Fla aumenta em 31% os gastos em salários no futebol

Basta uma breve análise no balancete financeiro do Flamengo para notar que um dos dados apresenta um significativa mudança. Na comparação com os nove primeiros meses de 2015 e da atual temporada, o salto na folha salarial é de 31,7%, saindo de R$ 52,240 milhões para R$ 68,796 milhões. Em campo, o time saltou da 12ª posição no Brasileiro do ano passado pela disputa do título — a cinco rodadas do fim, são cinco pontos atrás do líder Palmeiras.

— Fomos mais ousados. Na nossa previsão plurianual, imaginávamos investir mais no time no ano que vem, mas tivemos oportunidades de negociação que nos permitiram antecipar investimentos e, com isso, colhemos mais frutos — explica Claudio Pracownik, vice-presidente de finanças do clube. — Numa empresa pré-falimentar em recuperação, que era o nosso estado, a primeira tarefa é cortar despesas para melhorar o caixa da empresa. Quando as contas estão equilibradas, é efetivamente a hora de dar este passo, de começar a investir na produção. É isso que o Flamengo está fazendo agora.

TÍTULO ENVOLVE VARIÁVEIS

Após as contratações do início de temporada, em que Mancuello e Cuéllar eram os destaques, o time voltou ao mercado quando teve oportunidades, como cita o dirigente. O zagueiros Réver e Rafael Marques, o atacante Leandro Damião e, especialmente, o meia Diego se enquadram neste tipo de reforço.

— Conseguir o título envolve uma série de variáveis, mas a percepção para o mercado, a torcida e os patrocinadores é de que o Flamengo pode ser ainda mais competitivo do ano que vem em diante — afirmou.

Até o fim do mês, o clube aprovará o orçamento de 2017. Além de melhorar sua imagem para os patrocinadores, o Flamengo acredita conseguir novas receitas junto à torcida. A venda de 22 mil carnês para os três últimos jogos do ano em casa, contra Botafogo, Coritiba e Santos, é visto como um sinal do que pode fazer com um estádio próprio. A antecipação de receitas de bilheteria seria uma conquista importante para o planejamento de uma temporada.

Especialista em gestão esportiva e responsável pela consultoria BDO, Pedro Daniel vê o rubro-negro em um ciclo virtuoso e com espaço para crescer.

— O clube ainda tem uma reserva de curto prazo, com R$ 18 milhões no caixa, o que quase nenhum clube do Brasil tem. Dá para ver que estão fazendo isso (aumentando as despesas no futebol) com responsabilidade. O superávit no período é de quase R$ 60 milhões. Ouso dizer que, para a Libertadores do ano que bem, o clube pode trazer dois ou três bons jogadores — disse.

ÚLTIMOS INGRESSOS

Até o fim da tarde desta terça, faltavam apenas 1.600 ingressos para a torcida do Flamengo no clássico de sábado, contra o Botafogo, no Maracanã.

Fonte: O Globo

Veja também