Jornalista questiona profissionalismo no elenco do Flamengo e rasga críticas: “Ninguém pode viver de pôster na parede”

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/ FLAMENGO

O Flamengo vive um momento conturbado e acumula uma sequência de três jogos sem vencer, deixando o título do Campeonato Brasileiro cada vez mais distante. Vivendo uma instabilidade desde a saída de Jorge Jesus, tanto Rogério Ceni e Domènec Torrent sentiram a pressão de comandar o Rubro-Negro. No entanto, para o colunista Rodrigo Coutinho, o elenco também precisa ser responsabilizado pela crise.

Nesta terça-feira (12), em coluna publicada no portal UOL, Rodrigo Coutinho questiona o profissionalismo dos jogadores do Flamengo, além de relembrar situações recorrentes ao longo do trabalho de Domè e de Ceni à frente do Rubro-Negro.

Estaria o elenco mais badalado do Brasil fazendo a sua parte integralmente? (…) A resposta é não! Mais de 80% do atual plantel rubro-negro esteve presente e tem o nome marcado na história do clube pelo mágico 2019. Alguns deles são ídolos da torcida e listados entre os melhores de toda a trajetória do clube nas suas posições. Mas isso não entra em campo! – antes de prosseguir:


Saiba como lucrar com previsões esportivas!


– O fato de estarem na galeria de grandes jogadores do Flamengo não pode fazer de Gabigol, Bruno Henrique e Everton Ribeiro, apenas para dar o exemplo de três nomes que fazem temporada bem abaixo do que podem, atletas intocáveis. Eles e todos os outros precisam ser cobrados como profissionais muito bem remunerados que são. A postura do grupo de jogadores com Domènec foi algo abaixo do nível aceitável de profissionalismo. 

Por fim, Rodrigo Coutinho aponta os questionamentos feitos na ‘era Dome’ e destrincha a fase do Flamengo com Rogério Ceni. Entretanto, o colunista reforça as críticas ao elenco rubro-negro.

Com Dome havia desorganização defensiva e o rodízio era questionado. Com Rogério as escolhas de escalações e substituições precisam ser mais bem explicadas, a movimentação ofensiva necessita de alguns ajustes. Mas até que ponto o péssimo comportamento do plantel não vem atrapalhando o desenvolvimento coletivo? O grupo de jogadores do Flamengo precisa deixar de fazer ”biquinho” e dar ”chiliques”. O dedo na ferida colocado por Diego Ribas e Arrascaeta após as derrotas para Ceará e Fluminense é necessário e verdadeiro. Ninguém pode viver de pôster na parede!

Buscando se recuperar, o Flamengo encara o Goiás, na próxima segunda (18), às 20h (horário de Brasília), na Serrinha, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. Atualmente, o Rubro-Negro é o quatro colocado com 49 na pontuação, ou seja, sete atrás do líder São Paulo.

 

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *