#COVID19: Por fazer parte do grupo de risco, José Maria Marin, ex-presidente da CBF, deixa prisão nos EUA

FOTO: REPRODUÇÃO 

Nesta segunda-feira (30), por fazer parte do grupo de risco do novo coronavírus, José Maria Marin,  ex-presidente da CBF, foi liberado pela justiça dos Estados Unidos e deixou a prisão. O ex-mandatário da Confederação Brasileira de Futebol tem 87 anos e estava preso desde 2017, quando foi considerado culpado por lavagem de dinheiro, organização criminosa e fraude bancária.

As condenações de José Maria Marin envolviam esquemas da Copa Libertadores, Copa do Brasil e Copa América, praticados entre 2012 e 2015, período em que ficou à frente da CBF. Em 2018, a justiça dos Estados Unidos condenou o ex-mandatário a quatro anos de prisão, confiscou cerca de R$ 13,6 milhões (3,35 milhões de dólares) e determinou o pagamento de cerca de R$ 4,9 milhões (1,2 milhão de dólares na cotação da época) em multa.

Aproveite a boa fase do Flamengo para lucrar!

A decisão de soltar José Maria Marin foi tomada devido à pandemia Mundial da COVID-19. Nos Estados Unidos, segundo dados da Universidade John Hopkins, já são mais de 150 mil infectados e 2.945 vítimas fatais. No último domingo (29), em entrevista coletiva, o presidente Donald Trump descreveu ‘pico de mortes por coronavírus’ para as próximas duas semanas e pediu isolamento social até 30 de abril.

Trump montou uma força-tarefa para a tentativa de combate à doença, e tem em seu time um dos infectologistas mais respeitados do Mundo, Anthony Fauci. Ainda neste domingo, em entrevista à CNN, Fauci citou números, previu entre “100 mil e 200 mil casos de morte” e acrescentou:”Teremos milhões de casos”.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deveria pegar 1000 vezes o virus,na vdd é um vírus da peste,corrupto,falta o Del Nero,deve estar no porão escondido safado.