Rodrigo Muniz entra para o top 10 de maiores vendas da história do Flamengo; confira lista

FOTO: DIVULGAÇÃO

Em agosto, o Flamengo oficializou a venda de Rodrigo Muniz ao Fulham, da Inglaterra. O atacante de 20 anos foi negociado por 8 milhões de euros (cerca de R$ 49 milhões na cotação atual) e entrou para o top 10 maiores transferências da história do Clube da Gávea. Nomes como Gerson, Vinicius Junior e Lucas Paquetá fazem parte da lista.


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


CONFIRA O TOP 10 DE MAIORES VENDAS DO FLAMENGO 
1º) Vinicius Jr. (2017) – Real Madrid – 45 milhões de euros
2º) Lucas Paquetá (2018) – Milan – 35 milhões de euros
3º) Reinier (2019) – Real Madrid – 30 milhões de euros
4º) Gerson (2021) – Olympique de Marselha – 25 milhões de euros
5º) Léo Duarte (2019) – Milan – 11 milhões de euros
6º) Pablo Marí (2020) – Arsenal – 9 milhões de euros
7º) Jorge (2017) – Mônaco – 8.5 milhões de euros
8º) Rodrigo Muniz (2021) – Fulham – 8 milhões de euros
9º) Jean Lucas (2019) – Lyon – 8 milhões de euros
10º) Renato Augusto (2008) – Bayer Leverkusen – 6 milhões de euros

Vale destacar que alguns dos jogadores presentes na lista não se encontram mais nos mesmos clubes. Lucas Paquetá, por exemplo, não vingou no Milan e foi negociado com o Lyon, equipe pela qual vem se destacando. Além dele, Reinier, que ainda pertence ao Real Madrid, está emprestado ao Borussia Dortmund, da Alemanha.

Léo Duarte é outro Cria do Flamengo que mudou de casa. O zagueiro, que sofreu com lesões no Milan e não conseguiu emplacar sequência de jogos no gigante italiano, foi emprestado ao Istambul Basaksehir, da Turquia. Jean Lucas, por sua vez, após passagem apagada no Lyon, recentemente foi contratado pelo Monaco.

Quanto a Jorge e Renato Augusto, ambos retornaram ao futebol brasileiro. O lateral, que foi vendido ao Monaco em 2017, chegou a ser emprestado para Porto (2018/2019), Santos (2019) e Basel (2020/2021). Nesta temporada, se tornou jogador do Palmeiras. Já Renato Augusto, depois de passagem de sucesso pelo Bayern Leverkusen (2008/2012), defendeu Corinthians 2013/2015), Beijing Guoan (2016/2021) e recentemente retornou ao Alvinegro Paulista.

Venda mais recente do Clube da Gávea, Rodrigo Muniz foi um pedido do técnico do Fulham, o português Marco Silva. Após muitas rodadas de negociação, o Rubro-Negro e o time inglês chegaram a um denominador comum e acertaram o negócio. Pelo Mais Querido, o atacante disputou 32 jogos e marcou dez gols. Já na equipe de Londres, o Cria do Ninho balançou as redes uma vez em duas partidas até o momento.

Veja também

  • Silvio, um clube de futebol vive também de títulos; não apenas das finanças Do mesmo jeito que não adianta ter títulos e aumentar a dívida do clube não é bom negócio não ganhar nada ( ou ganhar pouco) e fazer superávit em caixa. Vc já deve ter se esquecido disso, mas o CR Flamengo era chamado de o clube do “cheirinho” na época do Bandeira. Atualmente, ninguém se atreve a dizer isso do Mais Querido porque ,desde 2019, ele montou um elenco vencedor. Os fatos estão aí na mesa para quem tem memória para se lembrar deles e tirar suas proprias conclusões.

  • Silvio, também estou preocupado com essa folha salarial. Apesar de ser um craque de bola e gostar muito dele, o Pedro foi uma contratação errada. Mas por incrível que pareça, dá para corrigir, pois é relativamente fácil vendê-lo a um preço superior ao que foi contratado. Na minha opinião, o Flamengo deveria limitar a folha ao no máximo 18mi e manter um time B mediano como reserva imediato, lançando os garotos da base e contratações de aposta.
    Mas infelizmente, tem gente que acha que dinheiro cai do céu.

  • Nossa Jota, quer cobrar títulos do Bandeira numa época em que a austeridade financeira era uma necessidade? Ao mesmo tempo em que demos “sorte” de pegar uma Copa Brasil (2013), também chegamos em duas finais de Copa Brasil e Sulamericana em um mesmo ano (2018), sem contar com o Brasileiro que só perdemos nas últimas rodadas (2016). Na minha opinião, a gestão do Bandeira foi muito boa, MESMO com os resultados e as limitações financeiras. Triste é ver torcedores que não reconhecem isto, pois se os títulos que citei fossem conquistados, os comentários seriam outros…

  • Pessoal critica o valor a ser vendido né.. mas esquece de que existe um valor que o outro está disposto a pagar, e pensam que o dinheiro é infinito no clube, que nao deveria vender agora e esperar mais.. mas como fazer para manter os outros 35 jogadores na folha? Geral adora criticar, entao pq nao começa a ser sócio torcedor e ajudar o clube ? Reclamar de Bandeira de melo por nao ter títulos é no mínimo insano.. o cara fez toda a mágica acontecer para o clube chegar nesse OTO PATAMAR, realmente eles querem um Márcio Braga ou Paty na adm.. aff

