Final da Champions League, SAF e Adidas: dirigentes do Flamengo viajam à Europa com agenda cheia

Compartilhe com os amigos

Dirigentes do Flamengo têm agenda agitada na Turquia e na Alemanha


Dirigentes do Flamengo, Rodolfo Landim e Rodrigo Dunshee viajam à Europa nesta quinta-feira (08) para assistir à final da UEFA Champions League. No entanto, a agenda dos mandatários também tem reunião com o Bayern de Munique, sobre SAF, e com a Adidas, a respeito de novos negócios.

Segundo informações do Jornal ‘O Globo’, Landim (presidente), Dunshee (vice-presidente geral e jurídico) e possivelmente Gustavo Oliveira (vice-presidente de Marketing) vão à Turquia para acompanharem o jogo Manchester City (ING) x Inter de Milão (ITA). Em Istambul, os flamenguistas ainda encontram Luiz Eduardo Baptista (presidente do Conselho de Administração), o ‘Bap’. A final da Champions League não é o único motivo para o deslocamento.

Os dirigentes do Flamengo também vão conversar com membros da diretoria do Bayern de Munique (ALE) para troca de experiências a respeito de Sociedade Anônima de Futebol (SAF). Os rubro-negros visam novos modelos e atualizações sobre o tema, que vem sendo discutido nos bastidores do Fla há um bom tempo.

Além da final da Champions League e da conversa com o Bayern de Munique, os dirigentes do Flamengo têm reunião marcada com a Adidas, ainda na Alemanha. Um dos intuitos do encontro com a fornecedora de material esportivo do Fla é a busca por novos negócios.

Na mesma quinta-feira (08) da viagem dos dirigentes para a Europa, o Flamengo decide a vida na Libertadores. Às 21h (horário de Brasília), o Rubro-Negro encara o Racing (ARG), em jogo da quinta rodada do Grupo A da Libertadores. Com cinco pontos, o Mengo precisa do triunfo sobre os argentinos, no Maracanã, para seguir firme na briga por vaga no mata-mata. O Coluna do Fla transmite o embate no YouTube, AO VIVO.

Compartilhe com os amigos

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Sou totalmente contrário a isso! Ainda mais se tratando das pessoas que estão comandando o clube. Uma coisa totalmente desnecessária, ainda mais com a torcida que temos. Esses caras só pensam em benefício próprio, e pra deixar claro o clube não é propriedade deles. É só uma gestão que espero que se encerre o mais rápido possível. Que venham pessoas mais comprometidas com o clube. São muitas coisas no mínimo estranhas que eles fazem.

  • Exatamente Edgar! Concordo plenamente com você.

    O brasileiro em geral tem fetiche por empresa, por iniciativa privada.

    Precisamos ser minimamente racionais. O que fazem as chamadas SAFs (nome pomposo, né? Tão bonitinho!) e o que almejam? Nada mais nada menos do que usar a marca e estrutura dos Clubes para fazer NEGÓCIOS. Negócios esses que lhes deem lucro. Podem esquecer Amor ao Clube, às tradições, à torcida.

    Portanto, seria criminoso entregar um Clube e uma marca da grandeza do Flamengo nas mãos de empresários. Olhem o que estamos passando com essa Diretoria nos últimos tempos por conta de contratações duvidosas (entre outros problemas sérios). E não se enganem: esses Dirigentes estão tão interessados nisso para não saírem mais do Clube, continuarem vivendo às custas do Flamengo (esqueceram que até em mudança de estatuto, para tentar outro mandato, esse Presidente já falou, o que é um descaramento e mostra bem os seus objetivos?).

    Por fim, vou “cantar a pedra”: mesmo os times de menor expressão e que precisaram fazer isso porque estavam afundados em dívidas, correm o risco, daqui a um tempo, de se ferrarem. Hoje todo mundo fala em SAF (uma modinha, como tantas outras que surgem no Brasil). Vamos ver os resultados disso daqui a um tempo.

  • Eu também não sou favorável ao Flamengo virar uma SAF, que acho que vem de SAFADEZA. O Flamengo é um clube organizado, não está com o pires na mão, como estão a maioria dos clubes brasileiros, sendo entregues a esses investidores pelo equivalente a duas balas Juquinha e uma mariola. O Flamengo dever ser sempre gerido de maneira profissional, jamais virar uma empresa.

  • Me desculpa Joãozinho, mas não sou nem um pouco favorável a isso no Flamengo. Ainda mais sendo tratado por essa Diretoria (Deus me livre! Não gosto nem de pensar).

    O Flamengo precisa de uma gestão séria e profissional, mas de forma alguma de uma empresa (o objetivo de qualquer empresa é o lucro e apenas lucro) tomando conta e dispondo de um patrimônio de valor inestimável (somente a marca Flamengo já possui valor inestimável) como o do Flamengo. Isso é ainda mais perigoso em se tratando de Brasil, e sendo conduzido por esses Dirigentes que aí estão, dos quais nem precisamos mais falar.

    Para complementar: como fazem farra com o dinheiro do Clube. Todo ano viajam para a Europa, ficam um tempão. Uma beleza. Uma maravilha.

  • Certamente é a forma adequada de conhecer melhor e avaliar o projeto SAF.
    Este projeto muda sensivelmente a organização do clube e deve ser estudado em todos os seus detalhes, ainda mais em se tratando do clube de maior torcida do mundo (a empresa britânica KANTAR andou dizendo que o Manchester United tem 650 milhões de fãs – quase 12 maior do que a população da Inglaterra kkkk).
    Tem que ser um projeto que assegure, por baixo, um estádio próprio (para o clube) e recursos para manter o Maracanã “ad aeternum”, além de prover recursos elevados para os demais esportes, assegurando sempre os 51% do patrimônio, para o CR Flamengo.
    Estou errado?