Até quando?!

Salve, Salve, Nação Rubro-Negra!

Hoje vocês lerão uma coluna diferente das usuais. Usarei este espaço democrático para fazer um desabafo e externar toda a minha indignação com algumas situações que costumam acontecer reiteradamente com o Flamengo e no futebol carioca como um todo. Começarei pelo clássico de ontem, onde o senhor Luis Antonio Silva dos Santos conseguiu o que queria: os holofotes. Brilhou sua estrela no jogo de ontem! Primeiro uma expulsão (justa, diga-se de passagem) com uma encenação digna de novela mexicana e, ao final da partida, a invenção de uma penalidade máxima (ratificada cinicamente pelo senhor Daniel do Espírito Santo, seu auxiliar), fruto de uma bisonhice inigualável.

Quanto à expulsão do Luis Fabiano, achei justa. Porém devem ser ressaltados alguns pontos a serem contestados:
1 – a postura do juiz em prostrar-se à frente do atacante e não recuar, observando distância mínima na tentativa de evitar o contato (o que é uma recomendação da comissão de arbitragem);
2 – o fato da reincidência do soprador de apito em situações semelhantes a essa;
3 – o histórico da “cabeça quente” do Luis Fabiano, cujo qual foi juvenil e deu ao árbitro o motivo para ser expulso ao forçar o contato (afirmo aqui que não houve qualquer tipo de agressão ao juiz, mas segundo a mesma comissão de arbitragem, qualquer contato exercido pelo jogador com o árbitro é passível de cartão vermelho ao atleta).

Em relação à penalidade máxima, prefiro apenas afirmar que não houve nenhuma dúvida! Nem ao vivo, na hora da ocorrência do fato. Sem a necessidade de observar o replay da jogada, não houve dúvida de que a bola não bateu na mão do Renê. Fato inconteste! Devemos lamentar a patética entrevista do técnico do adversário (que está deixando se contaminar pelo ambiente moralmente insalubre do clube pelo qual foi contratado) que na coletiva afirmou, categoricamente e com a maior cara-de-pau que: “Todo o estádio viu que a bola bateu na mão do jogador rubro-negro” – pasmem! Também pudemos observar a patética encenação do Nenê (jogador dos vices) que levantou os braços parecendo um boneco de posto após a bola bater na barriga do lateral-esquerdo do Flamengo, induzindo o juiz a marcar a penalidade. Da mesma forma havia adotado a mesma conduta nefasta (atentem-se juízes para a falta de idoneidade deste atleta) minutos atrás incitando o juiz a marcar a cobrança irregular de escanteio numa bola chutada por Douglas, que bateu no travessão do Flamengo sem que houvesse qualquer desvio. Essa característica dantesca de tirar vantagens indevidas reforça a tese de que o Flamengo anda muito na contramão destes times de segunda categoria que ainda utilizam-se de artifícios como estes para levarem alguma vantagem nas partidas, algo típico do coronelismo ditatorial de dirigentes retrógrados que têm cada vez menos espaço no âmbito do futebol competitivo atual e têm a desfaçatez de dar uma nota 11 (de 0 a 10) para a organização e o regulamento do campeonato carioca.

Pegando carona neste mesmo assunto e colocando a mudança das regras da competição para este ano em voga, venho aqui explicar-lhes (na minha opinião) o porquê deste regulamento esdrúxulo do campeonato carioca ter sido alterado. Me respondam se puderem: Qual time “grande” do estado do Rio de Janeiro vem caindo de produção de forma contumaz ao longo dos anos? Qual foi o único dos quatro grandes do Rio que não conseguiu se reforçar minimamente para a temporada atual? Pois é, todos sabemos as respostas. Agora acompanhem o meu raciocínio: se o time preferido da FERJ, partícipe por induzimento, está enfraquecido monetária e esportivamente, como é que chegaria a uma final de turno com o elenco pífio que possui? Como decidiriam a final do campeonato sem terem levantado a taça de algum dos turnos? É óbvio: sendo um dos quatro melhores colocados por pontos corridos ao longo do primeiro e segundo turnos do campeonato (expectativa que ainda pode ser frustrada). Vocês enxergam outra forma de classificação para este clube? Pois é, como diria William Shakespeare: “Há mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar nossa vã filosofia.”

