Conmebol recebe candidatura de países para sediar final da Libertadores 2023

Colômbia é principal interessada em sediar o evento


A final da Copa Libertadores está marcada para o dia 29 de outubro, quando Flamengo e Athletico-PR medirão forças no maior torneio continental das Américas. Mesmo com as dificuldades da atual edição, com a cidade de Guayaquil, a Conmebol não desistiu da final única e já planeja a sede da competição em 2023. O país mais interessado para receber o evento é a Colômbia.

Para 2023, a Conmebol já começou a observar possíveis locais para a final da Libertadores. De acordo com informações do portal GOAL, Colômbia é quem mais deseja sediar o evento. O país trabalha com duas cidades, Barranquilla e Medellín, e já enviou dados dos estádios para a entidade.

O Peru, que foi palco da decisão em 2019, também tem interesse em sediar o evento, e afirma que com pouco tempo de preparo, seria possível receber a final no mesmo lugar em que o Flamengo foi bicampeão da competição, em Lima. O país declara que o episódio foi um sucesso e sem grandes problemas como aconteceu no Chile, antes da mudança em 2019, e em Guayaquil, este ano. No Brasil, Porto Alegre e São Paulo também demonstraram que estão interessados.


Saiba como lucrar com vitórias do Flamengo!


As cidades que recebem a final do torneio continental contam com um número alto de turistas entre as semanas da decisão, e por isso alguns países tem o interesse em sediar o torneio. Na edição da Libertadores desta temporada, a cidade de Guayaquil, no Equador, foi a escolhida para a final. Entretanto, os casos de violência em massa no país, agregados à falta de hospedagem e a passagens aéreas muito caras dificultam o acesso e a adesão da torcida ao evento.

Além disso, a final da Copa Sul-Americana, que aconteceu neste último sábado (01), teve pouco mais de 15 mil torcedores presentes, num estádio com capacidade para 57 mil pessoas. A decisão entre São Paulo e Independiente del Valle (EQU), em Córdoba, na Argentina, mostrou que as torcidas presentes não aderiram à ideia de jogo em final única, devido aos altos valores e dificuldade de acesso para a maioria do público.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *