ESPN: “Como acidente de carro fez reforço do Flamengo nascer no Japão”

Em 1998, um acidente de carro mudou a história do casal Robson Yanagu e Adriana Rossato. Os ferimentos causados pela colisão geraram sérios problemas financeiros para a família, que não possuía plano de saúde e precisou gastar todas as economias para pagar as contas do hospital.

Para poder reconstruir a vida, Robson levou sua esposa e o filho mais velho para a terra de seus ancestrais: o Japão.

Como milhares de dekasseguis, trabalhadores estrangeiros residentes na “Terra do Sol Nascente”, o casal trabalhava duro em longas jornadas em uma fábrica de bolos. Alguns meses depois, Adriana descobriu que estava grávida novamente.

Gabriel Kazu Rossato Yanagu nasceu em Seki, cidade japonesa localizada na província de Gifu, em 1999. O nome do reforço do Flamengo é uma homenagem a Kazu Miura, jogador que veio adolescente nos anos 80 ao Brasil para aprender futebol e defende atualmente o Yokohama FC, do Japão, com incríveis 50 anos.

“Meu pai gostava muito dele dos tempos que jogou no Santos e no Coritiba. Por ter atuado no Brasil e por esta identificação eles colocaram no meu nome. Ele ainda joga bola na segunda divisão do Japão e já vi muitos vídeos dele”, disse Gabriel Kazu, ao ESPN.com.br.

Com apenas dez meses de idade, ele voltou junto com toda família ao Brasil para morar em Lucas do Rio Verde, cidade de 60 mil habitantes no Mato Grosso.

“Minha mãe é pedagoga e meu pai professor de educação física e eles foram trabalhar em escola”, afirmou.

Quis o destino que o garoto repetisse os passos do jogador japonês de quem carrega o nome.

INCENTIVO DENTRO DE CASA
Robson Yanagu foi o maior incentivador de Gabriel Kazu. Ele havia sido jogador profissional de equipes como Jandaia-PR e Sorriso-MT, mas encerrou a carreira com apenas 24 anos por causa de uma lesão grave no joelho.

“Meu pai dava aulas em escolinha de futebol e comecei a treinar com ele aos três anos. Fiz toda base no futsal e ele foi meu primeiro técnico. Sempre me colocou para jogar com os mais velhos e eu apanhava. Ele não estava nem aí (risos). Cobrava e não dava mole, era o sonho dele eu ser jogador”, contou.

“Eu tentei jogar aos 12 anos no Maringá-PR, que terceirizava a base no Alvorada, mas não deu certo. Voltei para Lucas do Rio Verde e fui para o Luverdense aos 13 anos. Como me destaquei, fui para o time sub-20 aos 14 anos”, contou.

Após vencer alguns campeonatos estaduais, Gabriel Kazu foi promovido aos profissionais com apenas 16 anos e estreou na partida contra o Sinop, na última rodada da primeira fase do Campeonato Mato-Grossense de 2016.

Desde então, se firmou como um dos destaques do Luverdense e recebeu várias convocações para a seleção brasileira Sub-18 e Sub-20.

“Foi até engraçado porque já me perguntaram porque nasci no Japão, mas defendia seleção brasileira. Mas eu não tenho nacionalidade japonesa, só a brasileira. Mesmo tendo nascido por lá eu não sou cidadão japonês. Nascer lá não é suficiente para tirar minha cidadania”, explicou.

As atuações do volante chamaram atenção de grandes clubes do Brasil como Grêmio, Cruzeiro e São Paulo, que tentaram o contratar para as categorias de base. No entanto, preferiu permanecer em Lucas do Rio Verde para continuar sua evolução.

Gabriel Kazu passou a trabalhar com a empresa Brazil Soccer, do agente Eduardo Uram. Após duas temporadas no time principal do Luverdense, o jovem de 18 anos acertou contrato para defender o time sub-20 do Flamengo. Sua expectativa é em breve integrar a equipe principal.

OLIVER TSUBASA DO BRASIL
Um dos sonhos de Gabriel Kazu é um dia retornar ao país onde nasceu.

“Eu tenho muita vontade de jogar no Japão, mas nunca voltei para lá. Eu pretendo um dia jogar uma J-League por ser um torneio mais rápido e dinâmico”, relatou.

Antes disso, quer fazer como um de seus ídolos de infância: o personagem Oliver Tsubasa, do desenho animado Super Campeões, exibido entre o fim dos anos 90 e o começo dos anos 2000.

Reprodução: ESPN

Veja também