Preparador mental valoriza postura de Filipe Luís e aponta ensinamentos do lateral

Preparador mental, Lincoln Nunes explica as vantagens da relação dos jovens e veteranos para a performance global


Filipe Luís, tem sido destaque positivo na era Dorival no Flamengo. O lateral que, recentemente, passou por uma instabilidade no quesito performance, perdeu espaço quando Paulo Sousa regia os comandos da Gávea. No entanto, agora o atleta vive ótima fase com figurinha carimbada na titularidade nas duas finais à frente do time rubro-negro: Copa do Brasil e Libertadores.

Ainda sobre o jogador, na zona mista, após o jogo contra o São Paulo, o ex-defensor da Seleção fez um comentário sobre Ayrton Lucas, que chamou a atenção pela sinceridade e visão de performance esportiva:

— É um grande momento fisicamente, mentalmente, dentro de campo. Porém, não só o fato de ser poupado, tem um cara (Ayrton Lucas) que está concorrendo pela vaga que está me dando trabalho e vindo forte. Isso não é ser poupado, tem outro jogador merecendo jogar. A concorrência faz com que os dois cresçam —  disse, antes de completar:

—  A gente vê ele fazendo grandes atuações e isso exige o meu melhor. E, na minha idade, aos 37 anos e jogando a cada três dias, a fatura chega. Com essa metodologia e a concorrência interna, faz com que jogadores cresçam fisicamente e tecnicamente.


As melhores ofertas para produtos do Flamengo: aproveite desconto e brindes!


O comentário do jogador fez o especialista em mentalidade e performance esportiva, Lincoln Nunes, salientar como a concorrência e a experiência fazem bem à performance coletiva no geral.

— As equipes, seja no futebol ou em qualquer outro esporte coletivo, são compostas por pessoas de uma ampla faixa de idade. Então, saber gerir essa interação entre a experiência e a juventude é uma chave para harmonia de grupo. Esse papel está nas mãos do técnico, mas não só dele, os experientes devem aceitar a troca natural e ensinar aos ‘juvenis’ não só em técnica, mas em comportamento.

O treinador mental é conhecido mundialmente por atuar nas principais ligas do futebol, já atendeu e atende diversos atletas da Seleção Brasileira e, atualmente, é o responsável pelo staff mental de Emerson Royal, lateral do Tottenham.

O vôlei também dá exemplo

Lincoln também cita o caso de Darlan, que substituiu o irmão na Seleção e foi muito bem acolhido pelos veteranos.

— A performance do Darlan só foi possível graças à habilidade e a acolhida. Numa situação onde você substitui alguém diretamente relacionado a você, há um condicional de pressão absurdo em cima. Portanto, é necessária uma preparação aos mais jovens de visualização ante aos momentos-chave, como uma convocação às pressas.

— Enfim, esse é o momento da juventude se conectar com a experiência, a troca entre as faixas-etárias é benéfica tanto para a constituição de um atleta jovem quanto a disputa interna sadia para os experientes, como Filipe Luís mencionou — , finaliza o treinador.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *