Flamengo: “#Zico65Anos”

No dia 03 de março de 1953, às sete horas da manhã, no número sete da rua Lucinda Barbosa, no bairro de Quintino, zona norte do Rio de Janeiro, o mundo começava a mudar. Naquela casa familiar nascia um Rei.

Nascia Zico.

Hoje, 65 anos depois, Ele continua o ídolo máximo e eterno de mais de 40 milhões de corações espalhados pelo mundo inteiro. Um ídolo não só como jogador, mas exemplo como pessoa, como atleta, como profissional, como pai de família.

Você pode perguntar a qualquer torcedor de qualquer time do Brasil. Quem foi o maior jogador da história do seu time? Quem foi o melhor jogador da história do seu time? Quem é o seu maior ídolo?

Em todos você terá respostas diferentes. Menos em um. Apenas em um time você encontrará a mesma resposta.

No Flamengo.

Zico.

Quis o destino que Zico completasse 65 anos no mesmo dia em que o Flamengo enfrenta aquele rival que ele mais gostava de vencer: o Botafogo. Zico já disse, inúmeras vezes, que enfrentar o Botafogo era diferente. Era especial.

Ele estava na arquibancada no Dia da Infâmia, em 1972. Jurou vingança. A perseguiu por nove anos até finalmente agarrá-la em 08 de novembro de 1981, o primeiro ano do resto de nossas vidas. E não foi só ali. Sua gana em vencer o rival do “bicho certo” era tanta que a antiga vantagem deles virou freguesia nos pés do camisa 10.

Mas não foi o Botafogo sua maior vítima. Dentre os rivais cariocas, Zico foi implacável com o Fluminense, foi o Ai, Jesus dos clássicos no Maracanã. Foram 27 gols nos tricolores. A semana antes de um Fla-Flu era de pânico nas Laranjeiras.

Em 1976, foi uma Zicovardia. Quatro gols no mesmo jogo contra a “máquina”. O dia em que Zico virou ídolo. Estávamos aos milhares no Maracanã naquele 16 de fevereiro de 1986 quando Ele silenciou as arquibancadas à direita das cabines de rádio e TV por três vezes. O dia em que Zico limpou todas as feridas abertas por Marcio Nunes um ano antes e nos fez voltar a sorrir e chorar de alegria com sua ressurreição no futebol.

E o maior rival, o Vasco, é outro ator coadjuvante na história do Galinho. Aquele escanteio cobrado em 1978 para Rondinelli. Zico não era o cobrador comum nessa jogada, mas o tempo era curto, o gol precisava sair e Ele viu quando o “Deus da Raça” disparou do campo rubro-negro e pediu a bola. Ela foi, na medida, na perfeição, na cabeça do zagueirão que deixou Leão humilhado no fundo da rede. Era o lançamento da pedra fundamental do time que conquistou e encantou o mundo em 1981.

Todo rubro-negro já viu e reviu esses lances e todos os outros. Estávamos em todos os gols ali na geral gritando Seu nome. Estavámos todos nas arquibancadas quando o célebre e inigualável placar eletrônico do Maracanã mostrava “10-Zico” como uma assinatura única. Só Ele tinha esse direito. O maior artilheiro da história do campo mais famoso de todos os tempos.

O Manto Sagrado número 10 é o mais vendido sempre e até hoje. O mais conhecido, o mais amado. Eterno e único em nossos corações.

Hoje faz 65 anos do nascimento daquele que nos levou ao topo do mundo ao lado de um grupo de inigualáveis rubro-negros. Sessenta e cinco anos da unanimidade da Nação.

Zico. Quatro letras. Como bola. Não é coincidência.

Reprodução: Flamengo Oficial

Veja também

  • Parabéns ao único e eterno Ídolo do Flamengo.

Comentários não são permitidos.