Torcedor homenageia trio do Flamengo em nome do filho e mãe reclama: “Horrível”

FOTO: MARCELO CORTES/FLAMENGO

A torcida do Flamengo, certamente, é um dos maiores patrimônios do clube. A Nação de mais de 40 milhões de torcedores envolve todo o tipo de gente, das mais variadas culturas e etnias. No entanto, todos partilham da mesma paixão e, com isso, fazem homenagens aos mais diversos ídolos do clube. Mesmo assim, o adepto do Mais Querido, Gênesis, inovou ao homenagear o trio mais vitorioso do Fla no século, na hora de nomear o próprio filho.

Vale destacar que, no ínicio, o torcedor comentou que a esposa não queria deixar o nome ‘Arrascaeta’ para seu filho. No pensamento dela, seria estranho para um menino brasileiro, mas quando o pai voltou com a criança já registrada como Gabriel Henrique Arrascaeta, ela teve de aceitar. Dessa forma, Gênesis explicou um pouco da paixão pelo Clube da Gávea e o que o motivou a tomar essa atitude.

Como flamenguista foi fácil. Devido à final da Libertadores, daquelas conquistas de 2019, com Gabriel, Bruno Henrique, Arrascaeta, Everton Ribeiro… Quando a gente descobriu que ela estava grávida, fizemos um acordo: se fosse mulher, minha esposa escolheria o nome. Se fosse homem, eu escolheria o nome. Quando descobrimos que seria menino, já tinha em mente o que ia fazer. Eu falei para ela que seria Bruno Henrique. Ela gostou. Falou: “nome bonito”, entramos num acordo – disse.

Mesmo assim, a esposa ainda não apresenta muita felicidade com o nome dado. Ciente da vontade do pai de homenagear o Flamengo, ela havia idealizado o nome do camisa 27 (Bruno Henrique), mas sem Arrascaeta. Para ela, a criança pode ‘sofrer bullying’ por conta do sobrenome. Assim, depois do retorno de Gênesis com o registro, Fernanda, em tom de brincadeira, falou que levaria o ‘Arrasca’ embora e que ainda está digerindo a situação.


Aproveite a boa fase do Flamengo para lucrar!


Se você fizer isso, eu vou levar ele embora. Eu vou embora com ele, e você nunca vai ter o prazer de chamá-lo de Arrasca. Disse que ia trocar o nome dele, mas está aqui, pode mais fazer nada. Quem sabe até a adolescência dele eu já tenho aceitado. Por enquanto estou digerindo tudo isso – completou.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *