Justiça determina voto à distância em eleição no Flamengo; clube irá recorrer

Decisão se baseia em facilitar a participação dos sócios residentes em outras cidades


O Flamengo vive um ano eleitoral e o final de 2021 promete fortes emoções nos bastidores da Gávea. Com as eleições presidenciais se aproximando, vários candidatos se movimentam, como foi o caso de Walter Monteiro, da oposição, que havia entrado com uma ação na justiça solicitando que o pleito acontecesse de forma online. Nesta sexta-feira (12), o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro atendeu o pedido e determinou o voto à distância.

Marcado para o dia 4 de dezembro, o processo eleitoral não precisará contar com a presença do eleitor no local. Porém, o Flamengo, na figura do presidente Rodolfo Landim deve recorrer da sentença. O atual mandatário, inclusive, é candidato à reeleição pela Chapa Roxa.


Quer comprar produtos do Flamengo pela internet? Conheça a loja mais rápida e segura!


A decisão foi tomada pelo juiz Leonardo de Castro Gomes, que, em parte do documento, justifica a determinação: “(…) a garantia da votação não presencial, ademais de prevenir o deslocamento de pessoas em período pandêmico, permite maior representatividade no pleito, por facilitar a participação de sócios eleitores residentes em outras Municípios, Estados e até mesmo países, os denominados off-Rio, que, no caso de um clube com a magnitude do réu certamente implica uma parcela significativa de seus eleitores”.

A disputa para o cargo de presidente do Flamengo será para o próximo triênio, ou seja, entre 2022 e 2024. Além dos já citados Rodolfo Landim (Chapa Roxa), concorrendo à reeleição, e Walter Monteiro (Chapa Ouro), disputará o pleito Marco Aurélio Asseff (Chapa Azul) e Ricardo Hinrichsen (Chapa Branca).

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Medida acertada, preservando
    um valor chamado democracia.
    Quem tem direito a voto deve
    ter asseguradas as condições
    para exercê-lo. Se até a Câmara
    dos Deputados se valeu do
    expediente do voto à distância
    para aprovar a imoral PEC dos
    precatórios, por que não poderiam
    os sócios do Flamengo
    exercer à distância direitos a voto
    legítimos?

  • Justiça do Rio está se preparando para acabar com mais um time de futebol do Brasil. Será falta do que fazer?