GE: “O camisa 10 do futuro: conheça Reinier, o meia clássico da base do Flamengo”

Seguindo o sonho da maioria dos garotos, Reinier veste a camisa do Flamengo, pisa no gramado do Ninho do Urubu e olha com esperança para o futuro. Aos 15 anos, o garoto chama a atenção até mesmo dos que já viram muitos talentos passarem pela base rubro-negra. É, pelos números e atuações, uma das joias da atualidade do clube.

Reinier recebe taça de Zico (Foto: Arquivo pessoal)

Reinier recebe taça de Zico (Foto: Arquivo pessoal)

Se com a bola no pé o camisa 10 levou prêmios individuais e títulos no sub-15 em 2017, no microfone teve dificuldade para driblar, mas passou com irreverência. Reinier conversou com a reportagem do GloboEsporte.com no Ninho e já imaginou a estreia dos sonhos pelo profissional:

– Já imaginei minha estreia… Um Flamengo x Vasco no Maracanã. O estádio lotado. Entrar faltando dez minutos, marcar um gol, dar uma assistência. Ajudar a equipe sempre (risos).

Veja a entrevista na íntegra

GloboEsporte.com: Como foi o início da sua trajetória aqui no Rio?

Reinier: Sou uma pessoa muito tranquila, me dou bem com todo mundo. Sou de Brasília, vim em 2011, jogar no Vasco. Comecei lá, passei por Botafogo, Fluminense, aí vim para o Flamengo.

E veio com a família?

– Tenho uma relação muito próxima com minha família. Eles sempre me tratando bem, muito carinho. Eles estão todos lá, só vieram meu pai, minha mãe e minha irmã. Sinto saudades, mas estamos na luta. Meu pai é bastante tranquilo, ele só dá algumas dicas. Ele foi jogador de futebol de salão, conhece esse mundo. Mas é tranquilo demais.

No profissional a gente sabe que tem disputa, mas como é a concorrência na base com os outros garotos?

– Tem bastante concorrência. Mas todo mundo busca o melhor de cada um. A concorrência é normal, cara, mas todos buscando o melhor.

Reinier com duas taças após campeonato pelo Flamengo (Foto: Arquivo Pessoal)

Reinier com duas taças após campeonato pelo Flamengo (Foto: Arquivo Pessoal)

E eu imagino que você, na sua cabeça, já tenha sonhado com a estreia perfeita lá nos profissionais…

– Já imaginei minha estreia… Um Flamengo x Vasco no Maracanã. O estádio lotado. Entrar faltando dez minutos, marcar um gol, dar uma assistência. Ajudar a equipe sempre (risos).

A maioria da torcida não te conhece… Quem é o Reinier no campo?

– Não gosto muito só de fazer gols, busco sempre dar passes, fazer jogadas bonitas. Não é que não goste de fazer gols, mas não tinha muito o costume de pisar na área, mas com o trabalho do Flamengo aprendi a chegar mais, sempre fazendo de tudo.

Já vimos você em campo algumas vezes, com a camisa 10. Quem é sua grande referência?

– Nunca vi ele jogar, mas é o Zidane, um cara que meu pai mostrou vídeos no celular. Sempre busco fazer jogadas como ele. Se eu for 1% dele já estou bem (risos).

Reinier pela seleção brasileira de base (Foto: Arquivo pessoal)

Reinier pela seleção brasileira de base (Foto: Arquivo pessoal)

No Flamengo, hoje, também tem alguém que você olha para se inspirar?

– Diego é um grande jogador, um profissional execelente. Sempre busco olhar o que ele faz também.

Fora de campo agora… O que gosta de fazer? Que música ouve?

– Gosto de ouvir uns pagodinhos, né (risos)? Também um sertanejo, em Brasília é muito isso. Gosto de escutar. Minha família gosta de um pagode. Gosto do Ferrugem, Revelação… Thiaguinho também. Tem uns arrochas, Simone e Simaria (risos). É bom demais.

Só pagode no Flamengo?

– Aqui é funk, meu Deus (risos). Eu gosto, mas eles gostam demais.

Como é o convívio com os companheiros?

– Os caras são muito bons, sempre buscam meu melhor. Cada um correndo, lutando pelo outro. É esse o esírito de uma equipe que quer vencer sempre.

E você tá se saindo bem na entrevista… É mais extrovertido ou mais tímido normalmente?

– Sou um cara mais extrovertido, mas tem hora que dá uma timidez assim, com mulherzinha. É f*** (risos). Conhecer a mãe da gata… Eu tô aí, né? Tô enrolado! Já conheci a família, mas foi um sufoco. Todo mundo flamenguista e doente, graças a Deus. Bom para todo mundo.

Voltando pro jogo, como vê a torcida do Flamengo?

– Ela é impressionante. Não tem igual. Uma torcida espetacular, só tenho coisas boas a dizer. Apoia sempre.

Então deixa seu recado para os torcedores…

– Eu sempre vou honrar o clube, jogar com raça, determinação. Vou estar sempre disposto. Pode confiar em mim, vou buscar chegar alto no Flamengo.

Reprodução: Globo Esporte

Veja também

  • em 2010 eu vi uma preliminar. Flamengo e Botafogo.
    Última partida antes de proibir cerveja no Maracanã.
    Flamengo perdeu de 3×0 no profissional.

    No infantil/juvenil um certo Erick Flores destruiu. Jogou muito. Fez gol. Deu lambreta/chaleira.

    O que eh o Erick Flores hj?

    • Seu ponto ??? Deve ter um não é verdade ?

  • “Nunca vi ele jogar, mas é o Zidane”
    Acho incrível como hoje em dia ninguém tem o Zico como referência.

