Flamengo sofre com gramado encharcado e perde para o Juventude no Brasileirão

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/ FLAMENGO

Neste domingo (27), o Flamengo perdeu para o Juventude por 1 a 0, no Estádio Alfredo Jaconi, em jogo válido pela sétima rodada do Brasileirão. Com péssimas condições de jogo, por conta do gramado alagado, o Mais Querido sofreu para chegar ao ataque e, com falha de Matheuzinho, acabou derrotado. Com o resultado, o Rubro-Negro estagnou no meio de tabela, com nove pontos ganhos.


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


O JOGO

Sob forte chuva em Caxias do Sul, o campo do Estádio Alfredo Jaconi ficou ‘alagado’, dificultando a troca de passes na partida. Acostumado a ter a posse da bola, o time do Flamengo tentou controlar as ações do jogo, mas esbarrou nas possas d’água. Em contra-ataque, foi o Juventude que teve a primeira chance marcar. Guilherme Castillo conduziu no meio-campo e arriscou de fora da área, mas parou nas mãos de Diego Alves.

Já com dez minutos de jogo, o Flamengo ainda não havia se acostumado com a condição do gramado e tentava chegar ao campo ofensivo com ‘chutões’, mas sem êxito. Enquanto isso, o Juventude, jogando em casa, conseguia encaixar os contra-ataques na velocidade e leva mais perigo ao gol rubro-negro.

Aos 25 minutos, Matheuzinho tentou recuar bola rasteira para Diego Alves, e o gramado não perdoou. A bola parou na possa d’água na entrada da área e ficou em perfeitas condições para Matheus Peixoto, que bateu com força no gol rubro-negro e abriu o placar. 1 a 0 para o Juventude.

Após o gol, o Flamengo passou a controlar mais a posse de bola, contudo, ainda encontrava muitas dificuldades de trocar passes no campo ofensivo. Por isso, aos 35, Ceni resolveu apostar de vez na bola aérea e fez a primeira mudança no time, ainda no primeiro tempo. Michael, que pouco participou do jogo, deu lugar ao garoto Rodrigo Muniz, que formou trio de ataque com Bruno Henrique e Pedro.

Na volta dos vestiários, o Flamengo foi em busca do empate e chegou perto logo nos minutos iniciais. Aos três, após cobrança de falta de Vitinho, a bola parou em Bruno Henrique, que cruzou e acertou no defensor do Juventude, que quase marcou o gol contra. No lance seguinte, em cobrança de escanteio, Filipe Luís pegou a sobra e bateu com perigo no gol. Após as dificuldades no primeiro tempo, a equipe rubro-negra parecia se acostumar mais com a situação do gramado.

Contudo, o ímpeto ofensivo nos minutos iniciais não facilitou o jogo do Flamengo, que continuava ‘brigando’ contra o gramado em busca do gol de empate. Dessa forma, o time rubro-negro apostava na bola parada para vencer a defesa do Juventude. Aos 16, em cobrança de escanteio, a bola sobrou no alto para Bruno Henrique, que emendou uma bicicleta e, por muito pouco, não fez uma ‘pintura’ no Alfredo Jaconi.

Aos 22, foi a vez de Pedro, que dominou na entrada da área, girou para cima do zagueiro adversário e, com o pé direito, chutou com perigo raspando a trave do Juventude. Aos 28, o centroavante do Flamengo teve mais uma oportunidade, desta vez de cabeça, mas parou na defesa do goleiro.

Aos 35, Rogério Ceni fez mais alterações na equipe. Filipe Luís saiu e deu lugar para Renê na lateral esquerda. Contudo, a principal novidade foi a entrada de Thiago Maia, que voltou aos gramados após sete meses de recuperação de lesão no joelho.

Já nos minutos finais da partida, o Juventude tentava a todo custo parar o jogo e, com faltas, impedia a transição ofensiva do Flamengo. Dessa forma, o time mandante minou o jogo do Mais Querido, que amargou a primeira derrota fora de casa na temporada.

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Embora a culpa do gol não tenha sido do Rogério Ceni, que avisou aos berros do banco de reservas ao bando de descerebrados que não daria para ficar fazendo o irritante jogo de toquinho para o lado e para trás na defesa, ele escalou mal o time. Colocar jogadores leves, como Michael e Matheusinho, é dar vantagem ao adversário em um campo encharcado. Outro erro do Ceni é não substituir as peças que vão mal. Eu me pergunto como ele manteve em campo durante os 90 minutos o displicente Vitinho( toda hora que o lateral-direito passa para receber a bola, esse caneludo corta para o meio e deixa de acionar o jogador que se lança no ataque) e permaneceu quase a partida inteira com o Diego Ribas, que amarrou o jogo no meio campo submerso em água, deixando de acionar os atacantes na frente. Três pontos perdidos para time que briga contra o rebaixamento são irrecuperáveis e podem fazer falta lá na frente.

  • Eu não entendo, porque ainda mantém Vitinho….porra que ele está com verme, anda em campo e só reclama. Depois o Diego Ribas virou uma enceradeira, só sabe rodar rodar…
    Fico puto quando perde um jogo por moleza…hj a culpa foi do Ceni…e olha que eu até defendo ele.
    Caralho…

  • Uma vergonha, um bando de criado a leite com pêra querendo trocar passes num gramado que mais parece uma piscina. Parece que nunca jogaram um terrão em dia de chuva. O jogo era jogar a bola na área e ver o que dava.

  • Parabens matheusinho, por isso que é reserva de um titular fraquissimo

  • Fora burro Ceni!!!!!!!!!!!; Não sabe mexer no time.