Comitê confirma buraco do tamanho de piscina no gramado do Maracanã

Depois da polêmica envolvendo o buraco do Maracanã, o Comitê Rio 2016 resolveu se manifestar. Em vez de os 30cm sustentados pelo diretor artístico das cerimônias de abertura e encerramento da Paralimpíada, Marcelo Rubens Paiva, a cratera aberta é de 6m de comprimento por 4m de largura. Há, ainda, 1,5m de profundidade.

Para deixar o gramado em perfeitas condições para ser usado para a prática do futebol, o Comitê calcula entre 30 e 35 dias de trabalho. Diante disso, dificilmente entregará o estádio antes do dia 30 de outubro, data previamente marcada.

Abaixo, o Comitê Rio 2016 explica o buraco aberto e detalha os prazos para a recuperação do campo.

“O buraco fotografado no centro do campo foi feito para acomodar a máquina que dançou com a atleta Amy Purdy, na cerimônia de abertura Paralímpica. Tem 6m de comprimento por 4m de largura, 1,5m de profundidade. Ele foi feito bem no centro do campo para não afetar e nem comprometer o sistema de drenagem, que no caso do Maracanã, não tem tubulação na zona central do campo.

A base do gramado do Maracanã será reconstruída, o buraco preenchido com quatro camadas de material. Um metro de argila para aterro na compactação, 10cm de pó de pedra como base de sustentação, 10cm de brita zero para drenagem, 30cm de areia com matéria orgânica, onde será depositada grama.

A operação de tapar o buraco com a devida compactação, e o nivelamento, deve durar entre 10 e 15 dias corridos. Outros cinco dias serão gastos na retirada da grama que lá está com o nivelamento geral do campo. Depois disso, serão gastos outros cinco dias para recolocação do novo gramado.

Com a grama instalada, faltam mais 10 dias para que o campo fique perfeito e em condições de uso frequente. O compromisso do Rio 2016 é devolver o Maracanã em perfeitas condições até o dia 30 de outubro. Evidente que faremos todo o possível para deixar o campo novo antes desse prazo. Não podemos, porém, sacrificar a qualidade do trabalho por conta da pressa”.

Fonte: GE

Veja também