Flamenguistas nordestinos sofrem críticas de times locais, e Diego Alves rebate: “Torce pra quem quiser”

O Flamengo entrou em campo na noite do último sábado (09), para enfrentar o Fortaleza, e não tomou conhecimento do adversário. Com sonoros 3 a 0, o Mengo venceu e conquistou importantes pontos no Brasileirão. Antes da bola rolar, clubes nordestinos criticaram torcedores que são adeptos de equipes de fora da região e Diego Alves, ligado nas questões que envolveram o duelo, se manifestou neste domingo (10) contra essa atitude.

No Twitter, o goleiro rubro-negro escreveu: “Nordestino tem time para torcer. O que ele quiser! #NordesteRubro-Negro”.

CONFIRA A PUBLICAÇÃO


Quer comprar produtos do Flamengo pela internet? Conheça a loja mais rápida e segura!


Vale destacar que, depois do confronto, na Arena Castelão, circularam nas redes sociais imagens de “torcedores” do Fortaleza agredindo um adepto do Flamengo. Internautas, claro, se manifestaram e, inclusive, dissertaram sobre possíveis ligações entre a agressão ao rubro-negro e esse tipo de movimentação de algumas equipes nordestinas.

Como mencionado, Diego Alves ficou de fora do duelo contra o Fortaleza. Além do jogador, Gabigol, Everton Ribeiro, e Isla, com as suas respectivas seleções para a disputa das Eliminatórias da Copa, foram desfalques. Renato Gaúcho também não pôde contar com Bruno Henrique, David Luiz, Gustavo Henrique e Diego Ribas, entregues ao Departamento Médico.

 

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Srs. AQUI NO RIO DE JANEIRO, tenho amigos e colaboradores que torcem para times paulista, mineiros e até do nordeste. NINGUÉM escolhe está paixão. Nós cabe respeitar.

  • O único Estado do Nordeste que a torcida local se divide fortemente com a do Flamengo é de Pernambuco. Na Bahia, quem é Vitória ou Bahia são flamenguistas.No Norte: Amazonia, Pará, Maranhão o fanatismo pelo Flamengo é enorme. No Centro Oeste, em Brasília e Goiás, parecem que não existem times locais, a do Fla é a maior. A torcida do Corinthians, além de SP, só ganha a do Flamengo em um Estado do Sul.

  • Sou carioca e flamenguista, viajava muito a trabalho, conheço guase todos os Estados brasileiros e o fanatismo nacional pelo Clube impressiona. Foi criado a Copa do Nordeste que aprecio muito e alguns clubes locais, como: Fortaleza, Ceará, Bahia, Vitoria, Sport etc estáo aparecendo e se fortalecendo. Isso é bom para o futebol brasileiro. Eu vi o Fla se campeão em cima do Vasco, campeonato carioca, naquele gol de falta do Petkovic nos últimos minutos no Mercado Modelo de Florianópolis, muita comemorações, não tem preço.

  • Muito boa a verdadeira esplanação do amigo aí em cima. Não se pode obrigar ninguém a torcer pra ninguém. Futebol é paixão e paixão é sentimento do coração. Nota zero para a imprensa nordestina que anda incentivando os torcedores a torcer para os times do nordeste na marra, e viram no que deu. Setores da imprensa mais atrapalham o Brasil e a nossa cultura do que ajudam. Tenho um vizinho aqui que é brasileiro e desde aquele 7×1 nunca mais tirou a camisa da Alemanha e vive me gosando, vou bater nele por issso! Claro que não, pois tenho educação e não sou certos profissionais da imprensa que incentivam o ódio.

  • Esse fenômeno vem desde as décadas de 1950 e 1960, quando as rádios do Rio de Janeiro, que transmitiam os jogos dos times do Rio, eram as únicas cujo sinal chegava cheio no Nordeste e Norte do Brasil. Isso fez tb com que muitos mineiros se transformassem em torcedores de times do Rio, até a construção do Mineirão, que foi o divisor de águas e que desenvolveu, fez crescer muito e mostrou ao Brasil e ao mundo, com o Cruzeiro de Tostão, o grande futebol mineiro.
    Eu nasci no Rio de Janeiro mas moro há 5 anos no Sul da Bahia, para onde vim curtir uma há muito merecida aposentadoria, e onde moram tb, além dos nativos é claro, muitos outros cariocas, mineiros paulistas e capixabas, e posso falar sem medo de errar: há mais torcedores do Flamengo do que de Bahia e Vitória juntos, e eles não se sentem diminuídos ou constrangidos por torcerem por um time “de fora” do Estado. Há ainda alguns paulistas, muitos mineiros e até argentinos que são tão fanáticos pelo Flamengo como eu mesmo sou. E são muito felizes assim. Nas vitórias e nos títulos, a cidade se colore de vermelho e preto, com camisas e bandeiras por todos os lugares. Muito bonito de se ver, e de constatar in loco o que o autor do post afirma, depois de seus estudos. As mulheres são tão fanáticas quanto os homens. Há tb, claro, torcedores fiéis dos times do Estado, e de outros do Brasil, mas o Flamengo supera a todos! Teve buzinaço, festa na cidade e carreatas, no título da Libertadores de 2019…e outras tantas, nos Brasileiros de 2019 e 2020. E mesmo na “fase negra”, como contam os nativos mais antigos, nos riscos de rebaixamento e durante a reestruturação iniciada em 2013, onde sofremos com times ridículos, a torcida do Flamengo não diminuiu de tamanho por aqui. Pelo contrário, só aumentou, como ocorreu tb no Rio de Janeiro. Como diz no Hino, “Sou Flamengo até morrer!”.
    Foi graças aos antigos, que ouviam os jogos pelo rádio e conheceram por ali Marco Aurélio, Marcial, Murilo, Ditão, Jayme, Manicera, Reyes, Paulo Henrique, Carlinhos “Violino”, Nelsinho Rosa, “El Gringo” Doval, Dionísio, Fio “Maravilha” e Arílson, além de outros até mais antigos, como Mestre Ziza, que a “cultura” rubronegra chegou e se consolidou. E eu, carioca de nascimento, nunca me furto de dizer que, vivendo aqui, sou tão baiano quanto eles. E eles são tão rubronegros quanto eu. E ninguém fica chateado. Muito pelo contrário.
    Isso aqui é Flamengo! Isso aqui é Brasil!
    SRN🔴⚫

  • Se o CR Flamenngo continuar sua boa gestão das últimas diretorias, conquistando mais títulos e jogando um bom futebol, nas próximas décadas sua condição de clube de maior torcida do Brasil, com um número expressivo de torcedores em quase todos os estados brasileiros, vai ficar mais consolidada. Com a internet encurtando cada vez mais as distâncias e espalhando os feitos e as glórias deste clube, não me espantaria se um terço dos brasileiros se tornar rubro- negro.