Flamengo precisa superar estatística negativa se quiser ser campeão brasileiro; entenda

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/FLAMENGO

No último domingo (14), o Flamengo venceu o Corinthians por 2 a 1 e se manteve firme na briga pelo título. Com 68 pontos, uma vitória basta para assumir a liderança, visto que o próximo confronto é diante do líder Internacional, que tem 69. Apesar da euforia, o Mais Querido precisa estar muito ligado, já que o jogo tem tudo para ser definido nos detalhes. Dessa forma, o Mengo precisará superar uma estatística negativa, se quiser ser campeão brasileiro.

Por certo, a estatística está ligada ao número de chances reais criadas, e os dados são de portal ‘SofaScore‘. Dessa forma, vale ressaltar que o Mais Querido é o time mais criativo desta edição do Brasileirão, com 125, quase 40 a mais que o segundo colocado. No entanto, o Mengo é a equipe que tem a menor taxa de conversão, com apenas 32%. Se mantiver a ineficiência, pode colocar em risco o sonho do octacampeonato.

CONFIRA ESTATÍSTICAS DO FLAMENGO:

65 gols marcados (melhor ataque do campeonato)
125 chances claras criadas no Brasileirão (melhor marca do campeonato)
32% de aproveitamento (pior marca do campeonato)
Arrascaeta – jogador mais critativo (16 chances)

Apesar disso, o Mais Querido terá um ‘caminho’ no confronto direto para espantar a estatística negativa. Isso porque, o Internacional, não terá seus dois zagueiros titulares, visto que Cuesta está suspenso e Moledo, machucado. Dessa forma, o rival entra em campo com uma dupla de zaga reserva e, também, desentrosada. Em suma, o ataque rubro-negro pode se aproveitar dos problemas do adversários para arrancar pelo título nacional.


Aproveite a boa fase do Flamengo para lucrar!


A fim de assumir a liderança, elenco e comissão técnica mantêm o foco total no confronto direto contra o Internacional. O Flamengo enfrenta o Colorado neste domingo (21), às 16h (horário de Brasília), no Maracanã. A partida contará com exibição da TV Globo, mas o Coluna do Fla traz a transmissão mais rubro-negra da internet, no YouTube.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *