Sem Rodrigo Caio, Gustavo Henrique assume responsabilidade e recebe terceira maior nota do Fla sobre o Atlético-MG

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/FLAMENGO

No último sábado (30), o Flamengo venceu o Atlético-MG por 1 a 0, e com o triunfo no jogo que era considerado a ‘final antecipada’ do Brasileirão, se manteve vivo na briga pelo tricampeonato. Escalado de última hora para o duelo, Gustavo Henrique assumiu a vaga de Rodrigo Caio e recebeu a terceira maior nota do Rubro-Negro na partida.


Quer comprar produtos do Flamengo pela internet? Conheça a loja mais rápida e segura!


O zagueiro, que atuou por 90 minutos, teve 90% de precisão em passes, acertando 27/30, concluiu com êxito três bolas longas, ganhou cinco duelos aéreos e um no chão. Em 40 toques na bola, Gustavo Henrique deu sete cortes, um drible, finalizou uma vez no gol e cometeu duas faltas, recebendo nota 7.3 do portal estatístico SofaScore. O camisa 2 ficou atrás apenas de Michael e Diego Alves, com 7.5 e 7.4, respectivamente.

Gustavo Henrique foi escalado por Renato Gaúcho de última hora. Isso porque, o zagueiro estava na reserva de Rodrigo Caio, mas o ‘Xerife’ da zaga do Flamengo sentiu dores durante o aquecimento e não teve condições de ir a campo. A dupla com Léo Pereira, no entanto, rendeu bons frutos para o Mengo. Os dois defensores se destacaram na vitória e contribuíram para que o Rubro-Negro passasse ileso pelo confronto direto.

Com a sobrevida garantida após vencer o líder do campeonato, o Flamengo segue em busca do tri inédito, e terá um próximo compromisso já na terça-feira (02). O Mengo vai enfrentar o Athletico, na Arena da Baixada, às 16h (horário de Brasília), pelo jogo adiado da quarta rodada do Brasileirão.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Gustavo Henrique foi bem. Mas na minha humilde opinião, Léo Pereira foi melhor ainda. Uma das coisas que proporcionou essa melhora, talvez tenha sido o fato de o Flamengo jogar a maior parte do jogo recuado, com os volantes próximos aos zagueiros e os meias e atacantes todos ajudando do seu jeito na marcação. Acabou ficando pouco espaço para o Atlético. Quando o Fla joga no ataque, os zagueiros ficam expostos, e é onde temos problemas na zaga.