Landim avalia relação da CBF com o São Paulo e questiona decisões da entidade: “O comportamento é distinto dos outros clubes”

FOTO: DIVULGAÇÃO / FLAMENGO

Na próxima quarta-feira (18), Flamengo e São Paulo vão se enfrentar em partida decisiva pelas quartas de final da Copa do Brasil. No entanto, os bastidores do jogo continua movimentado. Em entrevista ao Globo Esporte, o presidente do Rubro-Negro, Rodolfo Landim, questionou a entidade sobre a ligação com o Tricolor e desabafou acerca de um possível favorecimento à equipe paulista.

Entendemos que o comportamento da CBF com o São Paulo é distinto dos outros clubes. Eu não vi o Gaciba hora nenhuma falar que houve um erro no campeonato, só uma vez e trocou a arbitragem do jogo do São Paulo contra o Grêmio. Não por acaso, o que aconteceu? Dois pênaltis claros não marcados e ninguém veio a público falar que houve erro -, disse o mandatário, antes de continuar:


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


A mensagem que se passa é: “Cuidem-se se errarem contra o São Paulo”. A sinalização é de que quando o erro é contra, suspende. Quando é a favor, nada acontece -, concluiu.

Vale lembrar que, nesta semana, o Flamengo enviou uma solicitação à entidade máxima do futebol brasileiro e solicitou a troca na equipe de arbitragem para o jogo desta quarta-feira (18). No entanto, o Mengo teve o pedido negado pela Confederação, que manteve a escolha pré-definida, confirmando o nome de Wilton Pereira Sampaio como árbitro principal.

Flamengo e São Paulo entram em campo nesta quarta (18), no Morumbi, às 21h0 (horário de Brasília), e o Rubro-Negro precisa de uma vitória para garantir a vaga na semifinal da competição. Para sacramentar a classificação, o Mengo precisa vencer por um gol de diferença para decidir nos pênaltis, ou por dois gols de vantagem para avançar de fase.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Quer encontrar uma mulher para uma noite? Bem – vindo ao — S︆︆e︆︆xc︆︆o︆︆n︆︆t︆︆.︆︆C︆︆o︆︆m