Ídolo do Flamengo vê ‘ajuda’ de Jorge Jesus para equipe voltar à final da Libertadores

Por: Letícia Marques

Em busca da Glória Eterna pela terceira vez, o Flamengo entra em campo contra o Palmeiras, no sábado (27), às 17h (horário de Brasília), no Estádio Centenário. Renato Gaúcho é o técnico que pode erguer a taça, no entanto, Uri Geller, ídolo rubro-negro, ainda vê resquícios de Jorge Jesus no elenco.

Em entrevista ao Coluna do Fla, o ex-jogador afirmou não estar surpreso com a segunda final de Libertadores do Mais Querido em três anos. O atacante do Flamengo comemorou o título de 1981 e viu o clube do coração retornar a decisão após 38 anos, em 2019, com Jorge Jesus.

Com certeza esperava (que o Flamengo participasse de uma final de Libertadores tão rápido). Eu acho que Jorge Jesus deixou a base fantástica. É um grupo muito forte, jogadores extremamente habilidosos, jogadores que vestem a camisa do Flamengo com muito orgulho. Então, eu não vejo que é somente agora em 2021. Eu acho que vai perdurar por um bom tempo, eu estou aqui torcendo para isso. Que bom que o Flamengo voltou e vai voltar mais vezes, tenho absoluta certeza – disse.


Aproveite a boa fase do Flamengo para lucrar!


Antes de focar total na Libertadores, Uri Geller ainda vai acompanhar o Flamengo pelo Campeonato Brasileiro. O Rubro-Negro encara o Grêmio, nesta terça (23), às 21h (horário de Brasília), na Arena. A partida contará com transmissão do Coluna do Fla, no YouTube.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Cacau, fico imaginando qual seria a trajetória do Dome, se porventura ele contasse com boas opções na zaga. Aliás, os três técnicos que passaram tiveram o mesmo problema!

  • Uri tem razão, depois do JJ o único treinador que tentou mudar o esquema que ele deixou
    foi o Dome e se deu mal, os demais, Ceni e Renato, mantiveram o mesmo esquema deixado
    pelo português, obviamente, sem o mesmo sucesso, por aí, dá pra se ter uma ideia do
    projeto vitorioso implantado pelo Mister. Acredito, que a maior falha em não dar continuidade
    ao projeto, cabe a diretoria(Marcos Braz), é notório que algumas peças envelheceram e o
    nível, por óbvio, baixou, e não foi visto isso, ER7 não chega nem perto daquele de 2019, a
    zaga, Rodrigo Caio e Pablo Mari, foi substituída por Bruno V, Leo P e Gustavo H na maior
    parte do ano, não houve substituição de peças e quando houve, o nível foi bem abaixo.