Flamengo chega a 21 desfalques de jogadores com problemas físicos em apenas três meses

Por: Nathalia Coelho e Letícia Marques

Classificado à final da Libertadores da América, à semifinal da Copa do Brasil e sonhando com o tri do Campeonato Brasileiro, o Flamengo vive excelente momento dentro das quatro linhas no quesito resultado. No entanto, a quantidade e frequência de atletas lesionados têm chamado a atenção de torcedores.

Em três meses – de 13 de julho a 05 de outubro – o Flamengo relatou 21 lesões em 12 jogadores diferentes. Entre os mais afetados estão Rodrigo Caio e Diego Ribas, cada um com três contusões distintas no período analisado. O zagueiro, vale ressaltar, somente em julho, desfalcou o Mais Querido em duas oportunidades: a primeira, com edema na panturrilha esquerda e, a segunda, quando realizou o processo de reequilíbrio biomecânico muscular.

Dentre a lista de lesionados, nomes como Maurício Isla, Filipe Luís, De Arrascaeta, Gustavo Henrique e Bruno Henrique foram desfalques em dois momentos diferentes. Já Piris da Motta, Pedro, Léo Pereira, Thiago Maia e David Luiz, se ausentaram em uma oportunidade cada. Os camisas 21 e 4, cabe destacar, foram os únicos que não sofreram contusão devido ao preparo físico.

JULHO
13/07: Rodrigo Caio (edema na panturrilha esquerda)
17/07: Piris da Motta (dor no tendão de Aquiles do tornozelo direito)
25/07: Isla (desgaste muscular)
28/07: Filipe Luís, Gustavo Henrique, Rodrigo Caio (desgaste muscular)
29/07: Renê (lesão na posterior da coxa direita)
31/07: Rodrigo Caio (reequilíbrio biomecânico e muscular)

AGOSTO
08/08: Pedro (entorse no tornozelo esquerdo)
17/08: Isla (fadiga muscular e dores na coxa direita)
21/08: Arrascaeta (fadiga muscular)
24/08: Léo Pereira (trauma ósseo na falange do quinto metatarso do pé esquerdo)
25/08: Bruno Henrique (dor na posterior da coxa)

SETEMBRO
09/09: Filipe Luís (lesão na panturrilha esquerda)
10/09: Diego Ribas (edema na panturrilha direita)
13/09: Arrascaeta (estiramento na posterior da coxa esquerda)
29/09: Thiago Maia (lesão no adutor da coxa esquerda)*

OUTUBRO
01/10: David Luiz (lesão no adutor da coxa esquerda)
02/10: Diego Ribas (dores musculares na coxa direita)
03/10: Bruno Henrique (dores no adutor da coxa esquerda)
05/10: Gustavo Henrique (edema no adutor da coxa direita) e Diego Ribas (edema na panturrilha direita)


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


JOGADORES COM PROBLEMAS FÍSICOS – FREQUÊNCIA

Rodrigo Caio – 3x
Piris da Motta
Isla – 2x
Filipe Luís – 2x
Gustavo Henrique – 2x
Pedro
Arrascaeta – 2x
Léo Pereira
Bruno Henrique – 2x
Diego Ribas – 3x
David Luiz
Thiago Maia*

*Diferentemente das lesões citadas acima, a de Thiago Maia não foi informada oficialmente pelo Flamengo

Vale lembrar que, em outubro de 2020, o Rubro-Negro anunciou uma mudança em parte de sua comissão técnica. À época, o Mais Querido acertou com dois novos médicos, três preparadores físicos e três fisioterapeutas. Três dos anunciados já pertenciam ao clube carioca: o médico Mauro Fonseca, o fisioterapeuta Laniyan Neves e o preparador físico Leonardo Melo (Léozão).

O trio trabalhava nas categorias de base do Flamengo e foram promovidos. Os outros cinco nomes que chegaram ao clube na ocasião foram: o médico Fernando Bassan, os preparadores físicos Alexandre Sanz e Rafael Winicki e os fisioterapeutas Márcio Puglia e Diego Paiva.

Entre os contratados da época, Alexandre Sanz foi reintegrado. Isso porque, ele pertencia à comissão técnica do Flamengo em 2019, mas com a chegada de Jorge Jesus, foi afastado, sem que houvesse demissão. O profissional, inclusive, pertence à Cipa (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes).

Já um dos nomes mais contestados no que diz respeito à preparação física dos atletas, é Rafael Winicki, que, por anos, trabalhou como personal trainer particular de diversos jogadores do Flamengo, como Diego Ribas e Rodrigo Caio. O preparador, inclusive, virou alvo de uma campanha da torcida rubro-negra que, no Twitter, pediu a demissão do educador físico.

No momento, três atletas estão entregues ao departamento médico do Flamengo: David Luiz, Diego Ribas e Gustavo Henrique. Além disso, o meio-campista De Arrascaeta, à serviço da Seleção Uruguaia, sentiu dores musculares quando estava em campo na última quinta-feira (07), contra a Colômbia, e precisou ser substituído. O jogador e o Fla aguardam o resultado do exame ainda nesta sexta (08), para saber se houve ou não lesão.

Entre os diversos problemas físicos e musculares, o Flamengo segue no embalo da maratona de jogos. Neste sábado (09), o Mais Querido entra em campo para enfrentar o Fortaleza, em partida válida pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro, na Arena Castelão. O duelo acontecerá a partir das 19h (horário de Brasília) e marca o confronto direto entre as equipes, empatadas com 39 pontos. Até então, o Fla é o vice-líder e o Tricolor Cearense, o quarto colocado.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Muitas lesões e algumas reincidentes como o caso de Arrascaeta. O departamento físico do Mengão carece de atenção especial para que os atletas possam jogar em melhores condições físicas.

  • Me desculpe Joãozinho, mas não concordo. Diferente dos demais clubes no Brasil, o Flamengo tem tanto titulares quanto reservas de alto nível, podendo perfeitamente fazer um rodízio para evitar problemas. Em 2019, tivemos muitos jogos e com um elenco menos recheado e ainda assim, poucas lesões se comparado a este ano. E vou falar de novo: esse DM é uma piada!!!

  • Não vai ser expondo nomes e estatísticas, a um público que, na maioria das vezes, pensa com o coração, que o CRF vai resolver deficiências.
    O CRF tem pessoal de grande conhecimento e experiência para realizar levantamentos e buscar uma solução para a questão das lesões frequentes.
    Devemos ter em mente que o clube vive, há muito tempo, uma maratona de jogos, e que nada é feito pelas autoridades nacionais do futebol. Além disso, nossos jogadores são caçados em campo, muitas das vezes sem qualquer punição da arbitragem. Em adição, a maioria de nossos melhores jogadores tem, pelo menos, 27 anos e aí é quando as contusões costumam ser mais frequentes e demandam maior prazo para recuperação.

  • Preparação péssima amigo do braz