Além da tática: perfeccionista, Paulo Sousa detalha elenco e potencializa jogadores em aspectos mentais

Em contato com o Coluna do Fla, especialista argentina detalhou o perfil do novo treinador do Rubro-Negro

Por: Paula Mattos e Ana Beatriz Zayat

O Flamengo acertou a contratação de Paulo Sousa como novo técnico para 2022. O português de 51 anos deixou o comando da Seleção Polonesa e escolheu assumir o desafio de vir para o Brasil e fazer o Rubro-Negro reencontrar o caminho das vitórias.

Com a contratação de Paulo Sousa, a reportagem do Coluna do Fla entrou em contato com a jornalista argentina Francesca Bandinelli, do Corriere dello Sport y La Nazione – veículos italianos onde ela trabalha com cobertura diária da Fiorentina, clube onde o técnico teve seu maior destaque -, para detalhar a carreira do treinador português e entender que, além da tática, o comandante é um estudioso que conhece a fundo seu elenco e, principalmente, trabalha o lado mental do grupo.

Passagem pela Fiorentina – principal trabalho de Paulo Sousa:

“Paulo Sousa foi o protagonista de um importante período com a Fiorentina. A primeira temporada, 2015/16, trouxe a Fiorentina para o topo da tabela de setembro a dezembro (a Fiorentina venceu seis jogos nos primeiros sete dias: isso nunca tinha acontecido na história do clube). Em seguida, a falta de contratações no mercado de transferências de janeiro fez com que a equipe caísse para a quinta colocação na classificação, sempre classificada na Liga Europa. Na segunda temporada, porém, a Fiorentina alcançou a oitava colocação na classificação e não se classificou na Europa.”

Estudioso e perfeccionista – um treinador que alia o poderio tático com a estabilidade emocional:

“O Sousa é um perfeccionista, muito atento a cada detalhe do seu trabalho. Ele está taticamente preparado e frequentemente posiciona suas equipes em forma de espelho em relação ao oponente. Ele tem uma filosofia de jogo bastante reconhecível: é um futebol de ataque, atento ao bom jogo, um a dois toques e pronto. Em Florença, ele usou o 3-4-2-1 ou mesmo o 4-4-1-1. Na fase de não posse de bola, foi sempre a pressão superofensiva que a Fiorentina conseguiu fazer, construindo a manobra por baixo, movendo-se em sincronia, encurtando o adversário mais próximo”, explicou a jornalista, que prosseguiu:

“Ele conhece detalhadamente todos os jogadores que treina: é possível que tenha pedido garantias técnicas, com novos jogadores, mas certamente estudou de perto todos aqueles que tem. Encontra Pedro, que em termos de características – ainda que pouco o tenha visto aqui – assemelha-se ao jogo que Kalinic fez na sua primeira época em Florença, muito forte na pequena área, mas capaz de também ir buscar a bola: o sentimento pode ser desencadeado no curto período. Ele é um treinador que também trabalha muito na cabeça: consegue acertar os cordões com os jogadores e com ele quem trabalha, pode mirar alto.”


As melhores ofertas para produtos do Flamengo: aproveite desconto e brindes!


A trajetória de Paulo Sousa em experiências anteriores

Freqüentemente, ele rescindiu o contrato por motivos pessoais / familiares. Foi o que aconteceu com os húngaros de Videoton: ele renunciou após vencer duas Supertaças e uma Copa da Liga. Ele também rescindiu seu contrato com o Maccabi Tel Aviv após vencer o campeonato novamente. Em junho de 2015 ele também encerrou sua experiência com o Basel cedo, para vir para Florença (ele chega à Série A, quinta liga diferente em 6 temporadas). Ele também rescindiu o contrato com o Bordeaux. Em Florença, Federico Chiesa estreou-se – na altura tinha 18 anos e 9 meses – na Serie A frente à Juventus: foi graças a Sousa que Chiesa se deu a conhecer, chegando à selecção nacional.

Paulo Sousa deve assinar com o Flamengo por dois anos e chega ao clube com comissão técnica composta por seis integrantes. A expectativa é que eles já comandem o treino da reapresentação, no dia 10 de janeiro. Vale destacar, no entanto, que os jovens que vão disputar o Cariocão voltam ao Ninho do Urubu antes do restante do elenco.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • “a Fiorentina venceu seis jogos nos primeiros sete dias: isso nunca tinha acontecido na história do clube” Putz! É isso mesmo?

  • É um técnico com referências controversas. Em alguns lugares foi muito bem, em outros nem tanto. Curioso notar que após a Fiorentina se esperava que ele fosse estourar na Europa, e ele acaba indo se esconder na China, onde deve ter ganho muito dinheiro. Taticamente parece bem preparado, o que é um benefício enorme no futebol brasileiro que é pobre em tática. O fato de ter trabalhado em tantas ligas diferentes me agrada, deve favorecer sua adaptação ao Brasil. Mas o frequente desgaste com dirigentes também me preocupa. De qualquer forma, com alguns dirigentes que o Flamengo tem, desgaste já me é esperado por qualquer técnico. Espero que o Paulo feche o futebol igual o Jesus fez, só assim terá tranquilidade pra trabalhar nesse Flamengo de política tão aflorada.