fbpx

GE: “Menos telefone, mais futebol: Fla identifica postura madura e concentrada em jovens”

Onde se esperava empolgação, encontrou-se maturidade. Mais do que o bom futebol apresentado no 2 a 0 sobre o Volta Redonda, o Flamengo voltou ao Rio de Janeiro confiante no desenvolvimento da garotada que assumiu a bronca na estreia da Taça Guanabara, enquanto a equipe principal realiza pré-temporada.

Os celulares deixados de lado e o silêncio que reinou no vestiário do Raulino de Oliveira agradaram comissão técnica e diretoria. Os dirigentes viram no poder de concentração dos meninos um trunfo para aflorar a qualidade técnica.

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

Paulo César Carpegiani, 68 anos, carrega consigo o perfil “à moda antiga”. As caixas de som que amplificam os hits do momento e embalam dancinhas não fazem o seu feitio. O mesmo vale para as incontáveis redes sociais que conectam jogadores ao resto do mundo minutos antes de a bola rolar.

Campeão do mundo 36 anos atrás, é adepto de canalizar energias no compromisso que vem a seguir. E foi assim, já no vestiário, que ele acredita que o Rubro-Negro começou a ganhar os três pontos da estreia no Carioca.

Apesar da média de idade baixíssima, beirando os 20 anos, a nova geração, que já nasceu inserida no mundo tecnológico, voltou no tempo. Pelo menos, no comportamento. Eletrônicos que pudessem causar distração foram substituídos por fisionomias mais sérias e concentração.

O que cada um deles tinha pela frente poderia ser uma chance única em um elenco estelar. E Carpegiani fez questão de condicionar o desempenho a essa postura que até ele considerou surpreendente:

Vi um grupo muito tranquilo. Por incrível que pareça, ninguém com o celular. Estou acostumado com profissionais onde há a música, a descontração, coisa que não é muito boa, não. Os meninos estavam concentrados e veio aquele ponto de interrogação: “O que será que eles estão pensando?”. Era concentração total. Disseram: “Isso aqui é Flamengo e vamos partir para decidir o jogo”.

Imagem: Venê Casagrande

Tamanha concentração foi transformada em intensidade com a bola rolando. Desde o apito inicial, parecia que o Volta Redonda era o time de garotos assustados. Com velocidade, o Flamengo se mandou para o ataque e pressionou a saída.

Incansável, Lucas Silva corria de um lado para o outro obrigando os defensores adversários a rifarem a bola. O atacante também era quem mais dava opções quando o Rubro-Negro tinha posse – quase sempre graças ao equilíbrio do trio Jonas, Jean Lucas e Ronaldo no meio-campo.

Melhor durante os 90 minutos, o Fla construiu a vitória curiosamente nas raras vezes em que o Voltaço se lançou ao ataque. Veloz e vertical, o time soube aproveitar os espaços para marcar com Lucas Silva e Pepê em contragolpes. Vitória merecida de um time que usou a tão elogiada concentração também para reduzir os erros normais em início de temporada.

Mesmo após a partida, na zona mista, no auge da empolgação, os jovens rubro-negros mantiveram o desprendimento. Questionados se a vitória na estreia tinha gerado uma tempestade de mensagens em aplicativos de bate-papo, disseram que iam deixar para ver depois. Não vão encontrar nenhum recado de Carpegiani, mas os aplausos no vestiário do Raulino deixam a certeza que ele gostou. E não só do futebol.

Reprodução: Globo Esporte

11 Comentários

  • Muito bom,e isso serve para qualquer profissão na vida,foco,disciplina…há momento para tudo,e para um jogador,sentir e absorver o momento é fundamental, mantém além de tudo os pés no chão e os prepara até,para entender o que se passa dentro da partida…eu estou gostando muito deste início do carpegiane, é cedo ainda,mas parece que o grupo o aprova,e isso é muito bom.

  • Isso aqui é Flamengo… parabéns p a base.continuem esse caminho, de além de ser profissional mostrar aos outros jogadores titulares do Flamengo o verdadeiro sentido de raça,o amor a camisa e a guarra de ser Flamengo.

  • Uma coisa interessante sobre a garotada poder jogar partidas do campeonato Carioca é que será até mais fácil encontrar equipes boas como chapecoense, Bahia, Vitória, America pra estes garotos serem emprestados e terem a oportunidade de jogar com uma frequência grande em 2018, tem jogadores ali que não terão espaço nesse de 2018 no Fla, e que emprestar será muito útil pra carreira deles.
    O goleiro Gabriel, deveria ser emprestado pra poder jogar e crescer, hoje no atual elenco ele não iria nem participar das viagens do time, tem no mínimo 3 goleiros a frente dele.
    O volante Hugo que está com a idade avançada pra categoria de base, dificilmente terá oportunidades em 2018, emprestar ele também seria uma boa.
    Pepê que já completou 20 anos, tem no time principal a concorrência de Diego, Paquetá. Não tem necessidade de ficar 2018 parado.

  • O “HOMI” vei para moralizar o negócio. Isso foi um recado para os “Comi e dormi” que recebem rios de dinheiro para pipocar e fazer corpo mole.

  • Se ele assistir os bastidores antes do jogos pela FLATV ficará maluco com tanta música, tantos fones de ouvidos, algumas dancinhas e brincadeiras…. Hahaha bora ver….

  • Verdadeiramente um técnico a moda antiga,pois teve problemas de relacionamento por onde passou,mais torce que faça o mesmo nessa sua nova passagem por aqui, principalmente acabar com jogadores que sentam em cima da titularidade e acham que não precisam correr,e pra mim tem dois que precisam mostrar muito pra serem titulares incontestáveis, Arão e Pará…

  • Voltei a ter esperança ontem …
    A base não é a solução pra tudo, mas, como um amigo falou, é uma excelente opção para mesclar o time principal e também servir de peças de reposição, ao invés daqueles meia bomba que ficavam no banco de reservas …

  • Criação de sites e aplicativos para celular