Mesmo com elenco mais valorizado, Fla tem queda no desempenho em relação à 2016

Ao final da 26ª rodada do Campeonato Brasileiro deste ano, o Flamengo figura na sétima colocação, com 39 pontos e dez vitórias conquistadas. Há um ano, depois de 26 jogos, o Mais Querido era vice-líder, com 50 pontos e 15 vitórias. Desde 2013, início da gestão Eduardo Bandeira de Mello, é a primeira vez que há uma queda de desempenho relacionada ao ano anterior.

O elenco desta temporada é maior e mais valorizado em relação ao que disputou o Brasileiro de 2016. Para efeitos de comparação, Zé Ricardo tinha poucas opções para desequilibrar uma partida. Era comum colocar Fernandinho e Gabriel, atletas contestados pela torcida, para tentar modificar um confronto. Neste ano, Reinaldo Rueda tem à disposição Éverton Ribeiro, Berrío, Vinicius Júnior, Lucas Paquetá, Geuvânio, Rômulo, etc.

Com um plantel menos qualificado, o Fla de Zé terminou em terceiro, com 71 pontos. Para que o time de Rueda chegue a mesma pontuação, é necessário ter 89% de aproveitamento até o final do certame. “Basicamente”, vencer 10 pelejas, empatar uma e perder apenas uma vez, nos 12 compromissos que faltam até o fim do torneio.


Veja mais:


O próximo compromisso do Flamengo pelo BR-17 é contra o Fluminense, dia 12 (quinta-feira), às 17h, no Maracanã.

Veja também

  • Prova que dinheiro sem um bom planejamento não traz resultados
    Muitos erros foram cometidos no departamento de futebol, mas do que no ano passado, apesar da grana

  • É isso que deixa os torcedores putos com os jogadores, pois no final das contas são eles que endossam o trabalho da diretoria, é como um carimbo confirmando que o trabalho está sendo bem feito, mas como o Bandeira prefere proteger jogadores profissionais com altos salários e com uma boa estrutura para trabalhar os caras se sentem confortáveis até demais e ainda por cima montam o elenco de forma errada e renovam com jogadores de baixa qualidade, aí fica difícil. Acho que o maior inimigo da diretoria é ela mesma.

    SRN #TáFodaFlamengo

  • a gestão ebm se transformou em uma divindade, ou quase isso. uma entidade inquestionável, incomparável, perfeita. uma força da natureza. não admite críticas nem questionamentos. provavelmente nem internamente. se os resultados do futebol não vieram ainda, então virão fatalmente no próximo ano,seja qual for o próximo ano, mas sempre no próximo ano. aguardemos. se são reconhecidamente bem sucedidos e atualizados nas questões financeira e administrativa no futebol estão na idade da pedra. completamente amadores e incompetentes e o que é pior amadores e incompetentes picados pela mosca azul da vaidade e da soberba. muito provavelmente 2017 acabou. basta decretar férias antecipadas e os aguardar pelos discursos otimistas e recheados de promessas e conquistas para 2018. SRN

Comentários não são permitidos.