    • Zidane jogou demais.Ótima referência.

      • Sem dúvidas, mas o que eu estou tentando dizer é que é surpreendente que ninguém nos dias de hoje se inspira no maior ídolo do clube por qual atua, mas se inspira em jogadores que nunca sequer viu jogar.

        • Eu entendo e até concordo quem tem que se formar a identidade do clube, mas o Zidane jogou a menos tempo. Tudo passa e o Zico passará também…

  • O menino joga bem, mas não é um meia clássico. Ele é mais um meia de condução de bola, estilo Kaká, eu disse estilo, antes que pensem que estou comparando.
    Além de ser alto pra idade dele, tem um bom chute de fora da área e usa bem o corpo. Porém não vamos nos iludir, pois não é nada fora do comum e “não é meia clássico”.

  • Vi a participacão dele no SulAméricano Sub-15 e ele foi muito bem , mas ainda é cedo para ter certeza que ele é um fora de série e como é um jogador alto leva vantagem contra os da mesma idade e acho que por isso também que o pai mostrava vídeos do Zidane para ele.

  • Não entendi a filosofia dos dirigentes do Flamengo.
    Tem que mostrar video, tipo lavagem cerebral as conquistas do time campeão de tudo da década de 80.
    “Meu pai mostrava vídeo Zidane ”
    Incompetência muito grande na diretoria de futebol.

  • Único jogador que tiro chapéu é um garoto cabeludinho que tem uns 10 anos, acho que é da base do Flamengo e o Barcelona tava de olho nele.
    O moleque parece o Messi, dá dribles secos em geral, sem gingado, ainda por cima ele coloca a bola aonde quer.
    Infelizmente não sei o nome pq não sou de acompanhar base, quem acompanha deve saber de quem to falando.

    • Creio que você esteja falando do Lucianinho. Ele já tem 12 anos.

    • Luciano!!

    • Onde tá esse garoto agora. .top top top..vi uns vídeos tempos atrás ele é excelente

    • Te dáqui de Palmas Tocantins tem muito talento!

    • Acho que é o lucianinho que vc tá falando.

  • Os clubes brasileiros têm que passar a vender apenas partes dos direitos econômicos dos seus jogadores de base.
    Pq vendem a 5 ou 6 milhões de euros , chega na Europa e os clubes de lá revendem por 50 , 60 milhões de euros.

    • com certeza…não pode vender tudo… David Neres… foi vendido por 50 milhões ao Ajax… São Paulo ainda tem 20% dele…. e JÁ tem uma tonelada de europeus querendo o moleque!!

  • Não acompanho a base então não posso falar nada, só não gosto de encher a bola dessa molecada porque depois que sobe aos profissionais não joga nada aí se perde.

  • “Diego é um grande jogador, um profissional execelente. Sempre busco olhar o que ele faz também.” Procure não se esconder em partidas decisivas como aconteceu nas finais da Copa do Brasil e da Sulamericana garoto que já vai ser bem melhor que o Diego.

    • Você acha que o Diego com a experiência que tem no futebol ficou com medo de uma final e se escondeu? Ou acha que apenas não estava bem na partida?

      • Eu acho que ele amarelou nas duas decisões.

  • Nunca o vi jogar, pra fazer juízo de valor. Portanto, vou esperar a oportunidade pra tecer qualquer opinião sobre seu futebol. A única certeza, é que ele tem péssimo gosto musical. Mas tem uma curiosidade nessa entrevista. Ele disse que seu pai mostra videos do Zidane… Experimentou mostrar os do Zico e a história do Flamengo pra ensinar esse garoto jogar futebol? É por isso que o cara cresce sem identidade alguma com o clube e só pensa em ganhar dinheiro na Europa.

    • _ O péssimo gosto musical tornou-se lugar comum na maioria das cidades do Brasil, principalmente no meio das pessoas de menos de 50 anos, com raras exceções. O processo de imbecilização do povo através da música de má qualidade começou no início dos anos 80 com o apoio da grande mídia e das gravadores a uma geração de um rock tupiniquim de péssimo gosto e depois com invasão do “breganojo” e do “pagodinho” que envergonha o samba de raiz. Depois surgiu a “antimúsica”, o rap e o funk!

      • Realmente caiu muito, mas creio que seja uma tendência geral não apenas no Brasil.

        • OS CRANDES CAPITALISTAS DO MUNDO TIRAM VANTAGEM DA IMBECILIZACAO DO POVO ATRAVES DE GRANDES MIDIAS DE PENSAMENTO UNICO QUE GERENCIAM O PROCESSO

      • excelente comentario

    • Isso é verdade!

  • Vixe já começou a babacao, hoje no flamengo jogador da base dar um chapeuzinho em um jogo coisa que qualquer peladeiro faz já vem dizendo que é novo zico e novo Messi aí moleque tem 17 anos 350 tatuagens nos coros fica em redes sociais se mostrando e no campo não jogando nada!

    • Ao menos valoriza o moleque, vem um Real Madrid de trouxa e compra o cara por uma fortuna.

      • Na verdade é isso mesmo , o são Paulo é exemplar nisso e assim consegue mais 100 milhões em vendas todo ano.

  • Todo ano a mesma história

  • Pq passou pelos outros clubes cariocas e não ficou,por incompetência dele?ou por competência da diretoria em tirá-lo de lá?eis as questões!

    • Meu caro, nos dias de hoje, você não ficar em um lugar não necessariamente significa falta de qualidade técnica, tem outros fatores, como o fato de muitos clubes darem prioridade a clientes de certos empresários, categorias de base então é uma máfia.

  • Boa sorte!
    Estamos precisando mesmo de um camisa 10…

  • nunca nem vi

Comentários não são permitidos.