Marcos Paulo Lima: “Fla começa temporada sem argentinos pela primeira vez desde 2013. A moda é importar da Colômbia”

A pré-temporada do Flamengo começou no último sábado com uma raridade. O elenco não tem nenhum jogador argentino. A última vez que isso aconteceu foi em 2013,no primeiro ano de mandato do presidente Eduardo Bandeira de Mello. Dario Bottinelli seria o argentino naquela época, mas trocou o clube pelo Coritiba. O mercado continua aberto e o grupo não está fechado para 2018, mas, aparentemente, acabou o amor. A invasão dos hermanos ao Ninho do Urubu deu lugar à febre por colombianos. Com a chegada de Marlos Moreno, eles são maioria entre os estrangeiros comandados pelo técnico Paulo César Carpegiani.

A série de apostas em argentinos começou em 2014. O Flamengo apostou na contratação do argentino Lucas Mugni. O meia desembarcou no Rio vindo do Colón e recebeu a camisa 10. Ajudou na conquista do Campeonato Carioca sob o comando de Jayme de Almeida, mas não se firmou após a chegada de Vanderlei Luxemburgo.  O profexô chegou a testá-lo como volante.

Durante a temporada, o Flamengo contratou outro argentino. Depois de um longo namoro, o clube acertou com Hector Canteros. O volante havia se destacado na Libertadores de 2014 com a camisa do Vélez Sarsfield e ajudou o time carioca a chegar às semifinais da Copa do Brasil diante do Atlético-MG. Canteros ficou no Flamengo até agosto do ano passado, quando topou ser emprestado para a Chapecoense. O contrato vai até maio deste ano.

No inicio de 2016, foi a vez de o Flamengo investir na contratação de Federico Mancuello.  O meia chegou do Independiente, passou duas temporadas no clube, mas não convenceu muito mais por erros de posicionamento nas escalações do que falta de talento. O jogador foi negociado com o Cruzeiro na semana passada e tem tudo para fazer uma boa temporada com quem deve saber utilizá-lo — o técnico Mano Menezes.

Em julho de 2016, o Flamengo foi buscar o zagueiro Alejandro Donatti no Rosario Central depois de uma longa negociação. Em junho do ano passado, após amargar o banco, por exemplo, de Rafael Vaz, deixou o clube para defender o Tijuana, do México. Neste ano, o beque disputará a Libertadores com a camisa do Racing.

Desencantado com os argentinos, o Flamengo se rendeu aos colombianos. Começou o ano passado anunciando a contratação do volante Gustavo Cuéllar. Na sequência, fechou com o atacante Orlando Berrío. O processo de “colombianização” do Flamengo chegou ao ápice com a substituição do técnico Zé Ricardo por Reinaldo Rueda.  O treinador saiu para assumir o Chile, mas deixou como legado Marlos Moreno, emprestado ao clube pelo Manchester City. Outros dois colombianos passaram pelo clube nos últimos 10 anos, mas sem deixar saudades: Santiago Tréllez, atualmente no Vitória, o lateral-esquerdo Armero e o meia Cristian Borja.

Como a temporada está apenas começando, é cedo para bancar que será uma temporada sem argentinos no elenco, mas é possível afirmar que a pressão está sobre os colombianos. Cuéllar, Berrío e Marlos Moreno precisam honrar o investimento ao lado dos outros dois estrangeiros do elenco — os peruanos Miguel Trauco e Paolo Guerrero.

Reprodução: Blog Correio Braziliense

Veja também

  • Borja era horrível ao lado de Val Baiano e Negreiros são os piores atacantes que vi na história do rubro-negro! Cuellar, Berrio e Moreno tem serventias!

  • Fica decretado: “Mancuello será o gênio do meio-campo do Cruzeiro, inclusive será decisivo para a seleção Argentina na Rússia 2018.
    A grama do vizinho, sempre é mais verde, né?.
    +”analyses” – “cornets”!.
    SRN

  • Cada argentino que o Flamengo contratou. PQP

  • Donatti poderia ter ficado.

  • só me lembro de argentino que deu certo foi o mancuso

    • Era bom jogador, raçudo, virou ídolo, mas um dia fez uma cagalhoada tão grande num jogo (fez gol contra, pênalti, brigou com todo mundo, acabou expulso e o Flamengo ainda perdeu o jogo…algo assim) que Kléber Leite, então presidente, disse que ele “nunca mais vestiria a camisa do Flamengo”…e nunca mais vestiu mesmo..rs. Aquilo doeu, mas fazer o que?
      Mas existiram dois, bem antes, que tbm deram muito certo: Agustín Valido, nas décadas de 30 e 40, herói do 1o. Tri-campeonato, e o “gringo” Doval, nas décadas de 60 e 70.

      • Esses dois dizem e pelas histórias que li, eram verdadeiros gênios com a bola nos pés!

        • E eram mesmo. Valido eu infelizmente não vi jogar, mas de ouvir meu velho falar, e depois de procurar saber, descobri que se tratava de um gênio, um craque. Já Doval eu acompanhei desde que chegou ao Flamengo, em 1969. Era outro craque, de técnica apurada e muita raça, como a torcida gosta.

          • Queria poder ter mais registros e jogos completos infelizmente não existia tecnologia, queria poder ter visto!

  • “Outros dois colombianos passaram pelo clube nos últimos 10 anos, mas sem deixar saudades: Santiago Tréllez, atualmente no Vitória, o lateral-esquerdo Armero e o meia Cristian Borja.”

    A matemática está boa hein.

  • O problema do flamengo é comando. Treinos para inglês ver, panelinhas e tudo o mais que já sabemos. Bons jogadores no banco e perebas jogando. Teimosia, orgulho, só p contrariar a maioria.

  • “Outros DOIS colombianos passaram pelo clube nos últimos 10 anos, mas sem deixar saudades:SANTIAGO TRÉLLEZ, atualmente no Vitória, o lateral-esquerdo ARMERO e o meia CRISTIAN BORJA.”
    ?????

    • Aposto que tinham esquecido que algum dos 3 passou pela Flamengo e só completaram com o nome do cara sem concertar o resto. Além disso o Borja não era meia, era atacante.

    • em 2007 passou nas divisões de base, e não foi aproveitado o g1 esportivo fez uma reportagem com o atleta e o coluna publicou aqui em meados de dezembro de 2017

      agora esse erro ai foi demais rrsrs

Comentários não são permitidos.