GE: “Dois vices, frustração e título carioca invicto: a retrospectiva 2017 do Flamengo”

A expectativa era de um ano ”mágico”. Com investimento alto e organizado fora de campo, o Flamengo chegou em 2017 com sua torcida empolgada com a possibilidade de brigar pelos principais títulos da temporada. No entanto, terminou o ano com a conquista do Carioca e dois vice-campeonatos.

O GloboEsporte.com lembra os fatos que marcaram os últimos 12 meses do Flamengo. Lembre:

Carioca: única taça

O único título rubro-negro conquistado na temporada foi o Campeonato Carioca. Havia um favoritismo grande sobre a equipe, que tinha o maior investimento do futebol do Rio de Janeiro na temporada. Mesmo sem ganhar a Taça Guanabara e a Taça Rio, o Flamengo teve a melhor campanha nos dois turnos. O time do técnico Zé Ricardo venceu o Fluminense na decisão.

O Flamengo foi vitorioso nos dois jogos da final. No primeiro, o placar foi 1 a 0, com gol de Everton. No segundo, conseguiu uma virada já nos minutos finais, com Guerrero e Rodinei balançando as redes. O Campeonato Carioca foi conquistado de forma invicta.

A maior decepção


Depois da conquista do Carioca, o elenco do Flamengo passou pela maior decepção da temporada. A eliminação na primeira fase estava longe do planejamento e deixou uma ferida que custou a cicatrizar. Em um grupo com San Lorenzo, Atlético-PR e Universidad Católica, o time de Zé Ricardo ficou na terceira posição da chave. Venceu todas no Maracanã, mas não conseguiu nenhum ponto fora de casa.

Para piorar, o balde de água fria veio com ”requintes de crueldade”. Na última rodada, a equipe abriu o placar diante do San Lorenzo, em Buenos Aires, e levou a virada no último minuto do jogo. Apesar do discurso de não fazer ”caça às bruxas” após o vexame no torneio continental, a pressão sobre o time aumentou a partir da eliminação.

Troca de treinador

Depois de mais de um ano no comando da equipe, Zé Ricardo deixou o cargo de técnico do Flamengo em agosto de 2017. Ele foi mantido mesmo após a eliminação da Libertadores, em maio, mas os resultados ruins no Campeonato Brasileiro culminaram na demissão. A saída foi confirmada horas depois da derrota por 2 a 0, em casa, diante do Vitória, na rodada final do primeiro turno.

O Flamengo então foi ao exterior buscar Reinaldo Rueda. O colombiano foi contratado dias depois e veio credenciado por duas Copas do Mundo (2010 com Honduras e 2014 com Equador) e pelo título da Libertadores de 2016 com o Atlético Nacional.

Copa do Brasil: vice nos pênaltis


Fora da Libertadores, os olhares se voltaram para a Copa do Brasil. Depois do primeiro semestre, o Flamengo se reforçou na janela do meio do ano. No entanto, nomes como Éverton Ribeiro e Diego Alves não puderam disputar da competição mata-mata por conta do regulamento.

A campanha teve altos e baixos. Nas quartas de final, venceu o Santos por 2 a 0, mas o placar de 4 a 2 na Vila Belmiro por pouco não abreviou a participação no torneio. Por outro lado, superou o rival Botafogo na semifinal – 1 a 0, com gol de Diego após linda jogada do colombiano Orlando Berrío.

Na decisão, o Flamengo teve pela frente o Cruzeiro. No jogo de ida, no Maracanã, abriu 1 a 0 com Lucas Paquetá. No entanto, a equipe de Mano Menezes conseguiu o empate após falha do goleiro Thiago e gol marcado por Arrascaeta.

No duelo do Mineirão, ninguém conseguiu abrir o marcador. A decisão então foi definida nos pênaltis. Diego foi o único a desperdiçar, e Muralha, que voltava ao time após lesão de Thiago, continuaria sem pegar nenhuma cobrança na temporada.

Sul-Americana: ”quase”’


A frustrante eliminação da Libertadores rendeu a possibilidade de disputar a Copa Sul-Americana. Um ”prêmio de consolação” que, inicialmente, não empolgou a torcida – os públicos foram baixos nos primeiros duelos válidos pelo torneio.

