Por trás das estrelas: conheça os responsáveis por organizar o vestiário e dar suporte ao elenco do Flamengo no dia-a-dia

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Por Aguinaldo Junior e João Pedro Granette

Os holofotes do futebol costumam estar todos voltados para os jogadores, comissão técnica e, às vezes, até dirigentes. Neste processo, muitos profissionais passam despercebidos pela grande mídia e também por torcedores, como é o caso dos roupeiros. No Flamengo, quatro pessoas cumprem esta função, com experiências das mais diversas, desde quem pegou o clube no tricampeonato carioca, 1999/2000/2001, a quem assumiu essa responsabilidade a pouco tempo.

O Coluna do Fla conversou rapidamente com os responsáveis pelo vestiário do Flamengo. Cléber Reis, também conhecido como Clebinho, é o mais antigo da equipe. Ele foi contratado pelo Rubro-Negro em 2000. Na época, o clube já havia vencido o primeiro título do tricampeonato carioca. Enquanto os holofotes estavam dentro de campo, com o Mais Querido lutando pelo segundo troféu seguido do Estadual, Cléber iniciava sua história silenciosa nos bastidores.


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


Cheguei em 2000 no clube. Na primeira vez que deixei o currículo, não passei. Depois de um tempo, a Vera Lúcia, chefe do departamento pessoal, entrou em contato comigo e me chamou. Entrei no clube como office boy. Após quatro anos, quando mestre Lua aposentou, fui trabalhar no almoxarifado dando apoio à rouparia. Em 2006, professor Paulo Angioni me puxou de vez pra rouparia, fui evoluindo e ganhando espaço. Hoje sou chefe do setor. No almoxarifado, eu atendia o profissional e quatro categorias da base, e cinco do futebol de salão. Trabalhava sozinho. A sala não era climatizada, nada era informatizado. Não tinha recurso que temos hoje. Trabalhava muito pra atender todo mundo -, disse Clebinho.

Se o Clebinho é o mais antigo no profissional, Moisés Azevedo, conhecido internamente como ‘Profi‘, deu seus primeiros passos ainda nas categorias amadoras, como a fraldinha. Ele, inclusive, chegou ao Rubro-Negro quando Júnior ‘Capacete’ liderava o time rumo ao pentacampeonato brasileiro, em 1992. Moisés chegara à roupagem da equipe principal apenas 19 anos depois, em 2011.

Cheguei no clube em 1992. Comecei nas categoria fraldinha, pré-mirim e mirim do futebol de salão. No futebol de campo, iniciei no mirim também, em 1997. Batalhei muito, trabalhei nas categorias subsequentes e cheguei no profissional em 2011, após ser campeão da Copinha. Quem me puxou pro campo foi o Sérgio Helt, coordenador da base, pra cobrir uma brecha que tinha aparecido. E não saí mais, graças a Deus -, comentou Moisés.

Marcos Vinícius, por outro lado, vai na contramão dos companheiros. Antes trabalhando na cozinha, ele deu os primeiros no vestiário rubro-negro neste mês: “Cheguei no clube em 2017, na função de auxiliar de garçom. Quem me trouxe para rouparia foi o Clebinho e o Gabriel Skinner. Iniciei agora, em fevereiro. Espero poder crescer aqui dentro, como meus colegas. Estou bem feliz com a oportunidade“, contou Marcos, que pode, assim como os parceiros de profissão, levantar um troféu importante, o de campeão do Campeonato Brasileiro, logo após assumir a função de roupeiro.

Enquanto Marcos Vinícius almeja conquistar o primeiro troféu como roupeiro, Sidney Bernardes, o Sidão, é experiente no assunto. Embora tenha assumido a função no vestiário em 2019, ele chegou ao Flamengo no ano da reconstrução financeira rubro-negra, em 2013, que foi premiada com o troféu da Copa do Brasil. Sidney também presenciou os bastidores das taças do Campeonato Brasileiro e Libertadores da América da última temporada, Supercopa e Recopa Sul-Americana de 2020. Vale lembrar, ainda, que o profissional pôde acompanhar quatro conquistas de Campeonato Carioca (2014, 2017, 2019 e 2020).

Estou desde 2013 no Flamengo. Cheguei como auxiliar de serviços gerais. Aos poucos, fui ganhando espaço, foram gostando do meu trabalho e no mesmo ano me puxaram pra ser auxiliar de campo, correspondente à função de massagista, na base. Trilhei todas as categorias, desde o sub-11. Estou no profissional desde julho de 2019. Na rouparia mesmo, propriamente dita, trabalho desde 2014, no sub-17. Em 2016, fiz um trabalho de meses no profissional pra cobrir um colega. Clebinho gostou do meu trabalho e, quando abriu uma vaga, me chamou -, afirmou Sidão.

Sendo os primeiros a chegarem e, muitas das vezes, os últimos a saírem, os roupeiros do Flamengo agora esperam arrumar o vestiário às vésperas de mais um troféu importante para a história do clube: o octacampeonato nacional. Eles serão os responsáveis por ajeitarem as roupas de Gabigol, Arrascaeta, Bruno Henrique, Everton Ribeiro e companhia, antes do embate com o Internacional, às 16h (horário de Brasília) de domingo (21), pela 37ª rodada do Brasileirão.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *