Ídolo do Flamengo, Zico comenta saída de Jorge Jesus para o Benfica e dispara: “Eu não trocaria”

FOTO: JOSE MANUEL ALVAREZ

O Flamengo viveu seu ‘ano mágico’ em 2019 com as conquistas do Brasileiro e da Libertadores. Um dos maiores responsáveis pela elevação de ‘patamar’ do Mais Querido, foi o treinador da equipe à época: Jorge Jesus. O português, no entanto, após 13 meses de um trabalho vencedor e histórico junto ao Fla, trocou o clube pelo Benfica, de Portugal. Para Zico, maior ídolo do Rubro-Negro, a saída de Mister foi por alguma questão pessoal.

Em participação no programa ‘Aqui com Benja’, do Fox Sports, o Galinho afirmou que ele, inclusive, não trocaria o Flamengo se levasse em conta apenas o futebol. Isso porque, segundo Zico, o Mengo é muito mais time do que o Benfica e, ainda por cima, já tinha um time montado, com os jogadores sabendo tudo o que Jesus queria executar.

Acho que o problema maior não foi a questão de clube, foi mais uma questão pessoal. Em termos de time, o Flamengo é muito mais time, e já montado, com jogadores executando de cor e salteado tudo aquilo que ele estava pretendendo. Sem dúvida, falando só da bola, eu não trocaria -, disse.

Outra questão abordada pelo eterno ídolo da camisa 10, foi a missão de Domènec Torrent em assumir o lugar deixado por Jorge Jesus. De acordo com Zico, se o catalão é excessivamente cobrado, seria ainda pior se a diretoria rubro-negra tivesse escolhido um treinador brasileiro para substituir Mister.

A cobrança seria muito maior do que com um treinador estrangeiro. Teriam muito mais comparações do que está tendo com o próprio Dome. Não seria bom para qualquer treinador brasileiro. Poderia ser um trabalho mais fácil, porque você já vai encontrar uma situação montada, mas não sei se um brasileiro teria paciência com essas cobranças e comparações. Seria muito ruim para qualquer treinador brasileiro -, declarou.


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


Jorge Jesus deixou o Flamengo colecionando recordes e títulos. Foram 57 jogos, com 43 vitórias, nove empates e somente quatro derrotas. Além disso, o português enfileirou troféus, entre eles: Brasileiro e Libertadores, ambos em 2019 e, já em 2020, Supercopa do Brasil, Recopa Sul-Americana e Carioca. Domènec, por sua vez, tem até o momento, 23 partidas, com 14 triunfos, quatro empates e cinco derrotas.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Zico não entrou em detalhes, mas, pelo que foi comentado na época Jorge Jesus voltou
    pra Portugal, por questões puramente pessoais, o elenco do flamengo dispõe de 3 times
    e o Mister, além do enorme crédito que tem com a torcida e diretoria do mengão, ele teria
    tempo de sobra pra treinar e colocar o time do jeito que ele gosta, portanto, acredito que
    os comentaristas que disseram que foi a família que fez o mister voltar pra Portugal
    estavam certos. Amigos meus que moram em Lisboa, dizem que a vida naquela cidade é
    muitas vezes melhor que no Rio de Janeiro, portanto, tudo leva a crer que a questão foi
    realmente pessoal.

  • Quer encontrar uma mulher para uma noite? Bem – vindo ao — S︆︆e︆︆xc︆︆o︆︆n︆︆t︆︆.︆︆C︆︆o︆︆m

  • Vcs não estão observando um detalhe que é perfeitamente possível de tá ocorrendo, e que pode justificar essa saída repentina do JJ. Ano passado o time fez mágica, porém vcs viram a intensidade que os jogadores jogavam. Com JJ não tinha rodizio. Porém, nesse ano, logo no início, contra o flu, na final do carioca, já não foi a mesma intensidade, não é? Agora, vejam que nesse ano o DM não para de tratar jogadores que se lesionam até mesmo sem jogar, que ficam no banco (Pedro Rocha exemplo). Portanto, a minha teoria é que o JJ estourou o time do fla com os jogos e os treinos do ano passado, e já sabendo disso, aliado aos efeitos negativos da pandemia que impediram novas contratações, deu adeus ao Fla, porque sabia que não ia consiguir arrancar dos jogadores a mesma intensidade para este ano. Não é uma teoria desvairada, pode ter sentido sim.

  • Deixe Dome ir. Vamos buscar Sampaoli.