Sem Rogério Caboclo, clubes decidem quais exigências farão a novo presidente da CBF

FOTO: LEANDRO LOPES / CBF

Os clubes da primeira divisão do Brasileirão se reuniram na última sexta-feira (11), de forma on-line, para debater questões polêmicas da Confederação Brasileira de Futebol. A crise interna na entidade foi assunto, e os dirigentes das equipes chegaram ao entendimento de que Rogério Caboclo não retornará à presidência da CBF – ele está afastado e respondendo por assédio moral e sexual contra uma secretária do órgão desportivo. Por isso, há uma série de exigências a serem feitas a quem for assumir o poder.

Entre as exigências, três pontos são vistos como primordiais: aderir a lei do mandante, reajustar o calendário do futebol nacional e aprimorar questões da arbitragem, como o uso do VAR e ter maior transparência. Os clubes também sabem que o novo presidente deve ser indicado pela direção da CBF, entre os oito vices atuais. O mais cotado é o advogado Castellar Guimarães Neto, de 38 anos, ex-presidente da Federação Mineira.


Aproveite a boa fase do Flamengo para lucrar!


Os clubes, no entanto, querem participar de forma ativa da articulação do próximo presidente da CBF. As informações foram divulgadas pelo jornalista Marcel Rizzo, do Uol Esporte. Quanto a lei do mandante, o desejo comum entre os dirigentes é que cada equipe seja dona dos direitos de transmissão de jogos de futebol no Brasil. O assunto terá que ser debatido fortemente com Governo Federal e Congresso.

Já quanto ao calendário, os clubes enxergam a necessidade de parar todos os campeonatos quando a Seleção Brasileira for entrar em campo. A CBF até tem evitado conflitos entre as partidas de futebol no país e as Datas Fifa, mas a movimentação ainda é tímida e equipes se veem prejudicadas, como é o caso do Flamengo. O Rubro-Negro perdeu cinco atletas para a Copa América em meio à disputa dos torneios nacionais.

Sobre a arbitragem, os clubes insistem em uma nova diretoria, trocando a atual. Além disso, há o desejo de maior transparência, além da capacitação dos árbitros, sobretudo para o manuseio do VAR. Uma dos principais exigências quanto a este assunto é a divulgação de áudio das conversas entres os juízes. Uma nova reunião deve acontecer, ainda sem data definida, dessa vez entre os dirigentes das equipes e a diretoria da CBF.

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *