Convicção, revelações e sinceridade: diretor-geral do Fla, Bruno Spindel abre o jogo sobre venda de Paquetá: “Não podemos oferecer os mesmos sonhos”

Por: Venê Casagrande
Colaboração: Higor Neves

A ida do meia Lucas Paquetá, de 21 anos, para o Milan, está definida, e o jogador se apresenta ao novo clube em janeiro de 2019. Entretanto, o negócio, que caiu como uma bomba para os torcedores do Flamengo, gerou questionamentos em relação ao momento em que foi feito, já que a janela de transferência europeia está fechada, além de reclamações sobre valores. A diretoria rubro-negra marcou entrevista coletiva para esta quarta-feira (17), às 10h (horário de Brasília), para tirar dúvidas da negociação. Mas antes disso, a reportagem do Coluna do Flamengo entrevistou, com exclusividade, Bruno Spindel, CEO do Rubro-Negro e um dos principais responsáveis pela transação milionária. Ele, inclusive, estará presente no pronunciamento que será realizado na Gávea.

Durante o bate-papo, na sala do Diretor-Geral, na sede do clube, Spindel “passou a limpo” questões relacionadas ao negócio, elogiando a postura dos dirigentes do Milan – Leonardo, Virna e Maldini – e também de Eduardo Uram, empresário de Paquetá, que não receberá comissão na venda. Além disso, ele explicou a tentativa de renovação por parte do Flamengo, indicando ainda que este foi visto pelos “cartolas” como um bom momento para selar a transferência do jogador. Por fim, o dirigente esclareceu também o rumor relacionado a um possível “chapéu” do Real Madrid para levar a joia rubro-negra.

Spindel recebeu a reportagem do Coluna do Flamengo em sua sala, na Gávea. Foto: Venê Casagrande/Coluna do Flamengo)

Muito se questiona valor e período da negociação. Por que finalizar a venda neste momento da temporada e não esperar o fim do ano?

– Teve esse questionamento também com o contrato de placas publicitárias. Eu estou falando como executivo. Decisões de uma determinada alçada depende da aprovação do Conselho Deliberativo. Eu trabalho aqui com a mesma cabeça desde o meu primeiro dia no clube. Eu trabalho para criar valor de longo prazo para o Flamengo. Se eu acho que o negócio é bom para o Flamengo hoje, não tem por que não tomar aquela decisão. No contrato das placas, por exemplo, vão ser pelo menos 12 milhões de reais por ano, das quais a maior parte vai ficar para as próximas gestões. A grande decisão foi: encaminha porque estrategicamente é bom para o Flamengo, cria valores para o Flamengo, cria receitas, e a receita é o que a gente quer para ser esportivamente mais forte. Vai criar relação comercial. Então o contrato é bom e vamos fazer. Não tem porque esperar para depois. Se é vantajoso para o clube, eu tenho que fazer. As decisões são as melhores possíveis que posso tomar a longo prazo para o Flamengo? Então vamos em frente. A questão específica do Paquetá é uma questão que é muito mais longa. Claro que o Flamengo queria contar com ele por mais tempo, aumentar o contrato, etc. É um sonho de diversos atletas jogar na Europa, jogar na Liga dos Campeões. O Milan é um clube gigantesco, é rubro-negro, que é interessante. Essa questão do atleta brasileiro em jogar na Europa, essa palavra é forte, mas é um mal para o futebol brasileiro. A gente não consegue oferecer os mesmos sonhos. Ele não vai jogar com Messi, Neymar e Cristiano Ronaldo. Então é um desafio para o futebol Brasileiro. A gente precisa evoluir. A gente tentou algumas vezes, obviamente, renovar com o atleta, estender o contrato. Mas esse era o desejo dele (jogar na Europa). Tiveram conversas com diversos clubes, pela boa relação com o atleta e o agente dele, o pior que poderia acontecer ele sair no meio do ano, mas ficou combinado que isso não aconteceria. A gente tem a preocupação de privilegiar o lado esportivo. A gente conseguiu que ele não saísse no meio do ano, que a saída fosse só em janeiro.

Você, portanto, tem total convicção de que a venda do Paquetá foi no melhor momento?

– Poderia esperar um pouco mais? Poderia, mas é da vida. Já era um negócio que vinha se desenhando desde o início do ano. Não é que a gente fez agora e poderia ter feito em janeiro. Na verdade, a gente conseguiu segurar até agora. Eu veria de outra forma. Acho que estamos sendo responsáveis com o patrimônio do clube. Um atleta desse nível você deixar chegar muito perto do vencimento do contrato, você coloca o clube em uma situação de risco para não ter tempo de repor à altura. Óbvio que dói. É um atleta que está aqui desde os 11 anos, ídolo da torcida… espero que ele ajude a equipe a conquistar o título brasileiro antes de ir. Dói tanto ou mais em mim do que em qualquer torcedor. Dói mais na gente. Agora a gente precisa pensar: o que precisamos fazer de diferente para ser igual ao Barcelona, que os principais valores do clube, no ponto de vista campo, conseguem ter o auge da carreira no clube? Não é problema no Flamengo, é do futebol brasileiro. Arthur saiu do Grêmio para o Barcelona, por exemplo. O Grêmio tinha 60% do jogador, e ele saiu por cerca de 30 milhões de euros, não saiu pela multa. Isso acontece no Brasil. Nossos principais jogadores acabam indo para a Europa. A gente tem muita frieza. A gente julga que foi o melhor para o Flamengo essa negociação acontecer agora.

Teve um combinado entre vocês (Flamengo) e agente do atleta para que ele não saísse no meio da temporada?

– Foi um compromisso entre as partes. A gente confia que, mesmo que tivesse chegado proposta de valor da multa, ele não teria saído na janela do meio do ano, que é arriscadíssima, já que fecha inscrições em campeonatos importantes daqui do Brasil. Esse risco a gente conseguiu segurar. Aí é uma transação que a gente entende que é muito boa para o Flamengo. Porque, quando você faz a transação planejada e num valor que, se tudo der certo, pode ser mais vantajoso do que foi com Vinicius Junior e que não fica tão distante da multa, você tem tempo para planejar e utilizar esse recurso com calma. Você pode planejar o que você vai fazer com esse recurso e como vai repor a saída do atleta com calma, sem precisar sair no mercado em poucos dias. Caso contrário, vai ter pouco tempo para questionar a decisão, menos gente envolvida e quem tiver do outro lado da mesa sabe que você precisa e isso vai acabar sendo um mau negócio para o Flamengo. No ponto de vista de recurso, que ficou entre 85% e 90% para a próxima gestão, ficou muito bom para o clube. Você corre o risco também que, conforme o tempo vai passando, por exemplo, se chegasse a um ano do contrato dele vencer aqui, o atleta pode esperar bater seis meses e sair de graça.

Por que a venda do Paquetá pode render mais ao Flamengo do que a venda do Vinicius Junior?

– Isso pode acontecer porque, na venda do Paquetá, o valor líquido que vai sobrar para o Flamengo pode ser superior ao que sobrou na venda do Vinicius.

Venda de Vinicius Júnior foi por £45 milhões, £10mi a mais que a de Paquetá. Porém, a do meia pode render mais aos cofres do Fla. (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Vocês, então, tentaram a renovação, mas Paquetá pediu para ser negociado?

– Isso não é uma crítica ao jogador. De novo. Eles têm sonhos que a gente não consegue entregar. Eu não vou conseguir fazer no Brasil. Talvez, uma vez por ano, se a gente for campeão da Libertadores, e o Barcelona for campeão da Liga dos Campeões, ele joga contra o Messi. Não teve pedido, mas você sente. É o sonho do jogador. De forma geral, você vê isso. A torcida do Flamengo é a maior torcida do mundo, tem Maracanã… mas se pudesse jogar lá em uma partida na Liga dos Campeões, seria imbatível. Mas hoje, a realidade não é essa.