  • Saudações , rubro-negras, Pedro. Eu sou muito cético quanto a promessas no futebol. Se um dia o Muniz chegar ao Manchester City, ao Liverpool, ao Real Madrid, aí eu vou dizer que foi uma má venda do Mengão por 50 milhõesde reais. Por enquanto, ele é só um reserva do Fulham, na segunda divisão inglesa ,que marcou um gol apenas. O tempo vai nos dizer até onde ele vai chegar. Sobre a gestão Bandeira, ela foi boa por introduzir a responsabilidade financeira no clube , mas pecou nos resultados esportivos, sem grandes títulos conquistados( uma Copa do Brasil apenas é muito pouco para o tamanho do CR Flamengo). Se o Landim aumentar a dívida do clube, eu serei o primeiro a criticá-lo, apesar de elogiá-lo pelos resultados dentro de campo.

  • Ok, jota. Esse percentual é pouco. O certo seria aceitar a prim proposta menor q a outra parte aceitou, e o flamengo comprar, a outra parte. Teria um percentual bem grade e automaticamente o emprestaria, p fora ou, melhor, p um grade time do Brasil, tipo fizeram c o Jean Lucas. Entendeu? Sobre os outros, promessas q não vingarem, já são coisas muito distantes da atualidade Rubro-negrla. Hoje, não temos mais aquelas falsas apostas, q a mídia sempre gostou dela mesma eleger. Qto aos patrocínios, a vdd é q são muito bons em termos de valores, o problema é o flamengo querer gastar mais. O bandeira na sua gestão foi dez, em termos financeiros, foi austero, responsável. Vou para por aqui p não ser mais chato… Nem gosto de ser assim, mas a necessidade não é pouca. Nem tudo é céu azul. SRNs.

  • Correção: vices e não vocês.

  • Pedro, só lembrando que o Mengão mantém um percentual do Muniz. Se ele arrebentar na Inglaterra e o Fulham revendê-lo, vai pingar uma boa grana nos cofres rubros-negros. Se o Muniz não vingar como jogador no Velho Continente, já estão garantidos 50 milhões na conta do Mais Querido .Sobre os patrocínios e o banco digital do clube , o que é arrecadado é muito bom para a realidade brasileira, mas muito pequeno perto do que o Mengão gasta. Só com a aquisição de Gabigol e Pedro, dois dos melhores jogadores do elenco, foram gastos quase 30 milhões de euros. Temos hoje um elenco padrão europeu em condições de brigar pelos títulos em 3 competições dificilímas ao mesmo tempo, o que é histórico para o clube, lembrando que já tivemos Evandro Chaveirinho, Cleisson Paulada, Walter Minhoca, Maurinho, Iranildo Chuchu e outros, na época em que brigávamos para não cair no Brasileirão. A torcida tem que aproveitar muito essa excelente fase do clube.

  • *será que como vices de alguma coisa

  • Boa jota, concordo com vc, mas não na parte q toca o flamengo. Todos sabem que o Rodrigo Muniz dado a seu potencial, e seu valor, foi vendido muito barato, e sem nenhuma necessidade, seg o próprio Marcos Braz q afirmou q NÃO HAVERIA MAIS NECESSIDADE DE VENDER MAIS NINGUÉM, logo após a venda do Gérson, outra!, em q foi SUBvalorizado pelos “nosso$” dirigentes. Ah, vendeu p buscar o zagueirão… Havia necessidade? O Renato pediu?… E os PATROCÍNIOS MILIONÁRIOS q o clube tem, servem p quê? E a sociedade com o Banco?… Vou parar por aqui, tudo errado…, ou certo, como 2+2=4. A impressão q dá é que nossos dirigentes querem é movimentar dinheiro, aqui e lá fora… Se o Renato sair com essa folha mensal absurda…, de mais de 25 mi de reais… Será q como vocês de alguma coisa chegaremos onde desejamos? Muito dinheiro voando por aí, e nosso estádio, próprio, nada… Estamos nessa ótima fase, o melhor do mundo, graças a Deus, q nos mandou o Renatão; pelos 3, Braz SPINDEL e LANDIM…, ainda com o Ceni a desafiar nossa torcida.

  • Está aí a diferença entre o Mengão Malvadão e o Atlético mineiro: saber vender bem para arrecadar muito e investir na formação de um elenco vencedor. Eu sei que uma parte da torcida rubro-negra que desconhece os preceitos básicos de Gestão em futebol (não é possível fazer um excelente time sem arrecadar com a venda de jogadores) não consegue entender a filosofia da administração do clube, mas essas vendas fizeram do Mengão a potência esportiva que ele é hoje. O galinho assado de Minas, ao contrário, sobrevive do dinheiro de seu mecenas e não tem nenhum jovem de talento para negociar. Dessa forma, seu projeto é INSUSTENTÁVEL no longo prazo. A dívida do clube mineiro só aumenta e, na primeira divergência que houver na diretoria, Menin vai pular fora e ficará com os bens do clube, como o CT e o estádio, como garantia de pagamento dos aportes financeiros que fez no clube. Foi o que aconteceu com o Paraná Clube, uma equipe outrora milionária, com dois estádios e dois CTs, que caiu para a série D este ano e perdeu seus bens para o antigo mecenas e para quem os comprou em leilão por dívidas.

Comentários não são permitidos.