“Com crise econômica, Brasileiro tem queda no preço do ingresso”

A crise econômica atingiu o preço do ingresso dos jogos do Brasileiro. O valor médio cobrado pelos bilhetes na edição de 2016 caiu em relação ao ano passado considerada a inflação. Clubes admitem ter feito promoções ou baixado o valor por conta do problema econômico.

Levantamento do site www.balancodebola.blogspot.com.br, de Benny Kessel, mostra que o preço do ingresso médio foi de 33,91 até a 24a rodada do Brasileiro-2016. Em 2015, considerado todo o campeonato, o valor médio foi de R$ 37,05, segundo o próprio blog contabilizou.

Sim, no final do campeonato há uma tendência de um pequeno aumento no preço médio. No acompanhamento rodada a rodada, que foi feito até o 21o jogo, o número do site é de R$ 36,23 em 2015 contra R$ 36,03 na atual temporada. A inflação em 12 meses foi de 9%, o que demonstra que no valor real houve redução do preço.

Entre os grandes clube, Cruzeiro, São Paulo e Internacional são os três grandes que cobram preços médios mais baixos. Justamente os time de maior torcida que atravessam as piores fases no campeonato. As crises econômicas e em campo se misturam na explicação para a redução.

”Mudamos o preço desde a virada do ano passado. A economia está em crise então vimos a necessidade”, contou o diretor comercial do Cruzeiro, Robson Pires. ”Tivemos que rever a mensalidade do sócio-torcedor, preço médio do ingresso, valores de camisas. Realinhar para baixo.”

Segundo o dirigente celeste, o reajuste foi de 40% a 50% para baixo. E, de acordo com ele, deu resultado porque o Cruzeiro tem tido bons públicos. O preço médio do ingresso cruzeirense é de R$ 27,37.

Quem cobra o menor valor médio entre os grandes é o São Paulo com R$ 26,64. A queda de rendimento brusca após a eliminação da Libertadores é a explicação para o valor. Há quem consiga pagar R$ 12,00 em ingressos atrás do gol do Morumbi se for sócio-torcedor.

”A queda de preço teve a ver com o desempenho pós-Libertadores. Houve um pedido da comunidade”, contou o vice de marketing do São Paulo, Vinícius Pinotti. ”Sem dúvida a crise afeta. Mas, na Libertadores, em que os ingressos eram mais caros, tivemos bons públicos. É que o torcedor do São Paulo se acostumou a pagar pouco no Brasileiro.” Segundo o dirigente, não dá para baixar mais o valor porque isso afetaria as finanças do clube que passaria a pagar para jogar.

Na outra ponta, quem continua a ter o ingresso mais caro do Brasil é o Palmeiras. Até a 24a rodada, sem o jogo com o Flamengo, cobrou R$ 63,23. Mas, apesar de alto, esse valor é inferior a média do clube no ano passado que girava em torno de R$ 67,00. Ressalte-se que os valores podem subir no final do ano.

Corinthians e Flamengo vem em seguida neste ranking. O ingresso do time alvinegro se manteve estável, o que significa queda se consideramos a inflação. Só o time rubro-negro teve aumentou sobre seu valor médio de bilhete, o que se explica pela ausência do Maracanã e a utilização de estádios menores.

Mesmo com a queda do valor do ingresso, a média de público do Brasileiro-2016 decepciona. Até a 21a rodada, o público era de 14.870 contra 17.648 na mesma fase do ano passado. A falta do Maracanã, obviamente, afeta esse número. Mas talvez o preço não tenha caído o suficiente em meio à crise.

Fonte: Rodrigo Mattos

Veja também