No entanto, um dos momentos positivos da equipe em 2017 se deram durante a Sul-Americana. Nas quartas, o Rubro-Negro manteve seu histórico positivo em clássicos de 2017 e superou o Fluminense. O momento marcante foi no jogo de volta, quando a equipe esteve perdendo por 3 a 1 e conseguiu o empate para se classificar – havia vencido por 1 a 0 a partida de ida.

Na semifinal, o Flamengo superou o Junior de Barranquilla. Vencendo, de virada, no Rio, e no jogo de volta, na Colômbia. A vaga na decisão enfim empolgou a torcida. No entanto, a equipe acabou amargando o segundo vice-campeonato da temporada.

O rival na decisão foi o Independiente. Após perder por 2 a 1 em Buenos Aires, o Flamengo não conseguiu vencer no Maracanã. O empate em 1 a 1 deu o título aos argentinos.

Brasileirão: sexto lugar e vaga na Libertadores no sufoco


Havia um expectativa grande para o desempenho do Flamengo no Brasileirão. Em 2016, a equipe brigou pelo título e ficou na terceira colocação. No entanto, o Rubro-Negro sequer brigou efetivamente pelo título em 2017.

É bem verdade que o Flamengo se classificou para duas finais de torneios que aconteceram paralelamente ao Brasileirão – Copa do Brasil e Sul-Americana. Mas, mesmo com times mistos, o rendimento passou longe de agradar. A sexta colocação (com vaga direta na fase de grupos da Libertadores 2018) veio com uma virada aos 49 minutos diante do Vitória, na última rodada. Por pouco, o adeus ao campeonato não foi bem pior.

Quatro goleiros titulares na temporada


Os goleiros do Flamengo viveram um calvário na temporada. E o personagem principal foi Alex Muralha. Ele iniciou 2017 como titular inconstenstável e com convocações recentes para a seleção brasileira. No entanto, as falhas em sequência o tiraram a confiança e a vaga. O jovem Thiago foi o substituto imediato, ainda no primeiro semestre.

Diego Alves, por sua vez, foi contratado em julho – não podia jogar a Copa do Brasil. Seguro e experiente, ganhou a vaga e se tornou titular absoluto desde a estreia. No entanto, se lesionou na reta final do ano, durante a semifinal da Sul-Americana. Muralha voltou a ter chance, mas as falhas diante do Santos, no jogo seguinte, o tiraram novamente do time.

Já no fim de novembro, o goleiro César ganhou a vaga para atuar na semifinal da Sul-Americana. Sem jogar há dois anos, ele segurou bem oportunidade (agarrou até pênalti em Barranquilla) e terminou a temporada como titular.

Drama de Guerrero e ”bruxa solta”


O Flamengo em 2017 ainda teve que lidar com problemas que fugiram de seu planejamento. Talvez o mais emblemático tenha sido a suspensão por doping de Guerrero após testar positivo para uma substância proibida quando defendia a seleção peruana. Ele desfalcou o Rubro-Negro na reta final da temporada – inclusive nas semifinais e finais da Sul-Americana. A Fifa reduziu recentemente sua punição de um ano para seis meses.

Além disso, o Flamengo teve a ”bruxa solta” com em outros casos, como por exemplo: Berrío se lesionou em outubro e ficará oito meses parado. Diego, astro do time, operou o joelho e ficou fora de boa parte do primeiro semestre. Ederson, o camisa 10, foi diagnosticado com câncer de testículo pouco depois de se recuperar do problema no joelho. Em novembro, houve a fratura na clavícula de Diego Alves.

Maracanã: nem tudo foi festa


Foram muitos jogos com festa da torcida no Maracanã. Bons públicos, mosaicos e apoio ao time. Mas nem só momentos alegres marcaram a relação entre o Flamengo e o estádio em 2017. Em jogos de grande apelo e decisões, houve tentativas de invasão e confusões nos arredores.

O pior cenário foi o da final da Sul-Americana. Houve muitas invasões no estádio, vandalismo e violência em grande escala. O Flamengo, inclusive, foi denunciado em dois artigos pelo Tribunal de Disciplina da Conmebol. Há risco de punição, que pode envolver perda de mando de campo. O Rubro-Negro já enviou sua defesa e pediu marcação de uma audiência. A definição ficou para 2018.

