Bruno Henrique exalta dupla com Gabigol no Flamengo: “Dificultamos a vida dos adversários”

FOTO: CONMEBOL

Na última terça (24), o Flamengo empatou com o Racing por 1 a 1 pelo primeiro jogo das oitavas de final da Libertadores. Com este resultado, o Rubro-Negro decide a classificação no Maracanã, na próxima terça (01) e possui a vantagem do empate sem gols devido ao critério de ‘gol qualificado’. Neste primeiro confronto, Bruno Henrique foi considerado o craque da partida. O camisa 27 relembrou as atuações de 2019 ao reeditar dupla com Gabriel Barbosa.


Aproveite a boa fase do Flamengo para lucrar!


Em entrevista exclusiva à FlaTV, Bruno Henrique comentou sobre o entrosamento do ataque rubro-negro. No lance do gol, Arrascaeta achou o camisa 27 livre, que fez a sua jogada mais famosa: correr pelo fundo e tocar para Gabigol balançar as redes.

– Essa é a nossa característica. Fizemos muito em 2019. Arrascaeta tem muita qualidade e Gabriel também, e eu pude completar esse ataque. Uma jogada que fizemos muito já. Deu para dar um passe bonito para o Gabriel, exatamente onde ele pediu. Quando a gente consegue se movimentar bastante, dificulta a vida dos zagueiros e laterais do adversário. O Arrascaeta não precisa olhar para saber onde eu estou, a gente se entende super bem. Ele não precisa olhar, ele já sabe.

Após um primeiro duelo polêmico, com gol anulado e algumas expulsões, o Flamengo tem a chance de se classificar jogando em casa. Ainda em entrevista, Bruno Henrique analisou o jogo contra o Racing e projetou o próximo confronto com a equipe argentina.

– Foi um jogo típico de Libertadores, um jogo bem pegado contra um time argentino. A gente sabia que seria assim, mas a gente conseguiu fazer um grande jogo nos primeiros 90 minutos. Agora temos 90, na nossa casa. A gente vai focar no jogo de terça-feira para sair com a vitória.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Quer encontrar uma mulher para uma noite? Bem – vindo ao — S︆︆e︆︆xc︆︆o︆︆n︆︆t︆︆.︆︆C︆︆o︆︆m