Jornalista destrincha Flamengo de Renato Gaúcho e vê piora coletiva no time

FOTO: REPRODUÇÃO / GE

Na noite do último sábado (23), o Flamengo foi derrotado pelo Fluminense por 3 a 1, no Maracanã, e ficou ainda mais distante do sonho da conquista do tricampeonato brasileiro. Além do revés, a equipe apresentou um desempenho bem abaixo e tem piorado a cada confronto. Especialista em tática e estudo do futebol, o jornalista Leonardo Miranda, do “ge”, analisou os aspectos que fazem o time de Renato Gaúcho não conseguir jogar bem, e apontou a piora do coletivo como uma das principais causas.

“O desempenho muito abaixo no clássico tem origem no coletivo. Foi um jogo muito abaixo, que já vinha acontecendo – contra o Cuiabá e Athletico, por exemplo, mas até nas vitórias, até nas goleadas, o Flamengo tinha momentos em que sofria para fazer o que melhor fez com Jorge Jesus e Rogério Ceni: quebrar uma retranca a partir da imposição com a bola”, escreveu o jornalista, antes de completar:


Camisas do Flamengo, acessórios e muito mais: compre e ganhe brindes na melhor loja online do Mengão!


“Foi no momento que Andreas ganhou a titularidade e os resultados continuavam a vir que a equipe piorou coletivamente. Por coletivo, entenda que a qualidade de Arrascaeta e a antecipação de Bruno Henrique fazem falta. Mas o problema não são eles, mas sim o entorno. O time deixou de mostrar aquele jogo rápido, automático em que cada jogador tinha sempre muitas opções para tocar a bola na frente. Algo tão assimilado que era um ‘jogo de memória’, impossível de marcar”, afirmou.

Além disso, o Rubro-Negro tem tido dificuldades em furar as “retrancas” dos adversários e não consegue criar situações de gol quando o rival se fecha no campo de defesa. Segundo Leonardo Miranda, um dos problemas é a falta de “ocupação de espaços”, que é quando um jogador se projeta em um setor vazio para dar opção de passe a um companheiro e ao mesmo tempo obriga a outra equipe a se desorganizar.

“A ocupação de espaço nada tem a ver com a presença do Arrascaeta, do Gabigol e do Bruno Henrique. Ela é coletiva. Um comportamento treinável que o Flamengo não vem mostrando, mesmo tendo elenco e reposição para mostrar. É um desafio para o trabalho de Renato, que vê uma queda brusca de desempenho nos momentos mais chaves da temporada. Aqueles ‘jogos do ano’ se aproximam, e o Flamengo, com exceção do clássico, entrega resultado – mas não mais com desempenho como a torcida continuadamente cobra”, finalizou.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Simples: desgaste físico por excesso de jogos, falta de entrosamento com substitutos para os titulares (a maiora dos que jogaram os últimos jogos são reservas) e sequências insanas que não possibilitam tempo para treinar (e o Flamengo precisa preservar os atletas). Acaso, o jornalista considerou também estas possibilidades? Infelizmente, o Flamengo é refém do momento ruim.

  • De novo escolheu Renê que entregou 2 vezes e o lento GH resolveu vacilar no terceiro. Um time que não chuta a gol, não sabe agredir e se atrapalha com a marcação recuada. Vai ser assim sempre, já pegaram o fraco do time. Vem agonia na reta final. Um grande investimento sendo desperdiçado por falta de técnico.
    #NAO RENOVEM COM O RENATO
    #MERECEMOS UM TECNICO DE OUTRO PATAMAR

  • Mas estavam tão animados com as goleadas do animador de vestiário. O que houve?