Mauro Beting: “Treinador não tem país. Tem competência”

Jair Ventura é dos melhores treinadores do Brasil. De qualquer idade. Faz um trabalho admirável no Botafogo sem estrutura, dinheiro, elenco e time para fazer campanha tão emocionante e surpreendente há um ano.

Mas, como qualquer treinador de qualquer idade, e como qualquer profissional de qualquer área, defende indefensável e corporativista e xenófoba reserva de mercado para treinadores brasileiros. E apenas eles.

Assim como muitos jornalistas não gostam de trabalhar (quando trabalham) com ex-atletas (eu adoro: já trabalhei com mais de 40, ajudei a lançar seis, e quero aprender com muitos mais), muitos treinadores se sentem ameaçados.

Sim. É mais gente para cobiçar postos de trabalho. Mas alguns estrangeiros agregam. E muito.

O Brasil também foi campeão do mundo em 1958 pelo muito que Vicente Feola aprendeu com Bela Gutman, no São Paulo de 1957. Como Dori Krushner, Fleitas Solich e Filpo Nuñez nos ensinaram bastante. Como o mundo todo evolui em qualquer campo com a troca de conhecimento que não tem fronteira. Nem bandeira.

É só não dar bandeira por corporativismo.

Fonte: Blog do Mauro Beting | Uol

Veja mais:

Veja também

  • Ate mais a noite

  • Esse cara usa a coluna pra vim falar de jair frescura aqui na coluna do mengao ta de fuleragem esse cara é. .babaca ninguem quer saber de jair frescura nao porra

  • O time é bom, mas já a algum tempo, não temos o sangue rubro negro jorrando em campo…

Comentários não são permitidos.