Renato sai em defesa de Bruno Viana: “Toda vez que foi chamado, jogou bem”

FOTO: REPRODUÇÃO

Na última segunda-feira (08), o Flamengo empatou em 2 a 2 com a Chapecoense, na Arena Condá, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. Em meio a tantos desfalques, o técnico Renato Gaúcho optou por uma dupla de zaga inusitada: Rodrigo Caio e Bruno Viana. Este último recebeu a chance como titular, no entanto, a escalação gerou questionamentos. Durante a coletiva, o treinador explicou o voto de confiança ao jogador.

— Toda vez que foi chamado, jogou bem. Ele está no nível do Gustavo e do Léo, que tem jogado praticamente todos os jogos. Não posso pensar só no momento, tenho que pensar ali na frente. Dia 27, não vou ter o Léo Pereira. Preciso dar ritmo a todos. Tenho que deixar todo mundo pronto e da melhor maneira possível para o dia 27.


As melhores ofertas para produtos do Flamengo: aproveite desconto e brindes!


Apesar de ter sido a escolha de Renato, Bruno Viana é o último da hierarquia entre os zagueiros. O jogador participou de 17 partidas sob o comando do treinador, sendo dez entre os 11 principais. Enquanto isso, Léo Pereira e Gustavo Henrique se fixam como reservas imediatos na ausência de David Luiz e/ou Rodrigo Caio.

Em meio a isso, para espantar a crise, o Flamengo encara o Bahia, na quinta-feira (11), às 19h (horário de Brasília), no Maracanã, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Rubro-Negro precisa da vitória para poder sonhar com o título da competição nacional, visto que é o terceiro colocado, com 54 pontos, enquanto o líder Atlético-MG, possui 65.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Burrice por culpa no Renato.
    Atlético P o juiz voltou atrás na expulsão depois de três socos é um chute sair na var, agora o goleiro leva dois frangos e mais uma vez garfado.

    O Atlético MG apoia a CBF em tudo e ó Flamengo bate de frente. Nós que perdemos tempo vendo jogo de carta marcada.

  • Esse é um dos motivos porque estamos ladeira abaixo. O técnico é cego.