Vitinho comemora aniversário ainda sem engrenar em seu “sonho de moleque” no Flamengo

Por: Igor Dorilêo

FOTO: GILVAN DE SOUZA/FLAMENGO

A cara de garoto esconde, mas Vitinho completa 25 anos de idade nesta terça-feira (09). Juventude essa que foi explorada até mesmo em sua chegada ao Flamengo, com o slogan que dizia: “sonho de moleque”. Cria da base do Botafogo, o meia-atacante nunca escondeu que o coração era rubro-negro. Até por isso, clube e jogador não mediram esforços para concretizar a contratação do atleta, que chegou no final de julho vindo do CSKA Moscou para substituir a joia Vinícius Junior.

É um sonho de moleque de verdade. Sempre disse para minha família que um dia jogaria no Flamengo. Graças a Deus, esse dia chegou. Estou louco para jogar, estrear, botar isso para fora e dar alegrias ao torcedor —, declarou Vitinho em sua apresentação.

Vitinho é apresentado no Maracanã lotado em goleada sobre o Sport (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Apesar da recepção calorosa nos braços da torcida no Maracanã e toda boa expectativa que cercava o jogador, os primeiros jogos não foram bons. A estreia já foi em uma partida super decisiva: a semifinal da Copa do Brasil contra o Grêmio. O meia-atacante entrou no segundo tempo e atuou por 28 minutos, sem grandes participações. Dentro do normal para uma estreia, não se ele tivesse custado 10 milhões de euros (cerca de R$ 44 milhões), pelo menos no pensamento de boa parte da torcida.

Depois disso, mais nove partidas em que Vitinho passou em branco. O gol do “moleque” foi sair apenas contra o Internacional, justamente o último clube por qual passou no Brasil. Antes da partida, que na época colocava frente à frente os líderes do Brasileirão, promessa de não comemorar em caso de gol. No entanto, depois do feito, vibrou sim, talvez tirando toda a carga que vinha levando sobre seus ombros desde a chegada.

Vitinho faz o primeiro gol com a camisa do Fla, contra o Inter (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

O gol poderia ser o “empurrãozinho” para engrenar, mas não foi isso que aconteceu. Outras atuações ruins voltaram a aparecer, e junto com a queda de rendimento coletiva, fez com que Mauricio Barbieri deixasse o comando da equipe, treinador que havia o colocado no banco de reserva nos últimos jogos, antes de sair. Chegou Dorival Jr., e com ele, a confiança no futebol de Vitinho.

Titular logo na estreia do novo treinador, contra o Bahia, o camisa 14 não foi bem e parte da crítica já pediu uma nova barração do atleta. Algo que não aconteceu para o duelo contra o Corinthians, em Itaquera. Ainda bem para os flamenguistas. Vitinho foi peça fundamental e participou de dois dos três gols feitos pelo Fla na vitória por 3 a 0. Além disso, quase deixou o seu em chutes de média distância, especialidade do meia-atacante ambidestro.


Compre capinhas oficiais do Mengão para seu celular. São diversos modelos, para você escolher o que mais combina contigo. CLIQUE AQUI para conferir!


Acredito que pelo momento de adaptação que eu venho passando, talvez, não tenha rendido o que eu esperava e o que todos esperavam de mim. Mas me mantive forte e continuei trabalhando para que o mais rápido possível eu pudesse dar o retorno. Foi um jogo que eu pude contribuir muito para a equipe. Tenho que ter o pé no chão, para continuar trabalhando e seguir assim, cada dia melhor —, afirmou Vitinho após o jogo.

71 dias após sua apresentação, Vitinho parece viver seu melhor momento, pelo menos psicologicamente. Muito cobrado, o jogador ganhou elogios da torcida e da imprensa após a boa atuação em São Paulo, e permanece contando com a confiança do treinador Dorival Junior. Uma boa partida ainda é pouco para se empolgar com o meia-atacante que chegou por um “caminhão de dinheiro”, mas o “sonho de moleque” pode estar começando a ser vivido, de verdade, com um pouco de atraso.

Veja também