“Não sofremos tanto no aspecto defensivo”, diz técnico do Botafogo após perder para o Flamengo

FOTO: VÍTOR SILVA/BOTAFOGO

Se tivesse convertido toda superioridade tática em gols, o Flamengo poderia ter deixado o Nilton Santos com um placar histórico na noite desta quarta-feira (24). Recheado de garotos, o Rubro-Negro dominou a partida e pouco ofereceu chances ao adversário – que passa por uma fase de reformulação do plantel. A vitória por 2 a 0 levou o Mais Querido à liderança do Estadual.

O Flamengo, mesmo atuando com o elenco alternativo, tem sua maneira de jogar já enraizada – o coletivo conversa entre si. Apesar disso, o início do jogo foi bem estudado com as equipes oferecendo poucos espaços. A entrada de Rodrigo Muniz, no lugar de Pedro, deu nova cara ao clássico. Assim, a primeira etapa terminou com nove finalizações rubro-negras e nenhuma alvinegra. Ponto, inclusive, destacado por Chamusca, técnico do Botafogo, na coletiva de imprensa.

Nosso primeiro tempo foi muito difícil. Além das dificuldades de construção, quando conseguíamos em alguns momentos roubar a bola e criar o contra-ataque, erramos muito no último passe, duas ou três situações interessantes que pecamos. Outro aspecto foi o mérito do Flamengo, que joga com a linha de quatro jogadores pressionando. Eles conseguiram fazer essa mecânica com excelência. Apesar disso, não sofremos tanto no aspecto defensivo. Vamos precisar evoluir, pois vamos enfrentar equipes com essa estratégia de pressionar em linha.


Apoie o Mengão! Camisa e outros produtos oficiais em promoção


O técnico alvinegro destacou, ainda, que a expulsão de Kanu dificultou qualquer poder de reação levemente desenhado pelo Botafogo naquela etapa da partida. E lamentou sua primeira derrota na temporada.

A minha preocupação e minha chateação é por termos perdido um clássico e jogo importante. O comportamento da equipe no primeiro tempo, claro que nos traz preocupação. Estamos num processo de construção ainda (…). Mas nós jogamos contra uma equipe extremamente qualificada, que soube em todos os momentos nos pressionar. Quando fizemos as substituições e ganhamos um poderio ofensivo melhor, tivemos a expulsão do Kanu, o que dificultou -, pontuou Chamusca.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *