Vice-presidente da Coca-Cola explica receio para patrocinar clubes do futebol brasileiro e indica “raras exceções”

FOTO: REPRODUÇÃO/TWITTER

O Flamengo segue negociando com o patrocinador master para a sequência da temporada, mas com cautela e alguns nomes especulados. Apesar do Mais Querido estar vivendo grande fase, os rivais ainda estão tendo dificuldades para conseguir patrocínios potentes.

Em entrevista ao site Meio e Mensagem, Ricardo Fort, vice-presidente global de patrocínios e eventos da Coca Cola, falou sobre alguns pontos decisivos para que algumas empresas globais ainda não tenham interesse em patrocinar o futebol Brasileiro.

– A evolução e profissionalização da administração da CBF não foi acompanhada pela maioria dos clubes brasileiros. Com raras exceções, eles ainda têm padrões de governança incompatíveis com os dos patrocinadores. As constantes crises que abalam a reputação dos clubes, afetam também a de todas as marcas a eles associadas. Um verdadeiro pesadelo para qualquer investidor.

– O valor absoluto de um patrocínio no Brasil não é alto, mas quando ponderamos o valor entregue, eles acabam não sendo tão atrativos. Patrocinadores querem criar experiências de marketing, ter conteúdo exclusivo e acesso privilegiado, mas nossos clubes insistem em oferecer somente a exposição das marcas em placas de campo e uniformes -, completou.

Fort ainda destacou que a falta de comercialização do futebol brasileiro para o exterior tira o atrativo de empresas de fora, e comparou a exposição que os clubes europeus no mundo.

– Diferentemente das ligas europeias, o Campeonato Brasileiro não é um produto internacional. O fato de só nós, brasileiros, assistirmos o nosso futebol desmotiva marcas que precisam da exposição internacional. Quando uma empresa patrocina equipes das ligas da Europa, ela sabe que sua marca terá uma exposição global. Como no Brasil isso não acontece, a conta não fecha e os investimentos não aparecem.


Produtos oficiais do Flamengo com descontos incríveis


O vice-presidente da Coca-Cola reforçou que o futebol brasileiro não irá competir de igual para igual com a Europa, mas pode ser bem melhor explorado do que vem sendo atualmente.

– Tornar o futebol brasileiro mais atrativo não é impossível. Alguns dos problemas, como uma melhor administração dos clubes, melhor distribuição das partidas nas televisões internacionais e melhor marketing podem ser resolvidos. Nunca competiremos em igualdade com a Europa, mas podemos ser muito melhores do que somos hoje. Só depende de nós.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *