Roberto Assaf: “Como enfrentar a maratona que vem depois da Copa?”

A parada para a Copa do Mundo é boa ou ruim para os times que estão na frente da tabela do Brasileiro? Péssimo, dirá a maioria esmagadora, principalmente os torcedores do Flamengo, que lidera o campeonato, com quatro pontos de vantagem.

No entanto, é preciso observar que o time fará 13 jogos a partir de 19 de julho, quando a temporada recomeça, e que será necessário obedecer a uma estratégia exemplar para disputá-los, levando-se ainda em conta que quase todos são clássicos, e dois deles eliminatórios de Libertadores, contra o Cruzeiro.

Logo, vem a pergunta que não quer calar: seria interessante abrir mão de uma das três competições? No Brasileiro, impossível, pois como se vê, a briga esse ano promete ser dura, com pelo menos seis times, por enquanto, disputando o título. Se o treinador escala um time reserva, e perde um jogo, dá três pontos da maior importância, e de graça, para os adversários.

Na Libertadores, nem pensar. A primeira partida será no Rio, e mesmo que faça resultado com boa vantagem, a de volta é fora, contra uma equipe qualificada, no Mineirão lotado. Resta a Copa do Brasil. Mas como não lançar titulares contra o Grêmio, no jogo de ida, dentro de Porto Alegre?

Assim, o mês de paralisação poderá ser útil, não só para preparar a turma para essa verdadeira maratona que está a caminho, mas notadamente para acertar os substitutos dos jogadores que estão indo embora, o que não se faz da noite para o dia.

A propósito, o Flamengo terá uma tabela terrível no returno, pois será obrigado a disputar um punhado de clássicos fora de casa, o que se tornará ainda mais complicado se o time continuar na liderança.

É importante ressaltar que este site não é o dono da verdade, e o que se escreve aqui é apenas um ponto de vista a ser contestado, pois todo argumento pode ser favorável. Você abriria mão de disputar a Copa do Brasil, lançando reservas contra o Grêmio, para aliviar a maratona? Será que os reservas seriam suficientes para superar o time gaúcho?

Reprodução: Roberto Assaf | Rua Paysandu

Veja também