Compre capinhas oficiais do Mengão para seu celular. São diversos modelos, para você escolher o que mais combina contigo. CLIQUE AQUI para conferir!


Quais outros clubes demonstraram interesse e entraram na briga por Paquetá?

– Vários clubes. Diversos. Não vale citar nomes, mas pelo menos 10 clubes entraram na briga. Não todos nesse nível. A proposta do Milan foi a melhor e vai ser muito bom para o atleta. Tem o Kaká, que fez história lá. Acho que o Milan está em um momento importante. Você tem o Leonardo que está à frente do clube. Tem o Maldini (ex-zagueiro do Milan e da seleção italiana) que é uma grande referência lá. Leonardo e Maldini são duas referências e sabem o que estão fazendo lá. Acho que no ponto de vista desportivo, de carreira, de estrutura e de estar em uma cidade que já acolheu bem os brasileiros, que vão poder dar o caminho das pedras para ele, vai ser bom para ele e para o Flamengo. Por ter um jogador que vai performar bem na Europa e, claro, por questões financeiras também.

* A reportagem apurou que PSG e Barcelona fizeram fortes investidas para contratar Paquetá, porém, como o próprio Bruno Spindel disse acima, a do Milan foi a maior.

Quais foram os valores da negociação?

– Por contrato, a gente não pode revelar os valores. Óbvio que os conselhos que têm acesso ao contrato, o Conselho Fiscal vai ter acesso, e o que posso falar é que a maior parte do recurso, entre 85% e 90%, fica para as próximas gestões. Eu acho que é importante isso. Acho que mais do que ética e honestidade é a questão de a gente buscar um Flamengo vencedor sempre. Não é gastar tudo agora para depois entrar no buraco. Como olhamos para o Flamengo em questões de anos. O lado financeiro é muito importante. Você precisa ter dinheiro sempre.

* O Flamengo não confirma, mas a reportagem apurou que o Milan vai desembolsar 35 milhões de euros e mais 10 por bonificações. Como o clube tinha 70% do direito do atleta, o Rubro-Negro carioca vai receber cerca de 24 milhões de euros. O montante vai ser pago em quatro parcelas. A primeira vai ser depositada até o dia 22 de outubro (€5M), a segunda em janeiro de 2019 (€15M), a terceira em julho de 2019 (€10M) e a quarta em janeiro de 2020 (€5M).

Quando questionado sobre os valores da transação, Bruno afirmou que não poderia revelar. (Foto: Venê Casagrande/Coluna do Flamengo)

Quais são as metas para o Flamengo receber a quantia referente à bonificação?

– Não posso falar. Mas o que posso falar é que fomos o mais fundo nessa negociação. A gente entende que o Milan e o atleta têm potencial e capacidade para atingir os objetivos que beneficiam o Flamengo. A gente confia no Paquetá e na gestão do Milan para que seja bom para todo mundo. Esse é o principal. O negócio tem que ser bom para os dois lados, para que crie uma imagem boa no exterior. Torcemos para Vinicius Junior explodir no exterior. Dói demais. A gente queria que os dois estivessem aqui por muito mais tempo, mas por tudo é muito importante que eles arrebentem lá foram, para que o Flamengo seja uma referência mundial e seja conhecido mundialmente por formar atletas. Eu espero que, no futuro, a gente consiga manter esses talentos aqui. Mas isso é um futebol brasileiro como um todo. Não só o Flamengo precisa evoluir nisso.

Em que momento a negociação começou e como foram os bastidores?

