Na briga pelo octa, Flamengo não lidera uma rodada do Brasileirão há 427 dias

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/FLAMENGO

Um ano, um mês e 27 dias, este é o período de espera do Flamengo, que não lidera o Campeonato Brasileiro desde 8 de dezembro de 2019. Neste domingo (07), o Rubro-Negro carioca pode voltar a ponta da tabela, por mais de 24 horas, já que o atual líder, Internacional, só entra em campo na quarta-feira (10).

Como citado, a última vez do Mais Querido na primeira colocação ocorreu em dezembro do ano mágico de 2019. Na ocasião, a equipe comandada por Jorge Jesus acabou derrotada pelo Santos por 4 a 0, no entanto já tinha garantido o título nacional, e se preparava para embarcar rumo ao Mundial de Clubes, no Catar.

Com 64 pontos ganhos, o clube da Gávea ocupa a vice-liderança, e vai enfrentar o Red Bull Bragantino no Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, às 20h30 (horário de Brasília), pela 35ª rodada. Dono da ponta da tabela até aqui, o Internacional tem 66 pontos e seu próximo compromisso é somente na quarta-feira (10), diante do Sport, no Beira-Rio.

Conforme a situação de ambas as equipes na tabela de classificação, caso o Flamengo vença neste domingo, ele ultrapassará os gaúchos e assumirá a liderança provisoriamente. Contudo, para se manter no posto, o Inter terá que tropeçar em casa contra o time pernambucano.

Vale destacar que na atual edição do Campeonato Brasileiro, o Fla só esteve uma vez na primeira colocação. No dia 21 de novembro de 2020, na 22ª rodada, o Rubro-Negro venceu o Coritiba por 3 a 1 e assumiu a ponta. Porém durou pouco, bem pouco. Menos de 24 horas depois, o Atlético-MG empatou com o Ceará em 2 a 2 e fechou a rodada como líder do certame.


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


Mais vivo do que nunca na briga pelo título e querendo assumir a liderança já nesta rodada, o Flamengo terá parada dura pela frente nesta rodada. Rogério Ceni, técnico do Mais Querido, tratou o jogo contra o Bragantino como decisão.

O Bragantino é dificílimo. A partida se torna uma grande final. Cada jogo é uma final, mas essa (contra o Bragantino) se torna mais, porque a rodada é um pouco mais favorável ao Inter quanto ao Atlético-MG.

Eles têm o Claudinho, jogador com quem sempre converso muito, para onde eu fui na carreira tentei contratar. O Arthur é muito bom também. Há bons jogadores que jogaram comigo, como Edimar, Ligger, além de atletas que rodaram bastante e hoje estão num clube com estrutura e boa base de trabalho.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *