Vice-presidente do Flamengo vê SAF como possibilidade para o clube

Rodrigo Dunshee não descartou a possibilidade em resposta concedida a um torcedor no Twitter


Com uma estrutura de dar inveja em clubes do futebol sul-americano, o Flamengo despertou o interesse do dono do Paris Saint-Germain (FRA), que revelou o desejo de comprar a Sociedade Anônima do Futebol (SAF) do Mais Querido. De acordo com o vice-presidente geral e jurídico do Rubro-Negro, Rodrigo Dunshee, esta seria uma possibilidade “totalmente viável”.

“Não fui eu, mas isso é totalmente viável. Ser sócio de um clube como o Flamengo seria um grande negócio. Ajustes na governança seriam necessários, mas seria possível. Não que esteja confirmando nosso interesse nesse modelo, apenas falando em tese. Nesses assuntos, quem fala é o Landim”, disse, em resposta a um tocedor no Twitter.


As melhores ofertas para produtos do Flamengo: aproveite desconto e brindes!


CONFIRA A PUBLICAÇÃO:

Como é possível observar na resposta, Dunshee deixa claro que quem define os assuntos relacionados ao tema é o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim. Inicialmente, o Mais Querido rechaçou a possibilidade de se tornar SAF e recusou a investida do empresário Nasser Al-Khelaïfi.

Deixando o extra-campo de lado, o Flamengo segue focado na disputa do Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira (05), o Mais Querido recebe o Internacional, no Maracanã, em jogo válido pela 30ª rodada do torneio nacional. O confronto acontecerá a partir das 21h30 (horário de Brasília).

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Vender o Flamengo enquanto a marca estiver em alta é grande negócio para os sócios proprietários. Daqui a pouco, meu amigo, a instituição mergulha novamente em uma crise política profunda e, de repente, tudo tem sua 1ª vez, o time acaba caindo para a Segunda Divisão… Como fica? Não aparecerão boas propostas. Os modinhas que engrossam o caldo da torcida e faz dela essa massa descomunal sumirão. Não conseguirão muito mais de que uma jujuba e duas mariolas, assim como aconteceu com o Botafogo e o Vasco. O pessoal tem de considerar que tudo tem seu apogeu e sua decadência. O Futebol Carioca e Brasileiro em geral já teve seus anos áureos, atualmente ensaia uma decadência.

  • Vender o Flamengo enquanto a marca estiver em alta é grande negócio para os sócios proprietários. Daqui a pouco, meu amigo, a instituição mergulha novamente em uma crise política profunda e, de repente, tudo tem sua 1ª vez, o time acaba caindo para a Segunda Divisão… Como fica? Não aparecerão boas propostas. Os modinhas que engrossam o caldo da torcida e faz dela essa massa descomunal sumirão. Não conseguirão muito mais de que uma jujuba e duas mariolas, assim como aconteceu com o Botafogo e o Vasco. O pessoal tem de considerar que tudo tem seu apogeu e sua decadência. O Futebol Carioca e Brasileiro em geral já teve seus anos áureos, atualmente ensaia uma decadência.

  • Estou aguardando a publicação do meu comentário alertando os torcedores do Flamengo sobre tamanho interesse desta página por este assunto. O Flamengo é gigante, tem receita anual quase bilionária; portanto, não precisa de interferência de “empresários”/”investidores”. Publiquem, por favor.

  • Esse tipo de negócio (principalmente no Brasil) só é bom para os empresários/”investidores”. O Flamengo é gigante, não precisa disso, de forma alguma. É preciso, isso sim, criar regras no Clube que nos blindem dessas investidas. Torcida do Flamengo, vamos ligar o alerta. Esta página está muito interessada em ventilar esse assunto.