– Tem muito tempo. Antes de eu ser CEO, a questão de renovação do Paquetá ou ele ir para outro clube começou no início do ano. O Milan era um dos interessados. Obviamente que quando você fala para os clubes que o atleta só pode jogar e se apresentar no ano seguinte, o clube só abre negociação mais forte com o fechamento da janela. Enquanto isso, ele fica tentando insistir que o atleta vá durante a janela. Tem toda uma parte final de negociação, e o Milan, como você sabe, esquentou no sábado de manhã (6 de outubro), em Orlando, e eu fui para lá às pressas. De Orlando para Milão, correndo para conduzir o final da negociação. Fui super bem recebido pelo Leonardo, pelo Maldini, pela Virna, que é uma funcionária do Milan e que trabalha com Leonardo. Todo mundo recebeu a gente muito bem. Uma ótima postura da parte do agente do jogador (Eduardo Uram). Não teve comissão para ele. Esse negócio não teve cobrança de comissão. Isso foi uma atitude positiva da parte do agente. Assim, foi o melhor negócio possível. O Zico fala muito isso: “pode errar, pode até perder, mas nunca pode não ter dado o seu máximo”. Nesse negócio, a gente fez o melhor para o Flamengo. É certo que pode ter gente mais competente do que eu. Tenho certeza que fiz o meu melhor. Fiz o meu melhor nesse negócio. Tenho certeza disso.

Durante a passagem por Orlando, Spindel se encontrou com Mayor Bussy, prefeito da cidade, e o presenteou com uma camisa do Flamengo. (Foto: Reprodução/Facebook Ciudad de Orlando)

Então não teve comissão para o agente de Lucas Paquetá?

– Não. Nada disso. Foi muito bom da parte dele isso.

E por que receber parcelado e não à vista?

– Óbvio que receber à vista é melhor do que receber a prazo. Mas o recurso entrar em 2019 é importante para a performance em 2019. É uma realidade do futebol mundial, pela questão do fair play financeiro na Europa. É mais complicado que clubes façam pagamento à vista. Alguns conseguem, mas é um pouco mais complicado.

Acha que o rendimento de Paquetá caiu depois da Copa por conta dessas negociações com clubes do exterior?

– Não sei. Acho que essa pergunta cabe a ele. Acho que incerteza grande na vida mexe com a cabeça de qualquer pessoa. Ele não é de ferro. Ninguém é de ferro. Mas qualquer pessoa normal teria influência. Repito: essa pergunta deve ser feita a ele. Mas acho que não só ele caiu, mas o time como um todo. Dá pra ver que estão focados em conquistar o Brasileiro. No que precisarem de assistência, eu vou ajudar. A entrega do departamento de futebol é muito grande e todo mundo deseja campeão.

Circula na imprensa espanhola que o Real Madrid poderia atravessar a negociação e contratar Lucas Paquetá. Pode acontecer?

– Não chegou nada para o Flamengo.

Mas existe essa possibilidade?

– O Flamengo assinou o contrato. O Flamengo vai cumprir o contrato.

Veja também

  • Fizeram o melhor.
    A base ainda proverá muito mais (Pepe, Vitor Gabriel, Lucas Silva, Rainier, Luiz Henrique, etc)

  • Então galera do Coluna, na legenda da foto do Paqueta com VJR os valores estão em Libras e não em Euros. Favor acertar.

  • Interessante foi ver que a maior quantia da negociação entrará na próxima gestão, ou seja, comprova que a atual diretoria pensa no futuro do Mengão. SRN.

  • Sua “dor” nunca será maior que a do torcedor…quem sofre sempre é o torcedor. No mais eu acho que tem mais coisa ai e resta esperar. Não achei ruim, claro que queria o Paquetá mais tempo no Fla, mas ele já tem 21 anos…e quem garante que ele vai manter o crescimento? Que viram propostas pomposas? Criticar e ficar criando climinha é muito fácil. Já foi e espero que usem a grana de modo correto, com o técnico definido e dentro de um planejamento.

    • *Virão.

    • Ruim è saber que foi vendido abaixo da multa e a diretoria do Flamengo tinha 90%, sendo que em 2013 foi fatiado os 20% + 10% sem ninguém dar a explicação dos beneficiados destes 30%!

Comentários não são permitidos.