Jornalista questiona ausência de Ceni no Carioca e projeta dificuldade para treinador conquistar torcida do Fla

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/FLAMENGO

Rogério Ceni voltou das curtas férias após a conquista do octacampeonato brasileiro, antes dos atletas da equipe principal, mas o treinador ainda não assumiu o comando do time à beira do gramado. Vale lembrar que alguns jogadores também adiantaram seus descansos. Casos de Pedro, hoje lesionado, Vitinho, Léo Pereira e Renê. Os demais retornaram no dia programado, 15 de março. O jornalista Arnaldo Ribeiro questiona a ausência do comandante em análise no podcast Posse de Bola, no Uol.


Aproveite a boa fase do Flamengo para lucrar!


A decisão de não ir para a beira do campo tem suas justificativas, mas ao mesmo tempo ela coloca interrogações. Está bom, só quando os titulares voltarem. Mas o Pedro não é titular, considerado titular? O Gustavo Henrique é? Não está treinando também os caras que já estão indo a campo? E se o Maurício for conseguindo resultados? Ele entra? Quando que ele entra? Vai ser contra o Bangu na próxima semana? Em qual circunstância? O Rogério, tudo o que o Rogério faz no Flamengo ainda gera dúvida, esse é o fato.

Mesmo com a conquista do Brasileirão na temporada de 2020, Ceni ainda não caiu nas graças dos torcedores. Pelo contrário, o seu trabalho foi amplamente questionado durante sua passagem, principalmente após as eliminações precoces da Libertadores e da Copa do Brasil. Por vários momentos sua demissão foi exigida. Por conta disso, Arnaldo diz que Rogério precisará de um processo para conquistar o coração da exigente Nação.

Ele ainda tem que conquistar o coração do torcedor rubro-negro, o que não aconteceu definitivamente até agora e vai ser um processo mais difícil. Ele está, de fato, diferentemente dos outros dois no dia a dia, voltou até antes dos jogadores ao trabalho, mas ainda não está no banco de reservas comandando a equipe —, concluiu.

Veja também

  • Defender o Ceni é ridículo, o cara foge dos jogos do carioca por medo de se queimar e ser trocado antes do bradileiro, que agora só permite 2 treinadores. O fato dele treinar o grupo principal não o impede de estar a beira do campo com o time alternativo. Quais treinadores de outros clubes de serie A estão ausentes na sexta rodada dos estaduais?

  • Jornalista quando não vai com a cara de um treinador dificilmente deixa o treinador desenvolver o seu trabalho no clube e com o Rogério Ceni não é diferente pois, da época de jogador o mesmo não dava muita trela para a imprensa e constantemente era bombardeado por não ser da patota.
    O técnico Lisca era taxado de doido pela imprensa e após entrevista para o Globo Esporte e em seguida conceder outras entrevistas se alinhando ao pensamento da emissora dos Marinho passou a ser visto com outros olhos e a ser considerado um dos treinadores de ponta do futebol brasileiro.
    Percebemos também que o Renato Mauricio Prado é um ferrenho critico e constantemente faz campanhas contra o Rogério Ceni.
    Tudo jogo de interesse e o treinador que não faz o jogo tem carreira curta a exemplo do Luxemburgo que nos tempos de treinador do Palmeiras (Parmalat) era o personagem principal nas entrevistas dos canais esportivos e depois que passou a contestar comentaristas e jornalistas a sua carreira acabou.

  • A quantidade de bobagens
    que se escreve me impressiona.
    Rogério está treinando o grupo
    principal, secundarizou claramente
    um torneio que não tem mais a
    menor importância, utilizando-o
    como laboratório de testes e
    prestigiando de forma humilde
    o treinador que melhor conhece
    a base, ao mesmo tempo em
    que passa a conhecer a
    competência desse treinador,
    podendo trazê-lo para perto
    de si, utilizando-o como um
    excelente auxiliar daqui para
    frente. Grandes treinadores
    jamais trabalham sozinhos,
    de forma autoritária, pelo
    contrário, se cercam de
    competentes auxiliares, que
    podem trazer soluções
    criativas, para problemas
    futuros. O que Ceni fez
    de forma habilidosa foi
    ganhar a simpatia do
    treinador da base,
    aprofundando a integração
    do elenco rubro negro.

Comentários não são permitidos.