Martins Pará juntos? Kkkkk

    • “Contratar bem”, como o Galo seria gastar + de 100% da folha?Ou deixar déficits consecutivos?Atlético hoje está com uma divida bem próxima ao do Flamengo, podendo ser maior no fim de ano.

      • Quando o galo e corintians pararem d jogar libertadores consecutivas vc me diz!!! Kkkk eles já são sócios!!!!

      • Não!!! Seria conseguir jogar libertadores ano sim é outro também como eles sabem fazer!!!

    • Para mim, o exemplo a ser seguido é o Santos, fico impressionado como sai jogador de qualidade daquela base. É só observar o time hoje e o histórico recente de jogadores. Inclusive os nossos meias (A. Patrikc e Diego) saíram daquela base.
      Uma lista muito breve (Neymar, Ganso, Gabigol, Tiago Maia, Robinho, Diego, Alan P., Felipe Anderson, etc) nos últimos anos, o único que conseguimos revelar foi o Renato Augusto. Lembrando que se olhamos um pouco para o passado, aquela seleção que nos tirou de uma fila de espera enorme tinha muitos jogadores oriundos da base do mengão (Jorginho, Leonardo, Bebeto, Zinho e Audair)

      • Sou mais jogar libertadores ano sim é outro também como o galo!!

      • Está esquecendo do Samir e do Jorge (e provávelmente do Vizeu)… &;-D

  • Ótimo texto, excelente visão e cometários muito motivadores. Talvez eu seja uma dessas formigas, que acreditando em tudo isso, virei sócio torcedor no dia da abertura e continuo até hoje, mesmo com algumas dificuldades e podendo usar este mísero R$ 39,90 para outra coisa. Sei que é possível fazer o Flamengo a maior potência da Américas, capaz de afrontar os poderosos Real Madrid e Barcelo. Como moro em Salvador, além de torcer, ajudo como sócio e como um operário desse grande formigueiro chamado Flamengo.

  • “…A fábula tem uma moral: de tanto fazer o certo, o resultado virá. Acreditar nisso é o maior desafio de dirigentes, jogadores e torcida.”
    Eh nisso que eu acredito. SRN

  • Parabéns pelo texto!
    Essa é a idéia.
    Tempos de colheita.
    O gigante está se levantando e cheio de fome!

    SRN ST

  • excelente texto!

Comentários não são permitidos.