Dirigente comemora receita bilionária do Flamengo e manda indireta: “Sem mecenato”

FOTO: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM DUNSHEE

O Flamengo ousou nas metas orçamentárias para a temporada de 2021. No entanto, antes mesmo do fim do ano, o Rubro-Negro teve uma notícia boa: a receita pode ultrapassar R$ 1 bilhão. O feito foi comemorado pelo vice-presidente geral e jurídico do clube, Rodrigo Dunshee, que mandou recado para os rivais brasileiros.


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


Através da rede social, o dirigente compartilhou a matéria noticiando a receita bilionária do Flamengo e escreveu: “Oi, Bilhão. Bom te ver por aqui e sem mecenato”. A ‘indireta’ de Dunshee tomou conta do Twitter e, ao que tudo indica, faz referência ao Atlético-MG, que vem fazendo altos investimentos através de um mecenas: Rafael Menin.

VEJA A PUBLICAÇÃO:


A receita bilionária do Flamengo acontecerá devido a classificação às semifinais da Copa do Brasil e da Libertadores, além do fato do Rubro-Negro ter superado os números previsto pelo marketing e, também, na arrecadação com a venda de atletas. Neste número, é importante destacar que cerca de R$ 100 milhões são referentes aos direitos de TV da temporada 2020.

Por enquanto, a única meta que o Flamengo não bateu é sobre o Campeonato Brasileiro. Isso porque, a competição está longe do fim e, para exercer o previsto, o Mais Querido precisa terminar, pelo menos, na segunda colocação. No entanto, caso isso não aconteça, a diferença é de apenas R$ 1,6 milhão nos cofres.

 

 

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Desejo de todo coração, que o Atlético Mineiro, com todo esse timaço e por conseguinte, investimento , perca a Copa do Brasil, eliminado pelo Fortaleza dos dois jogos e percam o Brasileiro, com o Flamengo sendo Tricampeão seguido e o Galo armague 52 anos sem vê o titulo naciona.l. O Menin do Galo enfiado o dedo no… será o máximo.

  • Parabéns jota! A gente aprende sabe muito contigo.

  • John Smith, moro em BH e conheço de perto o projeto do Atlético mineiro, portanto vejo que as coisas não estão indo bem nas finanças do clube, como quem não acompanha o dia a dia pensa que está. Se der certo o que os Menin estão fazendo com o clube, será uma situação que fugirá completamente ao padrão histórico das boas administrações no futebol profissional . A regra geral é: o clube tem que cortar gastos para reduzir a sua dívida com a intenção de ter condições para investir em elencos melhores posteriormente. Os Menins estão aumentando a dívida do clube para depois supostamemte quitá-la. O futuro vai nos dizer se eles descobriram uma nova forma de gerir bem o futebol diferente do que foi testado e aprovado em outras equipes, como o Flamengo. Abraços e saudações rubro-negras.

  • Será, Jota? Veremos se está certo, acompanhando o Atlético-MG nos próximos anos. Apesar de não concordar muito com você, também não ignoro as possibilidades que você citou. Abraços.

  • É o que eu sempre falei, um dia a conta vai chegar….rsrs
    Lembram do Corínthians em 2015? Ganharam o Brasileiro, mas depois aconteceu a revoada. Debandaram de lá, pois o clube não tinha dinheiro pra pagar os salários astronômicos que pagavam (sem ter dinheiro pra isso), e ainda completaram a cagalhoada empurrando com a barriga a dívida do chiqueiro de Itaquera. O clube hj está à beira da falência, com uma dívida impagável de mais de 1 Bilhão de reais, e ainda trazendo jogador da Europa pra jogar lá (que obviamente não estão ganhando 50.000 por mês).
    Quando começar a debandada no Atlético-MG, quando o mecenas começar a cobrar o dinheiro que investiu lá dentro e acabarem “cruzeirando”, vão dizer que tudo é “teoria da conspiração”, que é “coisa de anti”. E ninguém, naturalmente, vai preso por gestão temerária. A certeza da impunidade é que faz acontecer essa série de sandices e devaneios de grandeza. O dia que começarem a trancafiar esses “sonhadores”, acaba essa palhaçada.
    Quem sofre com isso é apenas o torcedor.

    Bem fez o Flamengo e sua Nação, que aguentaram 6 anos de times fraquíssimos e medíocres, virando chacota de todo mundo, até poderem colocar todos nos seus devidos lugares. O mundo dá voltas, e a vingança é doce.

  • John Smith, o fato concreto hoje no Atlético mineiro é que a dívida chegou a 1, 2 bilhão( sem considerar que a contabilidade do clube usou artíficios para reduzi-la artificialmente, como a inclusão nos ativos de patrimônio e de jogadores com valores muito acima do que eles realmente valem). Além disso, o clube não conseguiu alcançar várias das metas estabecidas no orçamento para a temporada, como uma receita de 200 milhões em vendas de jogadores, o que não ocorreu. A imprensa mineira está calada porque ela ,como a grande mídia nacional ,só divulga aquilo que atende a seus interesses .Gerir uma empresa como a MRV, por exemplo, é totalmente diferente do que tocar um clube de futebol porque no esporte entra o fator paixão. A cobrança por resultados imediatos, a passionalidade dos torcedores e a fogueira de vaidades entre os cartolas fazem do futebol um campo totalmente diferente da área empresarial. Vários homens de negócios bem sucedidos já passaram por diversos clubes de futebol brasileiro e a maioria fracassou em suas respectivas gestões. Os Menin vão levar algum tempo até entender que o Atlético mineiro não é a MRV.

  • Kennedy, na minha visão eles deveriam estabelecer um teto salarial para jogadores profissionais, bem como os gastos relacionados a folha salarial e por aí vai. Aqueles que não cumprem ou pagam em dia, deverão ser duramente advertidos e multados. Duvido se não iriam acabar com essa palhaçada de inflar salários de jogadores e jogar os clubes para o limbo, por causa de administrações temerárias.

  • Penso diferente Jota. Empresários de sucesso SABEM onde, quando e porque gastar. Se eles estão fazendo todo este investimento no Atlético Mineiro, é porque provavelmente vislumbraram um futuro brilhante e lucrativo para todos!

  • O Flamengo deveria começar a pressionar para a implementação do Fair Play Financeiro no Brasil e na América do Sul. Os clubes só deveriam poder gastar até 70 ou 80% do que arrecadam.

  • O maior problema do Atlético-MG não é nem o mecenato dos Menins e companhia( é um direito do torcedor bilionário fanático ” torrar” sua grana no clube de coração), mas sim a gestão temerária que eles fazem ao aumentar a dívida do clube como se não houvesse amanhã). Eu sei que não faz parte da cultura brasileira a obediência ao rigor fiscal e a sustentabilidade financeira( aqui é rotulado como política “neoliberal”), mas os Menin estão exagerando na dose: estão construindo uma mega arena esportiva e investindo na formação de um elenco caríssimo sem possibilidade alguma que um clube apenas de alcance estadual , como o galinho assado de Minas, consiga aumentar as suas receitas para o mesmo patamar dos gastos realizados.

  • Fruto da boa administração.

  • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!