O ponto “ganho” pelo juiz ontem foi fundamental a apenas uma equipe. O Flamengo já estava classificado com três rodadas de antecedência para decidir o campeonato junto às outras três equipes. Não precisamos de dispositivos subalternos para lograr êxitos nas competições que disputamos. O poder de manobras e subterfúgios utilizado por essa gente retrógrada e a vileza das ações ímprobas praticadas acabará por sepultar de vez nosso querido futebol carioca. Como um time consegue ser campeão estadual no início do ano e colecionar descensos nacionais seguidamente? É meus caros leitores, poder e influência também têm limites. E estes limites atualmente estão restringidos e relegados apenas à regionalidade. E por enquanto… porque o futuro se desenha cada vez mais obscuro e fadado ao ostracismo.

O Flamengo simplesmente é!
Saudações rubro-negras a todos!

Fabio Monken.

Gostou? Não gostou? Concorda, discorda? Ótimo!
O Debate sempre será salutar!
Deixe seus comentários e interaja conosco!
Pontos de vista divergentes são essenciais à evolução do homem.
Mas lembre-se: Somos todos Flamengo!
A intolerância e a falta de argumentos são os combustíveis para o fracasso!

Veja também

  • A foto de capa da matéria retrata bem o lamaçal de atraso que é hoje o futebol carioca!!

  • Só tem gente fina ai em…Os Metralhas….só faltou o uniforme de presidiário.

  • Bom texto Fábio. Discordo sobre a atitude do Juiz com o Luis Fabiano. O jogador não pode, em qualquer situação, peitar o árbitro. A expulsão foi correta pois caso contrário perderia o controle do jogo. Sobre o Penalty, o árbitro se amparou na marcação do bandeira, que estava de frente ao lance. São uma equipe, árbitros (de campo e auxiliar) e bandeiras. Quem marcaria diferente? Ele confiou no trabalho de seu assistente. Fomos garfados por incompetência, ou má fé, do assistente.

  • é máfia, só pode.

  • o pior que eles morrendo vai continuar a mafia, já tem os substitutos.

    • Esperemos que não, Marcondes.
      Oremos…
      SRN!

  • Bom texto, Fabio e parabéns pelo bom português, argumentos bem fundamentados, n concordo com tudo, mas valorizo quem expõe sua opinião de maneira fundamentada e n por birra e clubismo.

    • Boa noite José,

      obrigado pela participação. Quanto ao português à fundamentação de argumentos, acho essenciais a qualquer pessoa que queira externar quaisquer pontos de vista, que devem ser defendidos sem puxar a brasa pro lado de sua sardinha. De acordo com a sua concordância ou não, isso é realmente o que importa: divergência de opiniões! E reitero isso aqui sempre, pois se fizermos um trabalho de discussão de pontos de vista de maneira honesta e educada, temos muito a crescer profissionalmente e também no âmbito pessoal.
      E mais, isso ajudará e muito o Flamengo a crescer sempre, pois no final de tudo todos queremos um Mengão cada vez mais forte.
      TMJ! SRN!

  • Fabinho, eu achava ser o único louco a ver o mau caratismo do nenê. Parabéns pelo texto, resume bem um pouco das mãozinhas aos pequenos.

    • Valeu Madruguinha!
      SRN!

    • Somos dois. Além de mau caráter, o Nenê também é covarde… &;-D

      • Aquela do escanteio foi sacanagem.

  • Texto muito bom e vai numa ferida que está aberta há tempos e chega ser explicito o favorecimento ao botafogo e vasco. Ele já queria aparecer (indio) desde do começo da partida e prejudicou o Flamengo com um gol mal anulado pois rever estava em posição legal e aquele pênalti bisonho marcado mas o vasco é muito limitado msm flamengo com desfalques sérios, eles tbm estavam com o setor defensivo praticamente reserva, o que quero dizer Flamengo não pode ficar no “mimimi” e colocar a culpa no juiz por certas incompetências do nosso querido treineiro e de certos jogadores que jogaram de salto pois já estávamos classificados, eu quero alma de elenco campeão,ontem claramente o juiz prejudicou o Flamengo mas pra ganhar do vasco nesse momento é obrigação de um elenco muito superior,com salario em dia e tendo condições excelentes de trabalho.

    • Concordo em 100% de que o Flamengo já deveria ter “matado” o jogo há tempos, principalmente depois do LF expulso. Achei excessivamente demorada a entrada do Paquetá. Poderia ter entrado logo após.
      Mas isso não isenta o Sr. Índio pelas lambanças que (sempre) fez.
      TMJ. SRN!

      • Com certeza.

  • Belo texto.
    Só discordo em relação à crítica ao árbitro no lance da expulsão. Ele deu o cartão a certa distância do jogador, levantando o cartão para o alto, e não na cara do atacante. Não acho que ele tenha agido de forma provocativa ou autoritária na forma de dar o cartão. O jogador que foi tresloucado mesmo.

