Sheik afirma que elenco do Flamengo não queria Ceni: “As queixas eram de ser o dono da verdade”

FOTO: ANDRÉ DURÃO/GE

O Flamengo demitiu Rogério Ceni na madrugada do último sábado (10) e, não demorou para que o clube anunciasse Renato Gaúcho como novo técnico da equipe rubro-negra. O novo comandante foi apresentado na segunda-feira (12), em coletiva realizada no Ninho do Urubu. Ex-atacante do Fla, Emerson Sheik comentou a situação.

Em participação no programa ‘Arena SBT’, da emissora de Silvio Santos, o ex-jogador afirmou que o elenco do Flamengo não queria mais Rogério Ceni no comando. As queixas, de acordo com Sheik, eram de que o técnico não sabia ouvir e se sentia o dono da verdade. Além disso, o ex-futebolista apostou que Renato Gaúcho fará história à frente do Mais Querido já que ele e os jogadores estão motivados com a novidade.

Vou falar uma coisa: o Renato vai ser campeão pelo Flamengo e vai fazer história. Ele está motivado, e as informações são que o elenco está muito feliz com a chegada dele. Não queria (o Rogério). É informação. Eu ouvi isso de atletas de dentro do clube. Obviamente não falaria quem contou -, disse, antes de completar:

Tenho máximo respeito e carinho pelo Rogério, sempre foi um querido, me ajudou muito no início da minha carreira. Mas atletas de dentro do clube não estavam satisfeito com o Rogério. As queixas eram de arrogância, de não ouvir, de ser o dono da verdade -, finalizou.


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


Renato Gaúcho fará sua estreia pelo Flamengo nesta quarta-feira (14), quando a equipe enfrenta o Defensa y Justicia pelas oitavas de final da Copa Libertadores da América. O duelo acontecerá no Estádio Norberto “Tito” Tomaghello, em Buenos Aires, na Argentina, a partir das 21h30 (horário de Brasília).

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Renato tem esse mesmo perfil, vamos ver no que dá.

  • O que não deixa de ser verdade. CENI não tinha jogo de cintura para encarar um clube grande com jogadores importantes. Impor sua teimosia, sem apresentar resultados, foi seu pecado mortal.