Fonte: Globo Esporte

Veja também

  • Esse ano foi uma vergonha para o Flamengo,ano de fracassos e decepções,de vices e de termos que aturar os perebas no time mais uma vez. só mostrou a incompetência do Banana de Melo,e que ele não entende nada de futebol,e se não mudar muita coisa para o ano que vem,2018 será a mesma coisa que foi esse ano ou pior,espero que tenham aprendido com os erros,embora não acredite muito nisso!

  • Essa primeira foto resume bem o que foi o ano de 2017. Jogadores e dirigentes festejando um sexto lugar no campeonato brasileiro. Ano vergonhoso.

  • Independente das decepções, oh ano azarado esse para o Flamengo, viu… Lesões de jogadores importantes; o caso de guerreiro; Maracanã; etc… Tomara q a sorte esteja do nosso lado em 2018… Pq todo time campeão também depende, hora ou outra, de sorte.

    • Na verdade a sorte acompanha os competentes

      • Affs… Conversa fiada de livros de autoajuda.

    • Não foi só questão de sorte,foi falta de competência mesmo do Banana de Melo no futebol,coisa que ele não tem.e a sorte acompanha os competentes!

  • Em muitos clubes,uma temporada com um título estadual e duas finais seria motivo de comemoração e orgulho. Mas é claro que pelo investimento feito e pela grandeza do clube foi um ano muito fraco!! Mas na minha opinião a teimosia da diretoria foi crucial nesses resultados ruins

  • Um dos anos que mais passei raiva com o Flamengo!
    O investimento é proporcional as expectativas.
    Péssimas contratações e renovações.
    O ano começou errado quando insistiram no estagiário achando que com uma pré-temporada ele daria jeito no time.
    Esquema de jogo congelado e fracassado o ano inteiro. Com Zé e com Rueda, o time jogava da mesma forma e sem nenhuma triangulação ou tabelas.
    Vimos durante o ano inteiro o Arão e o Pará com vagas cativas no time titular. Isso sem contar no Muralha, Vaz e Márcio Araújo titulares na Libertadores com o Zé!
    Acabou o ano comemorando a sexta colocação no Brasileirão como se fosse título. Vergonha!
    Para 2018, quem sair vai ser mais importante do que quem vier.

  • Quantas vezes vão repetir esta materia?????????????????????????????????????????

  • Quantas vezes vão repetir esta materia?????????????????????????????????????????

  • Se olhar.não ganhamos de nenhum grande..porque Vasco e são Paulo estavam mal.Corinthians de ressaca e Cruzeiro tava reserva..

  • Esse time e ridículo , não conseguimos ganhar de nenhum time forte , só batemos em mosca morta . E EBM é o presidente mais teimoso da história do futebol mundial .

  • O Fla faturou sozinho mais que os 3 rivais regionais juntos. Mas teve dificuldades em todos os classicos cariocas, a superioridade financeira não fez diferença em campo. No brasileirão ficou mais evidente as deficiencias, dos 20 jogos com times grandes só ganhou 4. Ou seja, gastam muito mal no futebol!

    • Que diferença faz se teve dificuldade ou não? ganhou a maioria. Contra o Fluminense foram 8!!! Quase destrói o chiqueiro de são sanitário com um drible espetacular do ER… Pelo menos em relação aos rivais locais, foi um passeio.

      • Acho que vivemos em universos diferentes. Pois nos jogos que assisti o Fla só ganhou 3 partidas do Flu. Mas saiu atras 3 vezes, e acabou achando gols de empate nos ultimos minutos em bola parada. Perdeu a final da Guanabara nos penaltis, depois de dar sorte de empatar num gol de falta de Guerrero no finalzinho. Quase foi eliminado na sula, depois de sair perdendo de 3×1, tambem achando empate em bola parada ja no finalzinho. Depois suou para dar 1×0 no botafogo, graças uma jogada do Berrio, mas superioridade não teve. E chegou a ser eliminado pelo Vasco na semifinal da Copa Rio. Superioridade que me refiro é do tempo do zagalo de têcnico, que davamos 4×0 no vasco, e ganhavamos tricampeonatos seguidos.

  • Bandeira o rei dos vices

Comentários não são permitidos.