    • Sim Haroldo, o histórico do LF também depõe contra ele.
      Mas o juiz poderia ter tentado evitar mais o contato. Veja que ele caminha em direção ao atacante do vice ao mostrar o cartão. Poderia tê-lo mostrado e virado de costas, por exemplo.
      Mas respeito sua opinião e não eximo a culpa do LF pela expulsão.
      Tamo junto!
      SRN!

  • Com todo respeito mas permita-me discordar, o regulamento foi alterado para a TV não correr o risco de ficar sem as finais, porém realmente foi pensando na disparidade técnica e administrativa entre Flamengo e os outro grandes, o risco de conquistarmos o campeonato antes era muito grande para eles apostarem; já que a globo financia o campeonato ela quer que todas as datas sejam utilizadas. Segundo apesar de acharmos sacanagem o que os vascaínos fizeram duvido muito que nossos jogadores fariam diferente, é um problema da nossa sociedade, cultural, isso não justifica, mas serve como reflexão que na hora que o calo aperta é cada um por si.

    SRN #IssoAquiÉFlamengo

    • Penso igual, a questão era a TV. Mas ñ podemos negar q Eurico é “forte” na Ferj e eles ajudam o ba2co sempre q possível..

      • Eduardo e José, respeito a opinião de vocês, mas vejo um campeonato totalmente acéfalo para que a TV lucre minimamente com ele.
        A outra fórmula era, disparada, a melhor de todos os estaduais. Peguem os programas esportivos de uns 4 a cinco anos atrás…
        De qualquer maneira, muitíssimo obrigado pela participação de vocês.
        Fazemos a coluna pensando sempre em vocês, tenham sempre essa certeza.
        SRN!

        • Ainda assim, acredito que o Campeonato Carioca deveria ser feito para os pequenos clubes. Bem estruturados e reforçados, eles poderiam dar mais trabalho aos grandes clubes e tornar o campeonato mais interessante… &;-D

          • Penso da mesma maneira, só que com os grandes sem os seus jogadores principais e disputando outras competições concomitantemente. SRN

    • Concordo contigo. Jogadores do fla e.de qualquer time também tentam a todo custo ludibriar o árbitro. Está enraizado na nossa cultura, infelizmente.

    • Concordo, essa é a nossa realidade

  • Gostei do texto… parabéns…

    • Valeu Cosme!
      SRN!

  • Teria alguma brecha na lei sobre o estatuto do torcedor que poderia processar o soprador de apito por danos morais e materiais, já que o mesmo já processou jogares e técnicos pelo mesmo motivo???

    • Deveria ter né Anderson?
      Uma tremenda “arrumada” do Sr. Luis Antonio…
      SRN!

  • Simplesmente ridicula a postura de Nene, pedindo penalti, sabendo que a bola tinha batido na barriga do Rene.

    • Milton, infelizmente não esperava outra atitude vindo deste jogador.
      Obrigado por nos acompanhar.
      SRN!

  • Vasco é uma vergonha total, não sei como alguém ainda torce para um time com tais características.

    • O problema não é o Vasco, mas seus nefastos dirigentes!
      Um adversário forte nos torna mais fortes, mas um adversário vil acaba com a credibilidade do espetáculo.
      Obrigado por participar.
      SRN!

      • Exato. O vasco nao merece isso. Nao merece eurico. Nene. Rebaixamentos. Sempre foi o nosso rival. Maraca dividido. Uh cade o bandeirao. Ta aqui!!

  • Enquanto existir dirigentes como Eurico no futebol, veremos eternamente esses desmandos de federações e CBF, enquanto isso os 7×1, virarão 8×1, 9×1, 10×1….

    Algo que vale lembrar sobre este senhor foi o principal responsável por todo o entrave envolvendo a Copa União de 87.
    “O Eurico Miranda era vice-presidente de futebol do Vasco e ficou como nosso interlocutor na CBF”, comenta Aidar. “Ele nos traiu e deu sinal verde para a CBF virar a mesa, mesmo contra a determinação dos outros 12 clubes de não fazer cruzamento com o Módulo Amarelo.” (trecho tirado do site Trivela, nome da reportagem – Crise, revolução e traição: a história da Copa União de 1987.)

    • Triste mesmo Jardel!
      Mas isso está começando a mudar.
      O Flamengo está na vanguarda, mas muitos clubes ainda se agarram na expectativa de melar o profut.
      O relator está firme. A farra acabará em 2018 e que não se adequar…
      A conta chega. E quando vem, ela é pesada!
      Obrigado por nos acompanhar e, principalmente, por deixar sua opinião registrada.
      Grande abraço e SRN!

Comentários não são permitidos.