Colunista vê titularidade de Pedro como desafio para Ceni no Flamengo

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/ FLAMENGO

Com dois atacantes em alta no cenário nacional, Rogério Ceni precisa encontrar meios de ceder aos pedidos por Gabigol e Pedro juntos no Flamengo, principalmente para suprir algumas ausências de Bruno Henrique. Analisando os últimos testes rubro-negros com a dupla em campo, o colunista da UOL, Rodrigo Coutinho, entende que abrir espaço para o camisa 21 é um dos maiores desafios do treinador à frente do Mais Querido.

Nos últimos dois jogos que disputou, o desempenho ofensivo do Flamengo sofreu uma queda em comparação aos jogos anteriores, e a impossibilidade de contar com Gabigol e Bruno Henrique lado a lado está diretamente ligada a isso. Não é só pela qualidade, entrosamento e hierarquia que ambos proporcionam ao time, mas ao funcionamento coletivo a partir daquilo que Ceni pensou em termos de ocupação de espaços.

É necessário que haja uma alternativa quando a dupla não puder perfilar junta pelo Rubro-Negro. Nas últimas dez partidas com força máxima, em três Ceni não pôde tê-los desde o início. Gabigol não é fixo na área e não se sente confortável de costas, preso entre os zagueiros. Circula para o lado, principalmente direito. Com Pedro titular, essa dinâmica se altera. A área já está ocupada.

O camisa 21 tem características diferentes. Por mais que saiba sair da área e tabelar com os companheiros, não possui a mesma mobilidade dos titulares. Criar mecanismos coletivos dentro desta realidade e inserir Pedro é algo que Ceni precisa fazer para que o time sofra menos nas ausências da dupla histórica de ataque do Flamengo.


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


Nesta temporada, Bruno Henrique participou de 14 jogos, marcou dois gols e contribuiu com quatro assistências – duas a mais do que Gabigol. O camisa 9 da Gávea esteve presente em 15 partidas e celebrou a mesma quantidade de tentos. Pedro, por sua vez, balançou as redes em nove oportunidade dos 14 duelos disputados. Além disso, atuou como garçom em duas chances.

Gabigol e Pedro atuaram juntos em quatro oportunidades nesta temporada. A primeira delas, na vitória por 2 a 1 sobre o Volta Redonda, ainda pela Taça Guanabara. Depois disso, no triunfo por 4 a 1 diante do mesmo adversário; no empate em 2 a 2 com a LDU, pela Libertadores; e no 0 a 0 classificatório do Vélez, também pelo torneio continental.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *